“Vamos intensificar a fiscalização em relação à qualidade das refeições”

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital assegurou, hoje, que vai ser intensificada a fiscalização…

… em relação à qualidade das refeições, que estão a ser servidas aos alunos do pré-escolar e 1º ciclo, desde o dia 2 de setembro.

A Rádio Boa Nova tomou conhecimento do descontentamento de vários encarregados de educação relativamente à qualidade das refeições que passaram a ser servidas por uma empresa às crianças do pré-escolar e 1º ciclo do concelho.

Na última reunião pública da Câmara Municipal, José Carlos Alexandrino tornou público que por “imposição legal” a Câmara Municipal se viu obrigada a contratar uma empresa de restauração para assegurar as refeições às crianças, substituindo-se a várias IPSS do concelho que o vinham fazendo e com qualidade. Já naquela reunião, José Carlos Alexandrino chegou a antever que “nunca teremos a qualidade que tivemos”.

Esta manhã, questionado sobre a posição do município face ao descontentamento dos pais relativamente à qualidade das refeições, José Carlos Alexandrino logo clarificou que “a Câmara nunca defendeu esta opção”, e que o que fez foi “buscar um acordo quadro” existente no âmbito da CIM da Região de Coimbra com a empresa em causa, para acelerar o processo, “porque senão ainda não tínhamos refeições”.

Aos pais, o autarca assegura: “vamos intensificar a fiscalização em relação à qualidade das refeições”. Segundo o autarca, está em causa a contratação de 185 mil refeições e “há um caderno de encargos” que tem que ser cumprido.

Passado ainda nem um mês, José Carlos Alexandrino admite que “neste início, a própria empresa não estava preparada para fazer este número de refeições”. “Tivemos que atualizar uma cozinha no Centro Escolar de Nogueira do Cravo, de onde partem as refeições para outras escolas”, disse ainda o autarca.

Para José Carlos Alexandrino “ainda não é a hora de se fazerem grandes balanços”. “Vamos fazer fiscalização, se não estivermos contentes teremos que encontrar outras soluções. Não posso garantir mais do que isso. É preciso dizer aos pais que estamos no início do ano letivo e que há reajustamentos que tivemos que fazer”, disse ainda o autarca.


A propósito desta matéria, o diretor do Agrupamento de Escolas, que hoje acompanhou o presidente da Câmara Municipal numa visita ao Jardim de Infância de Alvôco de Várzeas, disse “estar preocupado para que tudo decorra com normalidade”. “É claro que haverá situações que carecem de algum aperfeiçoamento”, referiu, Carlos Carvalheira, apelando aos pais para que sejam “positivos” e percebam que “as coisas irão melhorar”




Alexandrino quer voltar a ver JI com “10, 15 ou 20 alunos”. Autarca prepara arranque de novo centro escolar na cidade (com vídeo)

O Jardim de Infância (JI) de Alvôco de Várzeas foi, esta manhã, o local escolhido pelo Município de Oliveira do hospital para assinalar o arranque do novo ano escolar.

No espaço que é frequentado por sete crianças, José Carlos Alexandrino disse que a sua vontade é “que este Jardim de Infância volte a ter 10, 15 ou 20 alunos”.

O ato foi simbólico, mas a mensagem foi clara e de defesa da manutenção dos jardins de infância e das escolas do 1º ciclo nas freguesias do concelho. “Houve uma lei de fecho das escolas com menos de 16 alunos e o que aconteceu foi que as aldeias ficaram muito abandonadas”, afirmou, esta manhã, o presidente do Município oliveirense. José Carlos Alexandrino assegurou que o seu executivo tem defendido as escolas do 1º ciclo e os Jardins de Infância, evitando que os alunos sejam deslocados “porque as aldeias quando têm alunos ainda têm vida, e quando deixam de ter há uma série de consequências”.

Na visita ao Jardim de Infância de Alvôco, onde se cantaram os parabéns à pequena Andreia pelo seu 4º aniversário, Alexandrino foi claro: “o que queremos é que este Jardim de Infância volte a ter 10, 15 ou 20 alunos”. A par dos números da perda de alunos no país, que nos últimos 10 anos, foi na ordem dos dois milhões, e que considerou “dramático”, o autarca deu conta de que Oliveira do Hospital a situação “tem-se mantido estável “. “Este foi o ano em que (o concelho) perdeu o menor número de alunos”, observou.

No caso do Jardim de Infância de Alvôco de Várzeas, o autarca destacou a boa parceria e apoio que tem sido dado pela Junta de Freguesia e pelo CERCAV, instituição que assegura o apoio social na freguesia.

O futuro Centro Escolar “terá as melhores condições”

Ao mesmo tempo que defende a manutenção dos JI e escolas do 1º ciclo nas freguesias mais afastadas da sede de concelho, Alexandrino prepara o arranque do novo centro escolar num investimento a rondar os cinco milhões de Euros e que ficará situado junto à Escola Secundária da cidade. “Já adquirimos os terrenos. É um projeto que é um sonho meu e da vereadora da Educação”, referiu o autarca, explicando que a atual EB1 será depois remodelada para acolher a ESTGOH. Para José Carlos Alexandrino trata-se de “um ganho em duas frentes”.

O futuro Centro Escolar, que implica alteração de vias, tem um investimento associado de cinco milhões de Euros e está referenciado no Pacto de Coesão da CIM da Região de Coimbra, não sendo ainda certo o seu montante do seu financiamento. Alexandrino disse hoje que espera levar a abertura da adjudicação da obra à primeira reunião pública do executivo do mês de outubro. “Estaremos muitos próximos de lançar a obra”, referiu.

Na opinião do autarca, o futuro centro escolar “terá as melhores condições. Pode não ser inaugurado no meu tempo. Mas vai ser uma realidade”.

“O ano escolar começou de forma calma, tranquila e organizada”

Carlos Carvalheira, diretor do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, acompanhou o autarca na visita ao JI de Alvôco de Várzeas, onde fez um balanço positivo do início do novo ano escolar. “Começou de forma calma, tranquila e organizada”, referiu o responsável, notando, no caso concreto, que “o pré-escolar merece a atenção e dedicação” da direção do Agrupamento de Escolas”. Carvalheira sublinhou o “ensino de proximidade e de contacto com as populações”. “Esta é a escola pública que temos”, frisou, apreciando o trabalho de parceria com a Câmara Municipal e que “é importante mantermos”.


Esta manhã, Carlos Carvalheira referiu que, no novo ano letivo, o Agrupamento de Escolas oliveirense conta com um total de 2231 alunos, distribuídos por 17 salas de Jardim de Infância, 37 salas do 1º Ciclo e 85 turmas.




AD Lagares: “A equipa está extremamente motivada para fazer uma grande época” (com vídeo)

A poucos dias de iniciar o Campeonato da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Coimbra, a Associação Desportiva (AD) de Lagares da Beira está “preparada” e “motivada” para “fazer a melhor época de sempre, ou seja conseguir ficar acima do 8º lugar da tabela classificativa, garante o treinador.

Em entrevista à Rádio Boa Nova, João Rocha, treinador da AD Lagares, afirmou que a sua equipa fez “uma boa pré-época e, por isso, está “preparada” para a luta no campeonato.

“A equipa está muito motivada e ansiosa para que chegue domingo”, defendeu.

Quanto ao plantel, o técnico adiantou que o “núcleo central” manteve-se mas “mais de metade do plantel foi renovado”, com escolhas de toda a equipa técnica que o acompanha.

“O objetivo é fazer a melhor época de sempre no Lagares da Beira”, disse, realçando que isso significa ficar acima da 8ª posição classificativa.

Para João Rocha, o sonho da subida de divisão “é uma ambição um pouco elevada no presente momento”.

“Os treinos têm corrido com grande intensidade e a equipa está extremamente motivada para fazer uma grande época”, garantiu.

Relativamente à primeira jornada do campeonato que será disputada em casa do Lagares já no próximo domingo, frente ao Eirense, o treinador antevê um “jogo difícil e competitivo”. “O Eirense é uma equipa que nos provoca sempre grandes dificuldades. É uma equipa muito estável, faz sempre épocas muito confortáveis”, concluiu.

 




“Uma equipa como o Nogueirense tem que sempre ambicionar estar nos Campeonatos Nacionais” (com vídeo)

Depois de uma “queda difícil”, que empurrou a Associação Desportiva Nogueirense (ADN) para os distritais, depois de nove épocas em campeonatos nacionais, o clube prepara-se para lutar por uma boa classificação e a subida de divisão esta época não é o “objetivo principal” do treinador.

Em entrevista à Rádio Boa Nova, Daniel Santos, novo treinador da ADN, afirmou que foi “fácil” aceitar o desafio de comandar a equipa sénior do clube de Nogueira do Cravo. “O Nogueirense é um clube com muita história e é sempre fácil aceitar um convite desta instituição”, justificou.

Daniel Santos, que antes já era treinador adjunto da equipa, ao lado de João Pires, referiu que encontrou “uma equipa que acabou de descer mas que tem a consciência tranquila pela época que fez”. “É uma equipa que tudo fez para não descer mas, infelizmente, na última jornada, isso aconteceu”, disse.

Crente de que “é uma equipa que tem toda a ambição e todo o valor para voltar aos Campeonatos Nacionais”, o treinador de 29 anos defende que esse “não é o primeiro objetivo” esta época.

“Uma equipa como o Nogueirense tem que sempre ambicionar estar nos Campeonatos Nacionais”, afirmou Daniel Santos.

Segundo o técnico, o objetivo para esta época que inicia já no domingo é “fazer um grande campeonato e estar nos primeiros lugares”.

Relativamente ao plantel, Daniel Santos referiu que, em relação à época passada, “ficaram poucos jogadores, apenas três”. “É um plantel quase novo, com muitos jogadores vindos da formação, que nunca jogaram no distrito de Coimbra, com alguma falta de experiência mas com muita ambição, muita vontade de viver e colocar o Nogueirense novamente onde merece”, referiu.

Quanto ao campeonato da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Coimbra que se inicia já no próximo domingo, onde a ADN recebe, em casa, a Académica, o treinador antevê “alguma ansiedade”. É neste jogo da 1ª jornada que o plantel se vai conhecer melhor e o técnico vai observar “o que é que cada um pode dar” à equipa. “Estamos com muita vontade de vencer”, garantiu.

Questionado sobre o momento atual que vive o Nogueirense, Daniel Santos defendeu que o clube “está bem estruturado”, apesar do abalo que sofreu na época passada.

“Foi uma queda difícil mas uma queda que nos fez voltar à realidade e, se calhar, vamos voltar ainda mais fortes”, afirmou.

À Rádio Boa Nova, o treinador garantiu que “a curto prazo, este clube estará, outra vez, nos nacionais”.




Hóquei Patins: “Temos um projeto que vai ser extremamente produtivo para a modalidade” (com vídeo)

A marcar o início da nova época desportiva na secção de hóquei patins do Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH), está o “espírito de família” e a ambição para alcançar “os melhores resultados”.

Jorge Gouveia, novo diretor da secção, eleito para o próximo biénio, à Rádio Boa Nova referiu que “foi equacionado um projeto para dar seguimento a um trabalho que tem vindo a ser feito no clube, nomeadamente nesta modalidade e na patinagem artística.

O facto de a secção contar com cerca de 150 atletas, desde escolinhas, benjamins, escolares, sub-13, sub-15, sub-19, seniores e patinagem artística, é prova de que “as zonas do interior” conseguem elevar, com dignidade, a modalidade.

“Temos um projeto para este biénio que, entendemos nós, vai ser extremamente produtivo para a modalidade”, afirmou Jorge Gouveia.

Neste momento, esta secção do FCOH tem “uma grande fragilidade em termos de atletas”. “Temos que pensar que a modalidade sofreu alterações neste último ano”, afirmou o responsável, referindo-se às modificações realizadas por parte da Federação Portuguesa de Patinagem, que provocaram “oscilações” em clubes. “Houve, inclusivamente, clubes que deixaram de ter atletas e escalões. No nosso caso, conseguimos manter os escalões, à exceção do sub-17 porque subimos a sub-19”, deu conta.

Na modalidade de hóquei patins, participam 98 atletas que, entre vários escalões, lutam pela melhor classificação nos Campeonatos Regionais e no Campeonato Nacional de Seniores.

A esta altura, Jorge Gouveia revelou à Rádio Boa Nova que a direção está a “fazer uma aposta muito grande na iniciação e na formação” para combater a lacuna de saída de jogadores no futuro, aquando do ingresso ao ensino superior.

“Vamos estar coesos, com espírito de equipa, para que consigamos sair todos com bons resultados e, acima de tudo, criar um espírito de família no hóquei”, defendeu.

Quanto à subida de divisão da equipa sénior, Jorge Gouveia afirma que “o sonho faz parte do ser humano”. “Acredito nos atletas. Acredito na vontade que eles têm em dar um bom contributo. São atletas esforçados e, portanto, podemos sonhar em ter um bom resultado”, afirmou.

De olhos postos nesta nova época que agora se inicia, o novo diretor da secção apela a toda a população “a ir cada vez mais ao pavilhão e puxar pelos atletas”. “É importante esta massa associativa”, concluiu.




Bombeiros promovem prova de perícia para adquirir Compressor Cardiotorácico. Requalificação de Central de Comunicações fica concluída até ao final do mês

A corporação de Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital (BVOH) promove no próximo domingo, dia 22 de setembro, uma Prova de Perícia Automóvel,…

… em alcatrão, que tem cariz solidário. O objetivo é angariação de verba para aquisição de um compressor cardiotorácico para equipar a Ambulância de Emergência (INEM).

A iniciativa, que marca o regresso das provas de perícia automóvel ao concelho de Oliveira do Hospital, vai decorrer a partir das 14h00, em recinto fechado, no espaço da feira mensal. Emídio Camacho, comandante dos BVOH referiu à Rádio Boa Nova que esta é uma iniciativa privada e não integra qualquer competição e está muito ligada ao conhecido bombeiro Tó Guilherme, que é um “elemento carismático” da corporação, que há já vários anos sofreu um grave acidente ao serviço da corporação, ficando privado a uma cadeira de rodas. “Esta é uma forma de o ajudar a diluir o seu tempo livre”, referiu Emídio Camacho que recorda os anos em que Tó Guilherme promoveu as provas de perícia automóvel com o falecido Jorge Faria da Cunha. Depois de um “interregno”, a iniciativa é agora retomada e já conta com elevado número de inscrições. Para o efeito, Emídio Camacho destaca a ajuda dada por Pedro Faria da Cunha, já habituado às provas de perícia e que levou a iniciativa ao conhecimento de muitos periceiros.


A iniciativa tem associada a vertente social, tendo em vista a aquisição de um compressor cardiotorácico, com custo associado de 10 mil Euros. Segundo o comandante este é um equipamento muito importante que poucas ambulâncias INEM possuem “devido ao seu custo avultado”.

Não substitui o socorrista, mas favorece o seu trabalho. O socorrista chega a ter cansaço e o aparelho permite não haver paragem (da manobra) até à ressuscitação e à chegada do apoio diferenciado”, explicou Emídio Camacho.

Para a aquisição do compressor cardiotorácico, a corporação iniciou a angariação de verbas com a iniciativa da “Desmancha do Porco” e pretende realizar outras ações com o mesmo propósito solidário. Emídio Camacho revela-se grato por toda a generosidade e solidariedade que tem sido dirigida à corporação seja por beneméritos, instituições, empresas e comunidade. “Temos um conceito de parceria”, comentou o comandante, notando que também a corporação presta serviços e colabora com a população.

