Presidente da CIM da Região de Coimbra remete para o Governo responsabilidades na Proteção Civil
26 Julho, 2019 919 visualizações

Presidente da CIM da Região de Coimbra remete para o Governo responsabilidades na Proteção Civil

image_pdfimage_print

O presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM/RC), José Carlos Alexandrino, disse que os autarcas não podem assumir responsabilidades …

… que não lhes pertencem em termos de Proteção Civil e que são do Governo.

À agência Lusa, José Carlos Alexandrino referiu que “não podemos imputar as responsabilidades todas aos autarcas como não haja outros responsáveis políticos no país e outros responsáveis governativos”. “Os meios que dispomos em termos da Proteção Civil são muito escassos e por isso é que existe um ministro da Administração Interna e por isso é que existe um secretário de Estado da Proteção Civil. É porque há responsabilidades nossas, mas também há responsabilidades mais acima”, disse à Lusa José Carlos Alexandrino, que é também presidente da autarquia socialista de Oliveira do Hospital.

Em declarações à margem da inauguração da feira Expofacic, em Cantanhede, no distrito de Coimbra, sobre a polémica entre o presidente da Câmara de Mação (Santarém), Vasco Estrela, e o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o presidente daquela que é a maior comunidade intermunicipal do país disse que tanto as autarquias como o Governo têm “de fazer uma aprendizagem” sobre como lidar com os incêndios.

Sobre a polémica após os fogos que assolaram Vila de Rei e Mação, o presidente da CIM/RC frisou que numa altura “às vezes difícil” e com a “complexidade” de que se revestem os incêndios “todos ralham e ninguém tem razão”.

Ainda em relação a responsabilidades imputadas a autarcas, José Carlos Alexandrino lembrou que nos incêndios de junho 2017 em Pedrógão Grande três autarcas ficaram como “bodes expiatórios” e vão responder em tribunal “por homicídio por negligência” por causa de uma lei “que no país todo ninguém cumpria”, já que os municípios não tinham condições financeiras nem mecanismos para entrar em terrenos privados e fazer cumprir a legislação, argumentou.

José Carlos Alexandrino disse ainda que no incêndio que deflagrou no sábado em Vila de Rei, e que depois se propagou a Mação, existiram “muitos recursos”, algo que não sucedeu em outubro de 2017 em Oliveira do Hospital, em que a devastação provocada pelas chamas atingiu 97% daquele território do interior do distrito de Coimbra.

“Se tem havido uma boa intervenção [em 2017], o meu concelho não tinha ardido. Temos de dar resposta, temos de planear de forma diferente, temos de nos organizar de maneira diferente, porque já percebemos que as respostas do passado não dão, porque estamos a lidar com focos de incêndio com características absolutamente diferentes”, argumentou o presidente da CIM Região de Coimbra.

 

Anterior Vinte concelhos de seis distritos em risco máximo de incêndio
Seguinte Banda “Sob Pressão” afirma-se em Oliveira do Hospital e na região

Notícias Relacionadas

Região

PJ deteve três suspeitos de tráfico em Coimbra

A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Centro, identificou e deteve três homens pela presumível prática do crime de tráfico de estupefacientes.

Nacional

Chuva e nebulosidade persistem até início da próxima semana

A chuva vai continuar em Portugal continental pelo menos até ao início da próxima semana, devido à posição do anticiclone dos Açores.

Sociedade

Eptoliva festejou 25 anos de ensino profissional

A Eptoliva comemorou na sexta feira, dia 11, 25 anos de ensino profissional em Oliveira do Hospital e na região. César Oliveira, Maria Antónia Matos e Ivo Portela, fundadores da

Informação

Maratona Clube Vila Chã com boa prestação no Campeonato Nacional de estrada no Jamor

No passado dia 14 de janeiro, realizou-se o Campeonato Nacional de estrada no estádio do Jamor, em Lisboa. O Maratona Clube Vila Chã esteve representado por 10 atletas. 

Região

Viseu: PJ deteve autor de crimes de abuso sexual de crianças  

A Polícia Judiciária (PJ), através da Diretoria do Centro, em cumprimento de mandado de detenção emitido pelo Ministério Público, no DIAP de Viseu, deteve um homem pela presumível prática, …

Destaque

S. Gião: “Se não houver apoio para recuperar as segundas habitações, isto fica um deserto completo”

O presidente da Junta de Freguesia de S.Gião, no concelho de Oliveira do Hospital, está preocupado com a demora na recuperação das 25 casas de segunda habitação…

Politica

Assembleia Municipal  vota prestação de contas de 2018

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital reúne amanhã, 26 de abril, em sessão ordinária, pelas 14h30, no Salão Nobre do Município, destinada…

Informação

Cristiano Ronaldo eleito melhor do Mundo em 2016

Cristiano Ronaldo, que já ganhou a Bola de Ouro da revista France Football, recebeu ontem o seu quarto troféu de melhor jogador do mundo, num ano em que conquistou …

Informação

2018 é quarto ano com menos fogos e o segundo com menos área ardida em dez anos

O ano de 2018 apresenta, até à data, o quarto valor mais reduzido em incêndios e o segundo mais baixo em área ardida da última década ao registar 6035 fogos

Informação

Investigador entende que cadastro florestal vem com “30 anos de atraso”

O diretor do Núcleo de Investigação de Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra considera que o cadastro florestal vem, “no mínimo, com 30 anos de atraso”, …

Última Hora

CDU contactou com população e trabalhadores de Oliveira do Hospital

Ontem, dia 15 de maio, uma delegação da CDU realizou uma ação de contacto com a população de Oliveira do Hospital por ocasião da Feira mensal.

Última Hora

Doente internado com legionella morreu em Coimbra

Um doente com diagnóstico inicial de legionella morreu no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), onde estava internado, informou ontem a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro.