“Valerá a nossa vontade e nossa perseverança para lutar e fazer com que a J.Guerra continue”
13 Abril, 2018 2471 visualizações

“Valerá a nossa vontade e nossa perseverança para lutar e fazer com que a J.Guerra continue”

image_pdfimage_print

Prestes assinalar 50 anos de atividade, a empresa J.Guerra tem pela frente a árdua tarefa da recuperação. Há seis meses, o grande incêndio de 15 de outubro provocou a destruição total da unidade de sirgaria e passamanaria,…

… localizada na zona industrial de Oliveira do Hospital, num prejuízo estimado em 15 milhões de Euros.

Paulo e Cláudio Guerra são os rostos da “luta” diária que a empresa tem vindo a travar desde o dia 15 de outubro. “Todos os dias andamos a tentar reabilitar a empresa. Não tem sido fácil”, desabafa Paulo Guerra que, com o irmão, juntam “as peças para poder começar o processo de produção”. A tal obriga o historial da empresa que, neste ano, assinala meio século de existência e que é sinónimo da perseverança do seu fundador, Joaquim Guerra. Em causa está, como lembra Paulo Guerra, uma empresa que “era líder de mercado em passamanaria e sirgaria”. “Tínhamos cerca de 200 artigos diferentes repartidos por 20 ou 30 cores. Agora, nalguns artigos, não estamos a fazer nada. Noutros estamos a fazer um produto. O que é isso? Não podemos ir para a rua”, refere Paulo Guerra, aludindo para aquilo que é a nova realidade da J.Guerra.

As instalações da empresa, cerca de 12 mil metros quadrados, maquinaria, matéria prima e produto acabado ficaram reduzidas a uma amálgama de ferro, chapa e uma imensidão de cinza. Escaparam as viaturas e um edifício de apoio, localizado junto ao portão de entrada.

A “garra” de continuar o projeto de uma vida, levou a administração a adquirir as instalações de uma empresa desativada na Zona Industrial e a começar a laborar. “Ainda continuamos parados. Temos um setor de três ou quatro pessoas a produzir. O que é isto? Tínhamos um leque muito grande de artigos. Agora, ter só um artigo…para nós não é nada”, afirma Cláudio Guerra.

Após o incêndio, a empresa conseguiu segurar, com o apoio do IEFP e Segurança Social, a mão de obra qualificada, num total de quase 50 trabalhadores. “Mas espaço não temos. Não há em Oliveira do Hospital um espaço com 12 mil metros quadrados e também não há máquinas”, refere o jovem empresário. O irmão, Paulo, lembra que as máquinas que a empresa possuía “foram adaptadas e encomendadas por nós”. “Ontem, chegou uma máquina que foi encomendada há cinco meses”, contou, observando o irmão Cláudio que “há máquinas que nunca vamos conseguir comprar”.

Seis meses após o fogo, “a quebra é de 100 por cento”. “Estamos a recomeçar agora, mas não conseguimos fazer face às despesas que temos”, conta Paulo Guerra.

O objetivo, garante Cláudio, é recuperar as instalações ardidas. “Os nosso clientes conhecem a J.Guerra onde ela deixou de existir”, refere, notando porém que o apoio de 85 por cento do Estado é positivo, mas insuficiente já que apenas abrange instalações e maquinaria, mas deixa de fora a matéria prima e não contempla as perdas tidas com o produto acabado. “Estamos com garra. Mas quem perdeu 100 por cento, não vai recuperar 100 por cento” refere.

O prejuízo, após o fogo, é na ordem dos 15 milhões de Euros. A empresa ultima a candidatura destinada à recuperação, com um investimento associado de 10 mil milhões. Desde o dia 15 de outubro, tem valido “ a nossa vontade e nossa perseverança para lutar e fazer com que a J.Guerra continue”, refere Paulo Guerra, certo que tal como até aqui, valerá daqui por diante “o fundador, o nosso pai, que nos tem ajudado demais”.

No fatídico dia, Cláudio Guerra ainda tentou, mas não conseguiu, chegar próximo da empresa já tomada pelo incêndio. Paulo Guerra ficou preso no IP3 e só chegou a Oliveira do Hospital na manhã seguinte. Já nada havia a fazer. Recordam que o último trabalho realizado pela empresa foi para um projeto de decoração na embaixada do Qatar na Alemanha. Outros projetos ficaram em carteira. “Esperamos recuperar esses nichos de mercado”, rematam Paulo e Cláudio Guerra.

Anterior Penacova aposta na gestão de combustível no âmbito da Prevenção e Defesa da Floresta Contra Incêndios
Seguinte Seis meses após o grande incêndio: “Acho que é um luto que eu tenho de fazer, que ainda não fiz, e não sei se algum dia o vou fazer”

Notícias Relacionadas

Região

Tondela: Mulher gravemente ferida na sequência de queda de árvore

Uma mulher de 75 anos ficou hoje de manhã gravemente ferida na sequência da queda de uma árvore em cima do carro que conduzia, no concelho de Tondela.

Última Hora

Estradas na Serra da Estrela cortadas devido à queda de neve

As estradas de acesso ao maciço central da Serra da Estrela estão cortadas devido à queda de neve.

Última Hora

Calendário desportivo de fim-de-semana

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) e a Associação Desportiva Nogueirense (ADN) disputam, este domingo, 31 de março, a 28ª jornada da Série C do Campeonato Nacional, pelas

Região

Motociclista morreu atropelado por carrinha após acidente em Aveiro

Um homem de 65 anos, morreu na manhã desta segunda-feira, na localidade de Santa Joana, em Aveiro. Fonte dos Bombeiros Novos de Aveiro adiantou que o homem seguia num motociclo

Nacional

COVID-19 Relatório de situação epidemiológica actual em Portugal

A DGS publicou ao início da tarde de hoje, o último relatório de situação epidemiológica em Portugal  do COVID-19, mostrando um total de 245 casos confirmados, 2 casos já recuperados

Informação

Concerto de Orquestras de Guitarra em Oliveira do Hospital

A Casa da Cultura César Oliveira será palco de um concerto de Orquestras de Guitarra no próximo sábado, 8 de abril, resultante da parceria do…

Última Hora

Relatório aponta falhas e “dramático abandono” das populações

Falhas na programação do socorro e na rede de comunicações e um “dramático abandono” das populações foram identificados pela comissão técnica independente de análise dos grandes incêndios de outubro, que

Informação

Incêndio que deflagrou no Monte do Colcurinho foi dominado a meio da manhã

Foi dominado às 10h37 desta segunda feira o incêndio que deflagrou ontem, pelas 16h28, numa encosta do Monte do Colcurinho, perto da localidade da Gramaça, …

Região

Atropelamento ferroviário causou um morto na linha do Norte em Coimbra

A circulação na Linha do Norte foi restabelecida pelas 2h50 de quinta-feira, após um atropelamento ferroviário que provocou um morto e um ferido, em Coimbra, disse hoje à agência Lusa

Última Hora

Góis conta com Balcão da Inclusão

A Câmara Municipal de Góis assinou, no passado dia 26 de novembro, um protocolo de colaboração com o Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. (INR, IP), do qual resultou  a

Nacional

Alunos da Eptoliva conquistaram 2º prémio em Mostra Nacional da Ciência

A solução desinfetante com recurso a resíduos de batata e à celidónia valeu aos alunos da Eptoliva Bruno Paulino, Carlos Quintino e Catarina Costa, …

Região

 ASAE apreende cerca 1 900 litros de azeite falsificado em Penacova

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu na semana passada 1900 litros de azeite falsificado e acondicionado …