“Está-se a remodelar a Central de Comunicações que é a espinha dorsal e funcional desta estrutura”

Até ao final do mês de setembro deverá, entretanto, ficar concluída a requalificação da Central de Comunicações da corporação de bombeiros oliveirense. À Rádio Boa Nova, Emídio Camacho referiu que o início dos trabalhos coincidiu com a época crítica dos incêndios florestais, notando porém que a obra já estava prevista no seio da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital, dirigida por Arménio Tavares, que naquela altura encontrou “uma janela de oportunidade”.

Sem adiantar o valor do investimento, por esta ser matéria da direção da Associação Humanitária, o comandante destacou a importância da requalificação que está a ser feita, considerando que “a Central de Comunicações é a espinha dorsal e funcional” do corpo de bombeiros. “Houve necessidade de equiparmos com recursos mais modernos, que permitam aos operadores melhorar a intervenção, a qualidade de atendimento e expor todos os recursos que sejam necessários”. A intervenção contempla a ampliação do espaço da Central localizado logo à entrada do edifício (lado esquerdo), bem como a instalação de um sistema “totalmente digital”, “desde as comunicações de rádio, chamadas telefónicas, encaminhamento de viaturas, georreferenciação e localização de viaturas e de bombeiros através da rede Siresp”.

“Vai melhorar em todos os aspetos. É uma melhoria da noite para o dia, em relação às centrais de comunicações”, reforçou o comandante.




Sinistralidade: 14 detenções, 932 infrações e 69 acidentes no distrito de Coimbra

O Comando Territorial de Coimbra procedeu, de 10 a 17 setembro, a várias operações, no distrito de Coimbra, como a prevenção e o combate à criminalidade violenta e a fiscalização rodoviária.

Em comunicado enviado à Rádio Boa Nova, a Guarda Nacional Republicana (GNR) informa que das 14 detenções em flagrante delito, 11 foram por condução sob o efeito do álcool.

No que respeita a apreensões, foram apreendidas 117 doses de haxixe; 13,68 gramas de liamba; uma arma de fogo; 11 munições; duas armas brancas e dois veículos.

Na fiscalização do trânsito foram detetadas 932 infrações, das quais 28 relacionadas com tacógrafos, 31 por falta de inspeção periódica obrigatória, nove por excesso de velocidade, 26 por uso do telemóvel no exercício da condução e 27 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança.

Nesta semana há a registar 69 acidentes, de onde resultaram dois feridos graves e 19 feridos leves.

No que respeita à fiscalização geral, foram emitidos 42 autos de contraordenação, destacando-se 27 no âmbito da legislação policial e 15 no âmbito da legislação da proteção da natureza e do ambiente.

Ainda nesta semana de operações foram realizadas ações de sensibilização no âmbito florestal e “Regresso às aulas”.




Município de Oliveira do Hospital abre candidaturas para Bolsas de Estudo no Ensino Superior

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital vai atribuir bolsas de estudo no ensino superior a alunos de cariz social e por mérito excecional.

O prazo para apresentação das candidaturas encontra-se a decorrer até 31 de outubro, podendo concorrer “os alunos residentes no concelho de Oliveira do Hospital que frequentam os estabelecimentos de ensino superior público, particular ou cooperativo, sediados dentro e fora do concelho”, explica o Município em comunicado.

“Para apoiar o prosseguimento de estudos aos alunos do concelho de Oliveira do Hospital, no ensino superior, o executivo deliberou também que o valor orçamental para este programa de atribuição de bolsas se cifra nos 50 mil euros”, acrescenta.

Relativamente às bolsas de cariz social, os alunos terão um montante mensal máximo de 30% da Retribuição Mínima Mensal. No que respeita às bolsas por mérito excecional, serão atribuídas a um total de seis alunos, no valor de 750 euros anuais, a atribuir da seguinte forma:  três a alunos que irão frequentar o 1.º ano do ensino superior e que tenham obtido média igual ou superior a 17 valores; e três a alunos que já frequentam o ensino superior e que tenham obtido  média igual ou superior a 15 valores.

Os concorrentes deverão preencher cumulativamente os requisitos constantes do regulamento em vigor e deverão apresentar a sua candidatura – até 31 de outubro – através de impresso próprio datado e assinado juntamente com todos os documentos solicitados, sob pena de exclusão. As candidaturas podem ser entregues via CTT endereçado ao Município de Oliveira do Hospital; através do site http://siga.edubox.pt ou presencialmente no Balcão Único da Câmara Municipal. O regulamento e o formulário de candidatura podem ser consultados no site do Município (https://tinyurl.com/y8oqpz6x), nos serviços administrativos da Câmara Municipal e demais locais onde se encontra afixado o respetivo edital.

“O apoio aos alunos e suas famílias tem sido uma prioridade da autarquia que procura desenvolver ações que fomentem a educação e o ensino. Consciente das dificuldades económicas que afetam algumas agregados familiares do concelho e que podem constituir obstáculo à prossecução do percurso formativo dos seus membros, a Câmara Municipal pretende contribuir para proporcionar o acesso ao ensino superior a jovens oliveirenses que, não obstante a sua situação económica, desejem continuar a sua formação académica. Visa ainda fomentar uma cultura de mérito, apoiando alunos que atinjam resultados excecionais, independentemente da sua condição económico-social. Para além de estimular a frequência de cursos superiores e a continuidade do percurso académico, a atribuição destas bolsas de estudo visa a criação de condições adequadas ao tecido económico concelhio, através da dotação de quadros técnicos superiores, fomentando um desenvolvimento sustentado”, refere o Município oliveirense.




Oliveira do Hospital adere a Semana Europeia da Mobilidade e comemora Dia Europeu Sem Carros

O Município de Oliveira do Hospital aderiu, pela primeira vez, à Semana Europeia da Mobilidade que, este ano, vai na 18ª edição. De 16 a 22 de setembro, o município sensibiliza…

… os oliveirenses para a adoção de bons hábitos para uma mobilidade sustentável.


O encerramento ao trânsito na via ascendente do Largo Ribeiro do Amaral, no centro da cidade de Oliveira do Hospital, entre as 08h e as 17h00, no dia 22 de setembro constitui o principal momento da Semana da Mobilidade, que decorre desde segunda-feira, dia 16.

Filipa Coelho, Engenheira do Ambiente, do Gabinete do Ambiente e Energia do Município de Oliveira do Hospital, explicou esta manhã, na Rádio Boa Nova, que o encerramento da via acontece no Dia Europeu Sem Carros e é uma obrigação imposta aos municípios aderentes à Semana Europeia da Mobilidade. “É uma obrigação, mas vai alertar e despertar consciências”, afirmou a responsável, notando ainda que se trata de “um pequeno gesto para que as pessoas possam ver que há medidas que podem ser feitas” em prol do ambiente.

Para Filipa Coelho “é cada vez mais importante” sensibilizar para a importância da mobilidade sustentada. “A nossa cidade é pequenina e se calhar andamos mais rápido a pé do que se andarmos de carro para trás e para a frente”.

Com as várias ações, o município pretende mostrar às pessoas que andar a pé e de bicicleta permite reduzir as emissões de CO2 (Dióxido de Carbono), melhorar a qualidade do ar e, ao mesmo tempo fazer exercício físico.

Entre 16 e 22 de setembro, é possível a visualização de pequenos filmes à entrada do edifício da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, onde também são disponibilizados folhetos informativos. Do programa fazem ainda parte caminhadas, passeios de bicicleta, atividades com crianças e uma exposição de veículos elétricos/híbridos (dia 21) no Largo Ribeiro do Amaral.

A Rádio Boa Nova é parceira da Semana Europeia da Mobilidade em Oliveira do Hospital, com a transmissão de spots que incentivam a bons hábitos para uma mobilidade mais sustentável , como o uso de transportes públicos, a partilha do carro com familiares , amigos ou vizinhos e andar de bicicleta e a pé em deslocações em que tal seja possível.




FCOH volta a empatar. “Não levámos os 3 pontos por culpa própria”, admite treinador (com vídeo)

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) voltou a empatar na 4ª jornada da Série C do Campeonato Nacional por duas bolas frente ao Condeixa.

A equipa oliveirense, que ainda só somou empates nesta época do Campeonato Nacional, esteve em vantagem por dois golos e, nos minutos finais da partida, que se realizou em Oliveira do Hospital, o adversário igualou o marcador, onde um dos golos foi convertido através de uma grande penalidade.

Aos 30’, Zé Francisco (FCOH) inaugurou o marcador e, aos 70’, Brunny (FCOH) reforça a vantagem da equipa da casa. Os últimos minutos do encontro foram fatais para os oliveirenses, uma vez que sofrerem rapidamente dois golos, que ditou o empate.

A arbitragem foi duramente criticada pelos adeptos do FCOH que defendem que o último golo do Condeixa já foi marcado fora do tempo de compensação dado pelo árbitro.

No final da partida, Miguel Valença, treinador dos oliveirenses, em declarações à Rádio Boa Nova, admitiu que a sua equipa “não levou os três pontos por culpa própria”. Para o técnico, o seu plantel foi “incompetente” e mostrou “falta de concentração”.

Miguel Valença também considerou que a arbitragem “condicionou” a sua equipa em alguns lances, contudo “não é desculpa” para o resultado final.

“Dos 20 aos 60 minutos, o jogo foi todo nosso”, defendeu, assumindo, porém, a culpa pelo empate.

“A culpa é inteiramente nossa porque não soubemos ser inteligentes o suficiente para continuar o nosso jogo. Não fomos audazes o suficiente para continuar com a vantagem”, referiu Miguel Valença.

“Depois de estar a ganhar 2-0, nunca me passou pela cabeça sofrer dois golos”, afirmou.

À Rádio Boa Nova, o técnico referiu que a sua equipa “ainda está em processo” e defendeu que os três empates que clube já tinha “foram contra três concorrentes ao playoff”.

O FCOH segue na competição no 12º lugar da tabela classificativa, com 4 pontos.




Oliveira do Hospital: Paróquia adquiriu terreno para futura Igreja que terá capacidade para “400 ou 500 pessoas sentadas”

A paróquia de Oliveira do Hospital adquiriu o terreno destinado à construção da nova Igreja. O terreno, com área de 1400 metros quadrados, …

… está localizado na parte de trás do Tribunal, em direção a Aldeia de Nogueira.

A informação foi avançada na Rádio Boa Nova, esta manhã, por António Loureiro, pároco de Oliveira do Hospital e Arcipreste do Nordeste da Diocese de Coimbra, no programa “Palavras de Esperança”, que tem repetição no domingo dia 15, às 10h00 e às 15h00. A informação também consta do último número do “aprisco” (folheto da Unidade Pastoral de Oliveira do Hospital) onde se lê “vamos avançar com o projeto da nova igreja” e é feito convite à participação da comunidade, no dia 28 de setembro, na celebração da Festa do Padroeiro, a Exaltação da Santa Cruz e a bênção do terreno destinado à nova Igreja.

Esta manhã, no programa “Palavras de Esperança”, o pároco oliveirense reportou para as iniciativas agendadas para o dia 28 de setembro, em que ocorre o início oficial da catequese, destacando também a bênção do terreno que “a paróquia conseguiu adquirir para a construção da nova Igreja”.

Sem adiantar o valor da aquisição, António Loureiro explicou que se trata de um lugar que “agora está limpo” e antes tinha “casas e árvores velhas”. Adiantou que “há já vários gabinetes de arquitetura a refletir e a trabalhar para que até ao fim do ano seja apresentada uma ideia para a futura Igreja, que será edificada com salões para reuniões e para suas atividades”.

A construção de uma nova Igreja é uma ideia falada desde “há muitos anos” mas “ainda não concretizada. “Agora damos um passo importante”, referiu António Loureiro.

A esta altura, o pároco oliveirense não tem previsão para o arranque das obras da futura igreja. “Vamos com calma, é preciso dar passos seguros”, afirmou, explicando que a ideia que chegou a ser pensada de construir a igreja junto à estátua de S. João Paulo II (em sítio próximo da Rádio Boa Nova), não vingou, por se entender que ficaria “afastada” do centro da cidade. Com o novo terreno, António Loureiro nota que a Igreja ficará “próxima da atual Igreja”, localizada em frente ao tribunal e contígua ao edifício da Câmara Municipal.

O desafio lançado aos gabinetes de arquitetura é de que a nova Igreja “tenha capacidade para 400 ou 500 pessoas sentadas”. Para que a ideia se concretize, António Loureiro apela à mobilização de todos. “Posso-lhe dizer que existe o dinheiro. O problema é que não sabemos ainda onde. Temos que nos envolver, para que consigamos juntar esse dinheiro e sejamos capazes de construir a nova igreja”, concluiu.




Eptoliva bate recorde na entrada de novos alunos

A Eptoliva- Escola Profissional de Oliveira do Hospital, Tábua e Arganil, abriu hoje portas ao novo ano letivo com o recorde de entrada de novos alunos. Entraram cerca de 100 alunos, o que equivale à criação de seis turmas do primeiro ano, mais duas do que estava previsto.

Na sessão de abertura, decorrida esta manhã no edifício sede, em Oliveira do Hospital, Daniel Costa, presidente da ADEPTOLIVA, dirigiu as primeiras palavras aos novos alunos. “Obrigada por terem confiado na Eptoliva para formar o vosso futuro”, começou por dizer.

Na ocasião, Daniel Costa fez questão de anunciar que, este ano, a escola “tem o maior número de alunos de sempre”. “É sinal que esta escola tem conseguido fazer aquilo que é básico: valorizar o ensino profissional”, disse, realçando que, nos dias de hoje, este tipo de ensino “é tão válido como qualquer outro”.

As referências aos prémios nacionais e internacionais que a Eptoliva tem conquistado também não faltaram na sessão de apresentação. “É uma escola muito grande”, defendeu o responsável que fez questão de evidenciar o elevado nível de empregabilidade dos alunos que frequentam a instituição. “Temos aqui cursos que, em anos anteriores, tiveram cem por cento de empregabilidade”, afirmou.

A escola que brevemente comemora 28 anos de existência e que tem como promotores oficiais as Câmaras Municipais de Oliveira do Hospital e Tábua, atribui, por ano, cerca de dois mil euros por mérito escolar aos alunos.

O ingresso no ensino superior também tem sido uma das grandes apostas da direção da escola que, no ano transato, registou uma taxa de 30 por cento de alunos que entraram em universidades e politécnicos.

E tal como prometido, Daniel Costa anunciou a entrega de tablets a cada novoaluno que servirá de “instrumento de trabalho” e permitirá “dotar os alunos das melhores condições de ensino”.

 

 

Graça Silva, vereadora da Educação do Município de Oliveira do Hospital, referiu que o elevado número de inscrições de alunos “é o resultado do grande trabalho que tem sido feito nos últimos anos”. Perante uma plateia de alunos e respetivos pais e encarregados de educação, a vereadora fez questão de explicar a importância do envolvimento da família no percurso escolar.

José Francisco Rolo, vice-presidente do Município oliveirense, começou por desejar aos alunos “um ano letivo produtivo” e que “aproveitem uma escola de sucesso”, com “forte ligação à comunidade”.

Por sua vez, Ricardo Cruz, vice-presidente do Município de Tábua, afirmou que a Eptoliva tem refletido uma forte consolidação ao longo do tempo e que o recorde registado este ano significa “que a escola está bem e a formar bem” e que, “cada vez mais, é uma escola de eleição”.




Aqua Village completa hoje três anos de atividade marcados pelo “sucesso”

O Aqua Village, Health Resort & Spa, com classificação de 5 estrelas, completa hoje três anos de atividade. Francisco Cruz, promotor do espaço…

… localizado nas Caldas de S. Paulo, no concelho de Oliveira do Hospital, faz um balanço “muito positivo” do caminho percorrido até aqui. A prová-lo estão os prémios internacionais já conquistados e mais 10 que lhe vão ser entregues na Malásia.

