Incidência das doenças oncológicas aumenta três por cento ao ano
21 Setembro, 2017 684 visualizações

Incidência das doenças oncológicas aumenta três por cento ao ano

image_pdfimage_print

A incidência das doenças oncológicas está a registar um aumento de aproximadamente três por cento ao ano, constituindo a segunda causa de morte …

… após as doenças cérebro-cardiovasculares, de acordo com o relatório do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas 2017.

No caso do Cancro do Pulmão, que é ainda a neoplasia com maior mortalidade em Portugal, os autores do documento hoje apresentado no Porto, observaram uma variação geográfica significativa, com maior mortalidade nos Açores, mas também com mortalidades acima da média nas regiões do Algarve, Área Metropolitana do Porto, Alto Minho, Área Metropolitana de Lisboa e Alentejo Litoral. No caso particular dos Açores a assimetria é muito marcada, sendo de alertar a menor taxação do tabaco nesta região autónoma.

Revelam que no cancro colorretal a mortalidade padronizada é relativamente homogénea ao longo do país, com exceção na Região do Alentejo Litoral, onde se observaram valores substancialmente mais elevados. As variações nesta região podem dever-se apenas a variações estatísticas de pequenos números, necessitando de ser confirmadas.

Os dados para o cancro da mama feminina, apontam uma maior mortalidade na região dos Açores, seguida pelas regiões da Beiras e Serra da Estrela, Oeste, Área Metropolitana de Lisboa, Madeira e Lezíria do Tejo.

No relatório é ainda referido que a mortalidade por cancro do estômago valores significativamente mais altos na região Norte, estreitamente relacionados com hábitos alimentares.

De acordo com o documento, os programas de rastreio oncológico evoluíram significativamente, com expansão da cobertura geográfica, aumento do número de utentes rastreados e melhoria significativa das taxas de adesão (+5%).

Durante o último ano, na região Norte, atingiu-se a cobertura geográfica de 100% no rastreio do cancro da mama, ficando o programa completo como nas regiões Centro, Alentejo e Algarve.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, está previsto o seu alargamento em 2018. O programa de rastreio do cancro do colo do útero ficou também concluído na região Norte, juntando-se às regiões Centro, Alentejo e Algarve. Em 2017, será iniciado este rastreio na região de Lisboa e Vale do Tejo, estando prevista a sua implementação total durante o ano de 2018, lê-se no documento.

No rastreio do cancro do cólon e reto, refere que estão em desenvolvimento programas piloto disseminados nacionalmente, de destacar o projeto piloto iniciado na Região Norte em dois ACES, no final do ano de 2016, e que será alargado, durante os anos de 2017/2018, e os dois projetos pilotos que estão a ser implementados nas regiões do Algarve, no ACES Central, e em Lisboa e Vale do Tejo em quatro ACES, três da Península de Setúbal e o ACES Lisboa Norte.

Estes projetos, acrescenta, juntam-se aos rastreios já implementados na região Centro, em quatro ACES, e na região do Alentejo, no ACES Central. Desta forma, “teremos, em 2017, e pela primeira vez, o rastreio do cancro do cólon e reto implementado em todas as regiões do país”.

De acordo com o relatório da OCDE, Health at a Glance 2016, Portugal apresentava em 2014 uma taxa de 70,7% de mulheres rastreadas para o cancro do colo do útero quando a média europeia foi de 63%.

Já no rastreio do cancro da mama, em 2013, Portugal foi o país da Europa com maior taxa de rastreio, com 84,2% das mulheres rastreadas, bem acima da média europeia que foi de 62,8%.

Os autores do relatório referem ainda que, no mesmo período, a taxa de sobrevida do cancro do colo do útero a cinco anos foi de 64,5%, em linha com a média europeia, e a taxa de sobrevida a cinco anos no cancro da mama foi de 87,9%, quatro pontos percentuais acima da média europeia.

Ainda no âmbito dos programas de rastreio oncológicos salienta-se o desenvolvimento de uma solução informática nacional única para os rastreios, que já se encontra em fase de implementação, e a uniformização técnica dos programas de rastreio nas várias regiões, que será objeto de um Despacho do Ministério da Saúde, que será publicado ainda este mês, e que permitirá aumentar a equidade no acesso a nível nacional.

lusa.pt

Anterior Mais de um quilo de folhas de cannabis apreendidas na Guarda
Seguinte “Mini repórteres” da Rádio Boa Nova à descoberta do “Festival das Sopas”

Notícias Relacionadas

Região

Número de mortos nos incêndios de outubro sobe para 45

O número de mortos decorrentes dos incêndios que deflagraram no mês de outubro subiu para 45. A mais recente vítima mortal encontrava-se internada no Hospital da Prelada, no Porto.

Informação

Pombal: Circulação na Linha do Norte retomada depois de atropelamento

A circulação ferroviária na Linha do Norte já foi normalizada, depois de um atropelamento que ocorreu ontem e que causou um morto em Pombal.

Sociedade

Primeiro fim de semana de outono com temperaturas a chegar aos 30 graus

O primeiro fim de semana de outono vai ser marcado em Portugal continental por alguma nebulosidade, vento fraco e temperaturas máximas…

Informação

Jovem detido por atear incêndio em Oliveira do Hospital

Um homem de 24 anos foi detido pela Polícia Judiciária. Em causa está a presumível prática de um crime de incêndio florestal, que ocorreu no dia 26 de julho, nas

Última Hora

Investigadores do INESC Coimbra e da Universidade de Coimbra desenvolvem aplicação para ajudar a localizar o fogo

Um grupo de investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra (INESC Coimbra) e da Universidade de Coimbra (UC)…

Informação

Programa mOHve-te  e Torneio Inter freguesias com 1150 participações até ao final da semana (com vídeo)

É já na próxima quinta-feira, dia 18 de julho que termina mais uma edição do programa mOHve-te no Verão, promovido pelo pelouro do Desporto do Município de Oliveira do Hospital.

Última Hora

Rui Figueiredo é convidado do Espaço BLC3 – Ciência no Interior

Em mais um Espaço BLC3 – Ciência no Interior, a conversa hoje acontece com Rui Figueiredo, um dos promotores do projeto “Docereal”, instalado na BLC3, …

Sociedade

AVMISP alertou Presidente da República para perigo de encerramento de empresas

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) lamentou, junto do Presidente da República, a falta de apoios à recuperação empresarial, alertando que há “muitos postos

Região

Velas e badaladas em homenagem às 12 vítimas mortais dos incêndios em Oliveira do Hospital

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, em homenagem às vítimas mortais dos incêndios do dia 15 de Outubro, promove hoje pelas 19h00 …

Região

António Maceira Pres. da Direção dos BVLB critica Administração Interna pelo chumbo para aquisição de nova viatura.

António Maceira Pres. da Direção dos BVLB em declarações em direto à Rádio Boa Nova, falou sobre o simbolismo e reconhecimento desta entrega de equipamentos de proteção para incêndios (EPI)

Região

Sindicato denuncia falta de recursos humanos nas maternidades de Coimbra

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) considerou hoje que as duas maternidades de Coimbra apresentam um panorama assustador…

Informação

Homem morre após cair em buraco em Coimbra

Um homem de 83 anos morreu ao final da tarde de ontem após cair num buraco na zona de Celas, em Coimbra.