“O direito de ficar” marcou o debate “Reinventar o Interior” (com vídeo)
5 Abril, 2019 1125 visualizações

“O direito de ficar” marcou o debate “Reinventar o Interior” (com vídeo)

image_pdfimage_print

“Reinventar o Interior. Homem, Natureza,Economia” serviu, ontem, de mote ao debate que encheu o auditório do Crédito Agrícola, na cidade de Oliveira do Hospital, …

… numa organização do Departamento de Ciências Sociais e Humanas do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital (AEOH) no âmbito da “Festa da Primavera”.

Especialistas em Geografia Física e Humana, e em História da Economia foram chamados ao debate, que também contou com a participação de responsáveis pelo Centro de Interpretação da Serra da Estrela (CISE) e o vice- presidente do Município de Oliveira do Hospital. Vítor Neves, da Rádio Boa Nova, foi o moderador.

No arranque do debate, realizado ao fim da tarde e transmitido em direto pela Rádio Boa Nova, Carlos Carvalheira, diretor do AEOH explicou que ainda que se fale de “Festa da Primavera” o que a escola pretende é “sensibilizar para que a sociedade tenha um olhar diferente”. “Temos a obrigatoriedade de alertar para esse grande desiderato de fazermos algo diferente para não cometermos os erros que no passado cometemos”. Em causa está o “dia 15” que levou à “necessidade de todos pensarmos e olharmos diferente e agir diferente”.

Vítor Neves, oliveirense e diretor da Rádio Boa Nova, foi chamado a moderar o debate, ficando logo preso à consideração defendida por João Luís Fernandes, especialista em Geografia Humana da Universidade de Coimbra que na primeira intervenção identificou como primeiro “paradoxo”, o facto de os pais educarem os filhos para se abrirem ao mundo, “mas há também o direito a ficarem e a construírem a sua vida no espaço que lhe é familiar”.

“Quem é daqui, quem gosta de estar aqui, quem se realiza aqui tem o direito de ficar aqui”, comentou Vítor Neves, considerando ter sido um começar de colóquio com “chave de ouro”. Pegou, porém, no relatório “Movimento pelo Interior” datado de 2018 para alertar que “na faixa litoral está concentrada 83 por cento da riqueza produzida, 89 por cento dos alunos do ensino superior e 89 por cento das dormidas de turistas”.

Ao desafio de como “reinventar o interior”, António Amaro, especialista em História Económica da Universidade de Coimbra, que já se tinha demorado na defesa da regionalização, considerou que “ninguém tem a solução na mão”. Disse que gostava de ver “alguma radicalidade” nas pessoas “no sentido de despertar consciências para a necessidade de uma reforma do Estado, “de alto a baixo, para que possamos conhecer o nosso território e ver as pessoas a ter um papel ativo”.

Para João Luís Fernandes é “muito importante a cultura territorial e o conhecimento do seu património” como forma de defender o interior, entendendo que “é preciso trabalhar aquilo que existe em algum lugar, e não partir daquilo que falta”. O especialista em Geografia Humana já tinha também alertado para as consequências políticas que decorrem das assimetrias. “A falta de gente é penalizar o interior”, avisou, alertando para a necessidade de se banirem termos como “subsídios e discriminação positiva”. “O papel do eleitor é muito importante: temos eleitores há serviços. Não temos eleitores não há serviços”, referiu.

Por terras do interior, Lúcio Cunha, especialista em Geografia Física da Universidade de Coimbra deitou por terra o “mito do turismo redentor”. “Andamos há 30 anos a reinventar o Turismo no interior do país… e não conseguimos que eles (turistas) durmam por muitos dias, comam e gastem”. Para o especialista, a criação do Geopark Estrela “vai ser uma forma importante de impulsionar o turismo. “Enquanto o Parque Natural constrange, o Geopark abrange e dilata”, comentou Lúcio Cunha, considerando ainda que o que faz falta ao interior “é dinheiro, empreendedores e a reinvenção da indústria”.