Em dia de aniversário, o Aqua Village voltou a abrir as portas à Rádio Boa Nova. Francisco Cruz, promotor, e o filho, com o mesmo nome, que ali assume funções de diretor geral, não poderiam estar mais satisfeitos pelo trabalho diferenciador que ali é prestado e que tem resultado numa taxa de ocupação na ordem dos 60 por cento.

Na hora de fazer um balanço dos três anos de funcionamento, Francisco Cruz (pai), considerou que “o balanço só pode ser muito positivo”.

“Conseguimos criar um espaço diferenciador e estamos a dar uma boa resposta a quem nos procura, com uma capacidade impressionante de fidelização de clientes. Acho que esse é o principal atrativo e motivo que nos leva a concluir que este projeto tem sido realmente um sucesso.”

A funcionar desde 12 de setembro de 2016, o Aqua Village é prova de que no interior do país  é possível ter respostas diferenciadoras. Francisco Cruz, verifica que tal se deve à “qualidade do serviço que presta”, bem como ao “muito, muito trabalho e dedicação de toda uma equipa que aqui se entrega de corpo e alma e que tem sido a imagem de marca deste projeto”.  “Costumo dizer que estamos no interior do interior, longe dos aeroportos, que facilitaria a entrada no mercado externo”, comenta o promotor, notando que ainda assim “pouco a pouco e com muita dedicação, com muito esforço financeiro” tem sido possível captar o mercado externo.

Contas feitas, Francisco Cruz, adianta que o Hotel que se destaca pela excelência no alojamento e restaurante e na promoção de uma vida saudável, regista “uma taxa de ocupação de 60 por cento”. “ Temos uma percentagem de mercado externo na ordem dos 30 por cento e 70 por cento nacional”.

A cada dia, o desafio que se coloca é de trabalhar sempre com o objetivo de melhorar. “Temos estado a receber reconhecimento ao nível internacional com os prémios que temos ganho”, refere o promotor que revelou à Rádio Boa Nova que o Aqua Village vai receber no dia 20 de outubro, na Malásia, mais 10 prémios internacionais. “É com muito orgulho que os dedico à minha família mais próxima, mulher e filhos e equipa que aqui todos os dias trabalha com empenho e dedicação, e a todos os aqueles que ainda não tiveram a coragem de reconhecer o mérito deste projeto”.

O alojamento no Aqua Village é em apartamento com tipologias t1 e t2, com suite presidencial que “foi considerada a melhor suite de presidencial da Europa”. “É um orgulho”, confessou Francisco Cruz à Rádio Boa Nova, contando que o espaço tem tido muita procura de figuras públicas, com a sua privacidade a ser garantida pelo Hotel.

Para além do alojamento, o Aqua Village assegura serviço de restauração, bar, serviço de bar de cocktelaria, sauna com três piscinas, sete gabinetes de massagem, tratamento anti celulite com água termal. Francisco Cruz destaca ainda a “experiência inesquecível de ter uma massagem na gota suspensa”. “A gota é a nossa imagem de marca. Há sempre uma curiosidade incrível em visitar a gota”, contou.

Uma sala de cinema, biblioteca, Kids clube e sala de congressos são outros espaços do Hotel que, neste verão, lançou a “praia fluvial que convida a entrar do rio”, com um bar de apoio e um ancoradouro para desportos náuticos. “Criamos as melhores condições para que as pessoas se sintam confortáveis”, referiu.

Dada a elevada procura do Aqua Village, por grupos e empresas, Francisco Cruz verifica que “hotel começa a ser pequeno”, pelo que já trabalham num novo projeto de criação de um novo hotel, em espaço próximo do Aqua Village. “O financiamento está garantido, mas as dificuldades administrativas já se estão a sentir. Há seis meses que esperamos de respostas por parte do município e até agora não há nada”, lamentou.

O futuro espaço “será uma unidade com filosofia diferente, de quatro estrelas superior, e a oferta será em quartos com características diferenciadoras: “quartos com cobertura acessível, com piscina privativa e quartos duplos com piscina privativa. Está prevista uma piscina com 70 metros de comprimento suspensa, em vidro, e uma mega sala de eventos para cerca de 800 a 1000 pessoas, o que nos permite uma capacidade de alojamento e organização de eventos que hoje não tem sido possível.

Com 57 anos, Francisco Cruz – professor de Educação Visual e Tecnológica com Pós-graduação em gestão e sustentabilidade no Turismo –  partilhou com a Rádio Boa Nova o “maior orgulho” pela família, que tem estado sempre “coesa” neste que é um “projeto de família”.  Mostra-se satisfeito por o filho, Francisco Cruz, de 29 anos, com mestrado em Engenharia Civil e Pós Graduação em Gestão Turística e Hoteleira, ter manifestado vontade de se envolver a tempo inteiro. “Hoje é o diretor geral e a pessoa em que confio a 100 por cento”, referiu.

Pai e filho são os principais rostos do projeto. “Em três anos conseguimos captar sozinhos para o território cerca de 40 mil hóspedes e 80 mil dormidas. Deve-se essencialmente o trabalho do diretor que coordena toda uma equipa com maior empenho e dedicação”, conclui Francisco Cruz.




Diretor do Agrupamento de Escolas tranquiliza os pais sobre os livros escolares. Aulas iniciam a 16 de setembro (com vídeo)

Carlos Carvalheira, diretor do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, esteve hoje em entrevista na Rádio Boa Nova, onde apresentou…

… um pedido de desculpas aos pais e encarregados de educação no processo que “não tem corrido bem” de reutilização dos manuais escolares.

“Nenhum aluno vai ser penalizado por não ter manuais escolares no início do ano. Há alguma insatisfação, mas eu estou sempre na escola para receber os encarregados de educação ”, disse o diretor do Agrupamento de Escolas, admitindo algumas falhas no programa de reutilização dos manuais escolares e que é gerido pela plataforma “MEGA”.

No Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, o novo ano letivo vai contar com 2231 alunos, cerca de 285 professores e 85 operacionais, reconhecendo Carlos Carvalheira que o número de assistentes operacionais é reduzido, devido à aposentação de alguns profissionais. Espera que possa haver, por parte do Ministério da Educação, o aval para a contratação de assistentes operacionais. O diretor do agrupamento de Escolas verifica que número de alunos é ligeiramente menor do que em anos anteriores, notando porém que se registou um acréscimo de alunos ao nível do pré-escolar e 1º CEB.

A qualidade das refeições que são servidas nas escolas foi também abordada na entrevista com Carlos Carvalheira, com este responsável a assegurar que “há muita qualidade nas refeições que são servidas”. De acordo com o responsável, as ementas são definidas pelo ministério da Educação, e quem prepara os almoços “tem cuidados relativamente à utilização de alguns produtos”. Na Rádio Boa Nova, Carlos Carvalheira informou que ele próprio almoça com frequência na cantina da escola sede e desafia os pais de alunos que se queixam das refeições para se deslocarem à escola e experimentarem, de forma gratuita, as refeições que ali são servidas. “Venham ver, experimentar e acompanhar as refeições”, frisou.

Com o início das aulas à porta, mantêm-se paradas as obras de substituição das coberturas de fibrocimento (contém amianto) e melhoria energética na escola sede. As obras chegaram a ser iniciadas no final de 2018, ficando logo paradas no mês seguinte, em janeiro de 2019, com a empresa responsável a deixar um pavilhão a descoberto, situação que se mantém. “É outro calvário que temos vindo a acompanhar de forma muito preocupada. A informação que tenho é que ainda não foi feito novo concurso”. Em causa está um investimento na ordem de um milhão de Euros de melhoria no espaço escolar.

As atividades letivas iniciam no próximo dia 16, sendo que no decorrer desta semana acontecem as habituais apresentações. Em marcha estão já as duas turmas dos cursos de Educação e Formação nas áreas de Cozinha e Hotelaria e de Multimédia.

Na Rádio Boa Nova, Carlos Carvalheira, destacou aspetos como a “organização e qualidade” que marcam o trabalho desenvolvido no Agrupamento de Escolas. Prova disso é o elevado número de alunos que acabam de ingressar no ensino superior e logo na primeira opção, a quem deu os parabéns. “É um orgulho”, considerou.




Município de Oliveira do Hospital substitui-se a privados no corte de árvores ardidas na berma das estradas

O Município de Oliveira do Hospital tem em curso o corte de árvores ardidas numa extensão de 76 quilómetros, substituindo-se aos proprietários…

… que, apesar de notificados, não cortaram, nem procederam à retirada dos troncos.

A autarquia já tinha informado desta operação em comunicado, sendo que na última reunião pública do executivo, o presidente do Município, José Carlos Alexandrino, reiterou o propósito, informando da contratação do serviço num valor estimado, com IVA, de cerca de 25 mil Euros.

Passados quase dois anos após o grande incêndio de 15 de outubro de 2017, resistem as marcas da tragédia, sendo prova disso a existência de árvores ardidas, que em algumas zonas do concelho constituem perigo para as pessoas.

“O gabinete técnico local marcou todas as árvores que oferecem perigo. Passou-se o tempo e houve proprietários que as retiraram. Outros não o fizeram. A Câmara não se pode alhear desse problema e lançou um aviso em que vai realizar esses cortes e diz às pessoas que têm oito dias para retirar os troncos. Depois de oito dias será a Câmara a retirar”.

Segundo José Carlos Alexandrino, os trabalhos têm custo associado de 25 mil Euros (IVA incluído), informando que esta despesa “não era previsível”. “Mas quando vier a chuva e vento, aqueles pinheiros caem todos”, referiu o autarca, notando que este é um dos assuntos que o preocupa.

Para o vereador Carlos Carvalheira, vereador do PS e diretor do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital “é importante, é fundamental e é prioritário” que se procede ao corte das árvores ardidas. O vereador destacou mesmo as situações de perigo existentes em frente à Escola da Cordinha . “Há muito tempo que estão sinalizados os pinheiros e, já foram instruídos os donos para abate de pinheiros. Põem em perigo toda a comunidade que lá vai passando”, referiu.




Incêndio em Póvoa de S. Cosme foi combatido por 27 bombeiros e um meio aéreo

Cerca das 14h25 desta terça feira foi dado alerta para um incêndio florestal na localidade de Póvoa de S. Cosme, na União de Freguesias…

…de Ervedal e Vila Franca da Beira, no concelho de Oliveira do Hospital. O incêndio que mobilizou bombeiros de quatro corporações  e um helicóptero está em fase de resolução.

Contactado pela Rádio Boa Nova, António Pinto, comandante dos Bombeiros Voluntários de Lagares da Beira adiantou que a corporação seguiu para o terreno com duas equipas, que foram reforçadas pelo CDOS com mais três corpos de Bombeiros: Oliveira do Hospital, Tábua e Vila Nova de Oliveirinha. Uma equipa helitransportada também ajudou no combate ao fogo com algumas descargas.

Cerca das 15h30, segundo o comandante estavam no local 27 bombeiros a proceder a trabalhos de rescaldo. “O incêndio foi rapidamente dominado. Ardeu mais ou menos um hectare em zona de mato”, adiantou António Pinto à Rádio Boa Nova, informando que nunca houve habitações em risco. Explicou que o fogo teve início na subida de encosta do Rio Mondego,  e “com a colocação de meios  conseguimos com que a frente de subida cedesse”. “Ficou resolvido”, afirmou, referindo que os bombeiros estão a realizar trabalhos de arrefecimento de todas as zonas.

À Rádio Boa Nova, António Pinto disse ainda, que o incêndio deflagrou numa zona de vegetação seca, onde arderam pilhas de madeira. “É estranha esta situação. Mas a equipa que chegou primeiro não viu ninguém no local. Talvez, trabalhos que não deveriam ser feitos” adiantou.




Rafael Gomes percorreu 738 quilómetros em 24 horas e 30 minutos em homenagem ao irmão

O conhecido triatleta de Oliveira do Hospital, Rafael Delaunay Gomes, superou o desafio a que se propôs, percorrendo 738 quilómetros, de Chaves a Faro, pela Estrada Nacional 2 (EN2), em bicicleta, em 24 horas e 30 minutos.

O sentimento é de missão cumprida mas, acima de tudo, é “ter cumprido o desafio em honra do irmão”, garante Rafael Gomes.

Em declarações à Rádio Boa Nova, o atleta de 37 anos adiantou que o objetivo da iniciativa era “dar a conhecer a história de vida” do irmão que venceu o quarto tumor maligno.

O percurso da EN2 não era desconhecido, uma vez que, em 2017, já tinha feito esta ligação do norte ao sul do país. Este ano, conseguiu o feito com menos de cinco horas que registou há dois anos. A alimentação e o apoio dos amigos foram a “ajuda fundamental”.

“Fui mais preparado. Sabia quais eram as minhas fraquezas, sabia o material que tinha que levar e o tipo de alimentação que tinha que fazer”, disse, revelando que contou com a ajuda de uma nutricionista que o contactou “em cima da hora para fazer o plano nutricional”.

Quanto ao grupo de amigos que o auxiliou durante todo o trajeto, Rafael Gomes afirmou que foi um “apoio fundamental”. “Se não fosse a paciência que eles tiveram em estar 738 quilómetros numa carrinha, durante 24 horas, a seguir um ciclista a 30 ou 40 quilómetros por hora, eu nunca conseguiria fazer este tempo”, defendeu.

Nas últimas horas do desafio, juntaram-se a Rafael, Bruno Pais e Rui Dolores, que lhe deram “alento suficiente” para se “sentir bem” ao longo do restante percurso.

 

Para além de homenagear o irmão, que é um exemplo de “superação porque desde criança tem doenças oncológicas”, o atleta do Estoril Praia Credibom quis chamar a atenção no âmbito da prevenção rodoviária, alertando para a distância de segurança que os automobilistas devem deixar em relação a um ciclista. “Deve haver respeito por ambas as partes”, justificou.

Rafael Gomes relembrou os dois anos que esteve parado no mundo do desporto devido ao estado de saúde do irmão. Para o atleta “não era justo” viver para “obter resultados desportivos”, uma vez que o seu familiar viu-se obrigado a desistir do desporto em resultado da doença.

Dois anos depois voltou e hoje não se imagina longe do desporto. “Dá-me muita força em fazer as coisas graças a ele. Vejo-me a esforçar muito graças ao espírito que ele tem de lutador”, afirmou Rafael, referindo-se ao irmão.

Por agora, o atleta oliveirense adiantou à Rádio Boa Nova que falta realizar duas provas para acabar a sua época do triatlo. Rafael vai participar no Ironman Spirit of 78, com 3 800 metros a nadar, 180 metros em bicicleta e 42 metros a correr. Para além disso, no final do mês de outubro tem a sua última prova no Campeonato de Distância Longa de Triatlo.

A curto prazo vai participando em provas de CrossFit, uma das outras suas paixões.

“O desporto está sempre presente. Não consigo não estar envolvido no desporto”, concluiu Rafael Gomes.

Em 24 horas e 30 minutos, o atleta “pedalou pela vida”, percorrendo 11 distritos, 4 serras, 11 rios e 35 municípios.

Oiça a entrevista na íntegra »»»

(Fotos: Paula Miranda)




Grandes penalidades ditaram o fim do FCOH na Taça de Portugal (com vídeo)

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) viu, ontem, por terminada, a sua caminhada na competição da Taça de Portugal, depois de perder na “lotaria” dos penaltis frente ao Condeixa.

Num jogo onde não faltaram oportunidades de golo para a equipa oliveirense, a equipa da casa, o Condeixa, conseguiu passar para a segunda eliminatória, com o resultado de 5-4 nas grandes penalidades.

Apesar de o FCOH mostrar-se superior na posse de bola, remates à baliza e oportunidades de golo, a bola teimava em não entrar na baliza do Condeixa.

