Pedrógão Grande: CNA lamenta que vítimas tenham passado a culpadas
10 Julho, 2020 554 visualizações

Pedrógão Grande: CNA lamenta que vítimas tenham passado a culpadas

image_pdfimage_print

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) lamenta a responsabilização dos proprietários e dos produtores florestais nos incêndios de 2017, que “de vítimas foram transformados em culpados”, …

… exigindo o apuramento de responsabilidades nas “negociatas dos meios de combate”.

“As populações que estiveram lá no meio [do fogo], correndo o risco de ficarem assadas, porque foi um risco que se correu, são vítimas, não são culpadas”, afirmou João Dinis, membro da direção da CNA, no âmbito de uma audição na comissão Eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior.

Sobre o combate aos incêndios de 2017, o representante da CNA sustentou que é preciso “apurar responsabilidades políticas e criminais nas negociatas dos meios de combate aéreo e até em meios de combate terrestres”.

Questionado pelos deputados sobre alegadas irregularidades na reconstrução de casas, João Dinis disse que, “decerto, houve”, considerando que se há indícios de crimes, estes devem ser julgados nos tribunais.

O dirigente da CNA revelou que tem conhecimento de “um caso de uma primeira habitação que não o era”, adiantando que a queixa foi apresentada ao Ministério Público que considerou “improcedente”.

“O tribunal falou, está falado. Eu calo-me, porque senão o próximo a sentar-se lá sou eu, por difamação. Portanto não estou para aí virado”, referiu o membro da direção da CNA.

Aquando da primeira legislação sobre os apoios na reconstrução de casas, João Dinis alertou que a data de domicílio fiscal a considerar devia ser anterior aos incêndios, apesar de considerar que quem alterou a morada depois da tragédia “não está a cometer nenhuma ilegalidade básica”.

“Eu faria uma coisa destas? Se calhar fazia, se me é dada esta oportunidade”, afirmou o dirigente da CNA, ressalvando que o legislador devia ter impedido a situação.

“Se lhe foi dada a possibilidade de alteração da morada, é um bocado oportunismo, mas não é um crime por aí além”, declarou João Dinis, referindo-se à alteração da morada fiscal para acesso aos apoios na reconstrução de casas que arderam nos incêndios de 2017.

Relativamente à reconstrução de casas de segunda habitação, o representante dos agricultores declarou ter conhecimento de situações que, até agora, receberam “zero apoio público municipal ou nacional”, alertando para a “discriminação clara entre cidadãos pelo mesmo tipo de problema” devido aos regulamentos de cada município.

Neste âmbito, o dirigente da CNA apontou como “pecado original” a decisão da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), à data presidida pela atual ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, que teve a experiência da primeira habitação, mas que não conduziu o processo das segundas habitações e passou a responsabilidade para os municípios, ressalvando que a decisão foi da Assembleia da República que legislou nesse sentido.

Considerando que o trabalho da CCDRC na reconstrução das casas de primeira habitação não foi fácil, João Dinis reconheceu que Ana Abrunhosa “trabalhou noite e dia nisso”, mas a eficácia do trabalho é questionável.

“Mais valia, às vezes, que não estivesse a fazer nada, pagar-lhe para não fazer nada, mas que trabalhou, trabalhou, e com os autarcas”, notou o dirigente da CNA.

Na perspetiva de João Dinis, a reconstrução de casas de segunda habitação devia ter ficado com a CCDRC para evitar as discrepâncias dos apoios e os ritmos entre os municípios.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017 em Escalos Fundeiros, no concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a municípios vizinhos, nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, e destruiu cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Já as centenas de incêndios que deflagraram em 15 de outubro, o pior dia de fogos de 2017 segundo as autoridades, provocaram 49 mortos e dezenas de feridos. Esta foi a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande.

lusa.pt

Anterior GNR deteve homem suspeito de agredir ex-companheira e ameaçar a vida da filha recém-nascida
Seguinte Ca$h Resto Z€ro: “Cada um de nós devia convidar um amigo para respirar o ar livre do interior neste Verão”

Notícias Relacionadas

Destaque

Campus Educativo de Oliveira do Hospital deverá estar concluído em setembro de 2021

O executivo municipal de Oliveira do Hospital aprovou esta manhã, por unanimidade, a abertura do procedimento para concurso público para empreitada…

Última Hora

Covid-19: Portugal regista 311 mortes e 11.730 infetados

Portugal regista, esta segunda-feira, um total de 11.730 infetados pelo novo coronavírus. Há ainda 311 mortes (mais 16 do que ontem) e 140 casos de recuperação. As informações constam no

Informação

Conferência evidenciou “riqueza desportiva” do concelho de Oliveira do Hospital

O rendimento desportivo foi tema da 5ª edição do Ciclo de Conferências de Desporto, debate decorrido na passada sexta-feira, no Auditório do Crédito Caixa Agrícola, protagonizado por especialistas na área

Informação

Arganil inaugura reabilitação de ETAR da ZI da Relvinha

Concretizada a empreitada de reabilitação e beneficiação da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Zona Industrial da Relvinha, no Sarzedo, o município de Arganil …

Última Hora

Aumento do uso de canábis e consumos intensivos de álcool pelos jovens

Um estudo sobre comportamentos aditivos aos 18 anos revelou um aumento do uso de substâncias ilícitas, principalmente canábis, …

Última Hora

Arganil: Redução da fatura da água para metade representa investimento camarário de 140 mil euros

A Câmara Municipal de Arganil reduziu para metade a fatura da água, saneamento e resíduos sólidos das famílias, empresas e instituições do concelho durante os meses de março e abril,

Informação

Marcelo Rebelo de Sousa cancela agenda devido a operação de urgência

O Presidente da República cancelou, até ao dia 1 de janeiro, a sua agenda para ser operado a uma hérnia umbilical.

Região

Presidente da Câmara de Pedrógão assina petição contra alegadas fraudes na reconstrução de habitações

O presidente do município de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, vai assinar uma petição contra alegadas fraudes com ajudas à reconstrução de casas destruídas pelo fogo de 2017, anunciou hoje a

Última Hora

Casa da Cultura acolhe “Uma Exposição em Azul” no âmbito do feriado municipal

“An Exhibition in Blue – Uma exposição em Azul” é o tema da exposição de pintura que vai estar patente na Casa da Cultura César Oliveira, a partir de 6

Última Hora

Paulo Coelho é o candidato do PEV à Assembleia da República pelo círculo eleitoral de Coimbra

O Partido Ecologista Os Verdes informou, hoje, que Paulo Coelho é o candidato do PEV, na lista da CDU (PCP-PEV)…

Desporto

II MARATONA do PEDAL em BTT realiza-se a 5 de junho

A Secção do Pedal do Clube Caça e Pesca de Oliveira do Hospital, vai realizar no próximo domingo, 5 de junho, pelas 9h00, em Ervedal da Beira, a II MARATONA do

Última Hora

Proteção Civil alerta para queda de neve, vento e agitação marítima

Atendendo à informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a Proteção Civil alerta para o agravamento do estado do tempo nas próximas 72 horas,…