“Sem soluções” para a reinvenção do interior que não é rico, José Conde e Ana Fonseca, do Centro de Interpretação da Serra da Estrela consideraram que “há margem para progressão”. “É importante promover a animação ambiental, o desporto de natureza. Estas atividades podem ser muito importantes na dinamização da economia local”, referiu José Conde que também considerou fundamental uma rede de percursos pedestres, assim como o “aumento da empregabilidade, a melhor gestão florestal que pode evitar incêndios e o desprezo pelo interior”. Ana Fonseca acrescentou ainda a importância da qualificação dos recursos humanos”.

Num colóquio em que também se ouviram as inquietações de alguns jovens sobre o seu futuro no interior do país, José Francisco Rolo, vice-presidente do Município de Oliveira do Hospital disse ter registado ideias que espera que resultem em fundos para o interior, centrando-se também no paradoxo do “direito de sair e o direito de ficar”. “Eu saí temporariamente e regressei”, referiu o responsável, assegurando que “tudo fará para que os Projetos de Interesse Nacional (PIN) possam ser só projetos para a faixa interior de Portugal”.

Anterior Ca$h Resto Z€ro: “Toda a gente tem o direito de ficar no interior se é no interior que é feliz”
Seguinte Conheça o calendário desportivo do fim-de-semana

Notícias Relacionadas

Última Hora

Inscrições abertas para o concurso 3R_NATAL_Ambiental 2017

Estão abertas até 30 de novembro, as inscrições para o concurso de decoração de natal, “3R_NATAL_Ambiental 2017”, promovido pelo Município de Oliveira do Hospital.

Destaque

“Sem pasto e sem alimento seco não há leite. Se não há leite, não há queijo”, alerta a Confraria do Queijo Serra da Estrela

O incêndio de 15 de outubro provocou a perda de 50 por cento dos ovinos Serra da Estrela no concelho de Oliveira do Hospital,…

Informação

Monchique: Recuperação das 32 casas afetadas pelo fogo ronda os 2 milhões

O ministro do Ambiente estimou hoje que o investimento para recuperar as 32 habitações afetadas pelo incêndio de Monchique, no Algarve, não vai ultrapassar os dois milhões de euros, financiamento

Última Hora

Conheça o calendário desportivo de fim-de-semana

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) vai jogar este domingo, pelas 15 horas, com o Marialvas. 

Última Hora

Eptoradio acontece esta sexta-feira pelas 14h00

O projeto EPTORADIO, da escola profissional EPTOLIVA, emite hoje, pelas 14h00,  mais um programa na  Rádio Boa Nova.

Última Hora

Viseu: Incêndio em urbanização atinge quatro casas

Deflagrou, na tarde desta quinta-feira, um incêndio que atingiu quatro habitações no Bairro da Bela Vista, na freguesia de Silgueiros, em Viseu, sem registo de vítimas.

Sociedade

Oliveira do Hospital dedica o mês de junho à Igualdade

O Município de Oliveira do Hospital, através da equipa “Igualdade Local: Cidadania Responsável” vai dedicar o mês de junho à promoção da igualdade de género, com um programa diversificado, …

Última Hora

“A Escola e o Meio” na Rádio Boa Nova

Este sábado, dia 6 de janeiro, entre as 19h00 e as 20h00, é emitido o 12.º e programa “A Escola e o Meio”, uma produção do Clube de Rádio do

Informação

Confira os resultados desportivos do fim-de-semana

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) empatou e a Associação Desportiva Nogueirense perdeu na 26ª jornada da Série C do Campeonato Nacional.

Região

Região: Homem morreu carbonizado depois de colisão com camião

Uma colisão entre um pesado de mercadorias e um ligeiro, no IC8, em São João da Ribeira, seguido de incêndio das duas viaturas, causou uma vítima mortal.

Informação

Mangualde: Homem morre atingido por uma árvore

Um homem, com cerca de 35 anos, morreu atingido por uma árvore na manhã de sábado, 24 de novembro, em Mangualde, no distrito de Viseu.

Sociedade

Incêndio em Penacova mobiliza 139 operacionais e três meios aéreos

Um Incêndio está a lavrar desde as 15h08 na localidade de Livraria Mondego, em Penacova. O fogo está a ser combatido por 139 operacionais, 33 veículos e três meios aéreos.