No prolongamento da partida, que juntou em campo as duas únicas equipas do distrito de Coimbra nesta competição, ambos os treinadores viram as suas equipas reduzirem, depois de um jogador do Condeixa levar vermelho direto e, mais à frente, o número 95 do FCOH, Kaíque Jordan, ser expulso em consequência do segundo amarelo.

No final do jogo, Miguel Valença, treinador dos oliveirenses, fez a análise do jogo, em declarações à Rádio Boa Nova.

“Sabíamos que ia ser um jogo muito difícil, em casa de um adversário complicado”, começa por dizer, contudo defende que a sua equipa “foi superior desde o primeiro minuto até aos 90”.

“Conseguimos manter o resultado até aos penaltis e depois é uma questão de sorte e de competência, porque na hora da verdade também é preciso ter sangue frio para finalizar”, afirmou, mostrando-se igualmente “orgulhoso” pelos seus atletas.

Para além da Taça de Portugal “ser um sonho”, Miguel Valença não esconde que a questão monetária também era importante. “Tínhamos o sonho de também dar à nossa direção esta passagem na primeira eliminatória porque monetariamente, a nível da Federação, é muito bom para os clubes”, disse.

Agora, a equipa oliveirense prepara-se para receber em casa, no próximo domingo, o Condeixa mas, desta vez, a contar para a Série C do Campeonato Nacional. Apesar de o adversário ser o mesmo, “o jogo vai ser completamente diferente”, garante Miguel Valença.

Veja a entrevista na íntegra »»»»»»




149 alunos colocados na ESTGOH. Sobram 55 vagas para restantes fases

Divulgados os resultados das colocações da 1ª fase de Acesso ao Ensino Superior, a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) regista a colocação de 149 alunos, sobrando 55 vagas para a 2ª e 3ª fases.

Segundo a Direção-Geral do Ensino Superior, o curso de Gestão é o que apresenta maior número de colocados (42), seguido do curso de Contabilidade e Administração (41), Administração e Marketing (36) e Engenharia Informática (24). Os cursos com menos colocações foram Gestão de Bioindústrias (3), Sistemas e Tecnologias da Informação (2) e Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território (1).

Para a segunda fase do Concurso Nacional de Acesso, que decorre de 9 a 20 de setembro, restam 55 vagas na Escola Superior de Oliveira do Hospital.

Os cursos de Contabilidade e Administração, Administração e Marketing e Gestão têm todas as vagas preenchidas. Por sua vez, o curso de Desenvolvimento Regional e Ordenamento do Território apresenta, ainda, 9 vagas, assim como Engenharia Informática. Em Gestão de Bioindústrias faltam preencher 7 vagas e, em Sistemas e Tecnologias da Informação sobraram 30 vagas.

Desta forma, a ESTGOH preenche 74,5% das vagas e cresce 4,2% face a 2018.

A nível nacional, entraram 44 500 alunos para o ensino superior nesta primeira fase, o que representa a colocação de 87,2% dos 51.036 candidatos que este ano tentaram aceder ao ensino superior, de acordo com os dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Do total, 27 280 entraram nas universidades e 17 220 nos institutos politécnicos, crescimentos de 0,9% e 1,5% respetivamente face ao ano anterior.

O total de alunos colocados no curso da sua preferência (primeira opção) é de 23.625, o que equivale a 53,1% do total, um peso percentual ligeiramente inferior aos 54,7% de 2018.




Empresa substitui IPSS nos almoços a alunos do pré-escolar e 1º CEB. Câmara diz se trata de uma imposição legal

A vereadora da Educação e Cultura do Município de Oliveira do Hospital informou ontem que, desde o dia 2 de setembro, …

… a empresa Eurest iniciou o fornecimento de almoços aos alunos do pré-escolar e do 1º ciclo no concelho de Oliveira do Hospital. Até aqui as refeições eram asseguradas pelas várias Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho.

Em reunião pública do executivo, a vereadora refere que o valor estabelecido por refeição é de 2,19€, num total de 363 refeições diárias, correspondendo a um valor global de cerca de 200 mil Euros (iva incluído). Graça Silva referiu que esta é a “primeira vez que a Câmara Municipal está a implementar “ a medida e disse esperar e desejar que “corra bem”. Adiantou, porém que esta foi uma medida que custou a aceitar ao Município “porque estávamos bem servidos pelas instituições”. Constatando que nos anos anteriores “tudo correu pelo melhor e as instituições faziam com que as crianças tivesse refeições de qualidade”,  Graça Silva admitiu ter agora “algumas ressalvas”. “É uma empresa. É diferente”, afirmou a vereadora, mostrando-se grata pela competência dos técnicos  das cozinhas, auxiliares, diretores das IPSS e entidades fornecedoras”. Disse mesmo que o Município vai proceder ao envio de uma carta de agradecimento as todas as instituições.

José Carlos Alexandrino, presidente do Município, referiu na ocasião que a autarquia foi “obrigada a isto”. “Não foi uma opção nossa”, afirmou, notando que se trata de uma imposição legal que também afeta o transporte das crianças que até aqui era assegurado pelas instituições e juntas de freguesia. Segundo adiantou, a medida vais custar mais 25 mil Euros ao Município.

“Não me conformo. Tínhamos serviços de excelência”, notou José Carlos Alexandrino, verificando que antes existiam parcerias de proximidade com as instituições que possibilitava o seu desenvolvimento económico. Agora com a contratação da empresa, o Município vê-se obrigado a montar uma cozinha, que ainda não está completa, no Centro Escolar de Nogueira do Cravo, lugar a partir do qual já se iniciou fornecimento das refeições. “Vai-nos ficar a um preço elevado. Não tenho dúvidas, nunca teremos a qualidade que tivemos”, referiu.

Carlos Carvalheira, vereador do PS e diretor do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital considerou que esta é “uma mudança significativa. Apelou a que haja uma “boa vigilância” nas refeições que são servidas. “Que este serviço possa manter o nível que se verificava” com as instituições.




Moradora queixa-se de ruído de bar na cidade de Oliveira do Hospital

Uma moradora na cidade de Oliveira do Hospital foi, esta manhã, à reunião pública do Município queixar-se do ruído…

… que resulta de um bar localizado próximo da casa onde reside. Maria da Piedade disse ser uma mulher “tolerante”, mas considerou que a “paciência tem limites”.

Mãe de um “filho autista e que precisa de descanso”, a moradora entende que outros valores se levantam, razão pela qual na última noite solicitou a intervenção da GNR, já que “eram 3h49 da manhã e ainda se encontrava de pé”. Esta manhã, a mulher disse ser “muito tolerante e paciente, mas que a esta altura está exaurida e exausta”.

Na reunião do Município de Oliveira do Hospital, Maria da Piedade apelou ao executivo para que faça uma avaliação acústica nos bares e casa dos condóminos e uma revisão do horário de licenciamento. “Aquilo não pode estar aberto até às 2h00 da manhã, porque se propaga até às 4h00 e 5h00. É preciso avaliar esse impacto nocivo para a saúde”, referiu a moradora.

Maria da Piedade já tinha feito uma comunicação à Câmara Municipal, que segundo referiu, deu resposta às questões de higiene e das beatas, mas não se referiu ao ruído. José Carlos Alexandrino, presidente do MOH não se mostrou surpreendido com a queixa de Maria da Piedade na reunião de hoje, lendo mesmo o e-mail que ontem, dia 4, dirigiu ao comandante da GNR tendo em vista uma maior fiscalização no que respeita ao encerramento dos bares na horário estipulado (2h00, mais meia hora de tolerância).


O autarca adiantou que o Município tem aprovado de forma excecional (no Natal, na Páscoa, por exemplo) o alargamento do horário. “Temos sempre mantido o horário das 2h00, já que tem havido pressão dos bares para alargamento do horário”, referiu. Segundo o autarca, Maria  da Piedade não é a única a queixar-se, motivo pelo qual já solicitou à GNR uma maior fiscalização. Para o autarca verifica-se “um abuso”.

Sobre esta matéria, João Paulo Albuquerque, vereador do PSD, verificou que se os bares deixarem de poder estar abertos até às 2h, se acaba com a noite em Oliveira do Hospital, tal como já aconteceu em Seia e Nelas, por exemplo. Para o vereador, “sempre houve bares e condóminos e sempre houve soluções”, questionando a moradora se os ruídos saíam do bar ou aconteciam no exterior. Maria da Piedade, chegou a exemplificar os ruídos e a compará-los com tambores, mais parecendo “estamos em África”. “Ninguém consegue dormir”, frisou. Albuquerque notou que mesmo que se mantenha o horário, “o ruído tem que acabar”, já que “há soluções para isto, seja forçando o proprietário a fazer isolamento sonoro, ou a baixar o volume”.

José Carlos Alexandrino referiu ainda que o bar em questão não é o único que o preocupa. “Há muitos bares que me preocupam”, referiu o autarca, informando que a GNR tem aplicado coimas mas só relativas ao incumprimento dos horários. Mostrou-se igualmente preocupado com a ocorrência de “altercações entre jovens”.




Oliveira do Hospital já lançou “inquérito de opinião” para escolha de artistas da EXPOH 2020

Tal como tinha sido anunciado pelo presidente da autarquia, o Município de Oliveira do Hospital lançou a primeira fase do “Inquérito de Opinião”,…

… para a escolha dos artistas que subirão ao palco na EXPOH 2020.

Através do “Inquérito de Opinião” que está disponível no site da Câmara Municipal, a organização da  EXPOH – Feira Regional de Oliveira do Hospital “convida todos os oliveirenses a darem o seu contributo na escolha dos artistas que integrarão o cartaz deste evento que, em 2020, decorrerá de 21 a 26 de julho”.

“Esta auscultação aos cidadãos, de todas as idades, tem como objetivo recolher a opinião do público oliveirense para o cartaz que virá a ser apresentado para a EXPOH 2020”, lê-se no inquérito.

De acordo com a autarquia, presidida por José Carlos Alexandrino, nesta primeira fase, o “inquérito de opinião” decorrerá até ao próximo dia 15 de outubro e cada participante é desafiado a indicar um artista para o cartaz da EXPOH 2020.

Na votação, cada oliveirense deve indicar se reside no concelho, a faixa etária e o género, devendo depois indicar o nome do artista da sua preferência.

A ideia de realizar um inquérito de opinião já tinha sido avançada pelo presidente da Câmara no último dia da EXPOH deste ano, numa altura em que ecoavam as críticas à contratação do artista internacional, Nego do Borel, pelo valor de 64 mil Euros. Na reunião pública da autarquia realizada em agosto, José Carlos Alexandrino admitiu que “o espetáculo defraudou completamente as expectativas”, e reforçou a intenção de levar por diante o “Inquérito de Opinião”.

Ao lançar a iniciativa, o município oliveirense revela já a data de realização da EXPOH 2020, que acontecerá entre 21 e 26 de julho. Verifica-se, assim, a aposta da autarquia na redução do certame de nove para 6 dias.




Incêndios: Norte e Centro em alerta vermelho devido ao calor

O Norte e Centro do país estão em alerta vermelho devido ao risco de incêndio, na sequência das elevadas temperaturas…

… que se estão a registar nesta semana, anunciou a Proteção Civil, nesta terça-feira.

O Estado Especial de Alerta entra em vigor à meia-noite e mantém-se até às 23:59 de domingo.

Os distritos em alerta vermelho são Santarém, Portalegre, Leiria, Castelo Branco, Coimbra, Viseu, Guarda, Aveiro, Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança.

Lisboa, Setúbal e Évora passaram a alerta laranja, enquanto Beja e Faro mantêm-se em alerta especial laranja.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), são esperadas durante o dia temperaturas até 40 graus na região Sul e Vale do Tejo e máximas de 30 graus no resto do país. Também as noites serão tropicais nestas duas regiões.

É igualmente esperado vento forte nas regiões montanhosas do Norte e Centro.

Em conferência de imprensa, o presidente da ANEPC, Mourato Nunes, realçou a importância de todos os portugueses estarem atentos ao risco de fogos florestais, lembrando que “só há incêndios se houver ignições”.

É preciso haver uma grande disciplina para evitar incêndios desnecessários”, afirmou, garantindo que o dispositivo está montado para que haja uma intervenção rápida e eficaz, mas admitiu a ocorrência de imponderáveis e incêndios que se tornem incontroláveis.

O dispositivo previsto é composto por 11.492 operacionais no terreno, apoiados por 60 meios aéreos, estando ainda à disposição um helicóptero de reconhecimento.

tvi24




Nogueira do Cravo: Homem morreu em acidente de motorizada quase a chegar a casa

Um homem de 44 anos morreu, ontem à noite, em Nogueira do Cravo, num acidente de motorizada a cerca de “100 ou 200 metros” da sua habitação.

Paulo Costa, conhecido por Paulo Nina, despistou-se e o óbito foi declarado no local.

Em declarações à Rádio Boa Nova, Paulo Rocha, adjunto de Comando dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital, adiantou que  o alerta foi dado cerca das 22h11 e que “à chegada ao local, a vítima estava sem sinais vitais”, pelo que a equipa dos bombeiros logo procedeu a manobras de reanimação “durante muito tempo”. “Os elementos da nossa ambulância ainda conseguiram reverter a vítima, mas depois voltou a afundar”, referiu o adjunto de comando.

De acordo com Paulo Rocha, a vítima despistou-se na via, embatendo no chão, pelo que se presume que “tenha perdido o controlo” da motorizada.

O acidente ocorreu a “cerca de 100 ou 200 metros da casa”. “A casa estava ao fundo. Aquilo é uma retazinha”, referiu o adjunto de comando da corporação oliveirense.

Para além da viatura INEM dos Bombeiros de Oliveira do Hospital, também acorreram ao local a SIV de Seia e a VMER de Santa Comba Dão. A GNR tomou conta ocorrência.




Município de Oliveira do Hospital disponibiliza 250 mil árvores autóctones a proprietários que arranquem eucaliptos

Está já aberta a segunda fase de candidaturas ao Projeto Reflorestar, em que o Município de Oliveira do Hospital se compromete…

… a disponibilizar 250 mil árvores, de espécies autóctones, para incentivar os proprietários florestais a arrancarem os eucaliptos que nasceram espontaneamente em consequência do incêndio de 15 de outubro de 2017, que consumiu 97 por cento da área florestal do concelho.

Nesta segunda fase o “Projeto Reflorestar”, lançado pela autarquia para devolver as áreas verdes à floresta do concelho de Oliveira do Hospital que foi dizimada pelo fogo, tem como objetivo a plantação de 250 mil árvores durante o ano de 2019.

Para terem acesso às árvores e arbustos autóctones disponibilizados pelo Município de Oliveira do Hospital, como castanheiros, sobreiros, medronheiros, carvalhos e pinheiros-mansos, por exemplo, os proprietários florestais podem apresentar a candidatura, nesta segunda fase, até ao dia 30 de setembro.

Após aprovação das candidaturas, a plantação das árvores terá que ocorrer até 31 de dezembro de 2019.

Para garantir o sucesso das operações, o Gabinete Técnico Florestal do Município (GTF) de Oliveira do Hospital prestará todo o aconselhamento técnico necessário aos candidatos, que ficam obrigados a cumprir com as normas definidas no “Projeto Reflorestar”, assim como lhes assegurará uma breve ação de formação para garantir a correta plantação das árvores.

Durante o primeiro ano de vigência do projeto, cada proprietário pode candidatar-se a um limite máximo de 500 árvores, ficando obrigado, sob compromisso de honra, a assegurar a necessária manutenção.

As candidaturas ao “Projeto Reflorestar” podem ser submetidas via online, através da página oficial de internet do Município de Oliveira do Hospital, ou entregues em suporte físico no GTF.

O Presidente do Município de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, alerta para “a importância desta medida, num concelho em que os eucaliptos têm estado a invadir o território por via da germinação descontrolada das sementes, formando mantos contínuos que impedem o crescimento de outras espécies”.