“Deixámos a porta porque queremos que seja uma lembrança do passado e que nos abra uma porta para o futuro” (com vídeo)
12 Outubro, 2018 5249 visualizações

“Deixámos a porta porque queremos que seja uma lembrança do passado e que nos abra uma porta para o futuro” (com vídeo)

image_pdfimage_print

Naquilo que resta da empresa J Guerra, na Zona Industrial de Oliveira do Hospital, salta à vista a escadaria em granito e a porta de entrada que escapou ao grande incêndio de 15 de outubro.

Pela mesma porta esperam entrar os irmãos Paulo e Cláudio Guerra e o fundador da empresa, o pai, Joaquim Guerra, após a reconstrução da empresa. Já lhe chamam, por isso, a “porta do passado e do futuro”.

Após a catástrofe de 15 de outubro do ano passado, que provocou a destruição total da J. Guerra, Cláudio e Paulo Guerra, continuam firmes e garantem que nunca pensaram em desistir daquela que era, até ao trágico dia, empresa líder do mercado.

Passado um ano, ainda são bem visíveis as marcas da tragédia. Para Paulo “tem sido uma guerra”. “Desde a primeira hora que não quisemos deitar a toalha ao chão”, afirmou.

À Rádio Boa Nova, os irmãos adiantaram que a prioridade foi, desde logo, retomar a laboração da empresa, “para não perder clientes e funcionários” e foi por isso que se instalaram num espaço também na Zona Industrial de Oliveira do Hospital. “No início de janeiro começámos a produzir os primeiros metros de fitas, franjas e cordões. Mas para quem produzia quilómetros, é uma desilusão”, disse Cláudio.

Esforço e a determinação não poderão faltar aos empresários que preveem uma longa caminhada. “Vamos continuar. Não é só agora passado um ano ou dois. Vai ser a nossa guerra futura. Como o nosso nome indica, é o que nos espera para o resto da nossa vida.”

Agora que já foi desmantelada toda a estrutura da empresa que assinala este ano 50 anos, resta aguardar pela avaliação do projeto por parte da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), que foi submetido “há cerca de um mês”. “Assim que haja luz verde vamos, de imediato, iniciar a construção”, referiu Paulo, tendo consciência de que “todo este processo leva o seu tempo”, salientando que “tem corrido de uma forma célere no que toca à CCDRC”.

Quanto à futura estrutura, que tem “o valor de investimento que ronda os seis milhões de euros”, Cláudio Guerra conta que será “semelhante” à destruída pelo incêndio, uma vez que será impossível, para já, ser igual. “Igual vai demorar algumas décadas. Por um lado, há máquinas que não conseguimos encontrar no mercado. Por outro, eram máquinas feitas por nós e, nesta altura, os nossos recursos estão apostados para começar a produzir os nossos produtos”, reforçou.

Com um prejuízo de 15 milhões de euros, Cláudio afirma que vão estar “sempre em perda”. “Nunca será possível recuperar o que perdemos. Jamais na nossa existência. Se calhar a existência futura”.

Diante dos escombros avista-se a porta de entrada da empresa destruída. Para os empresários, a decisão de deixar aquela parte tem uma grande carga simbólica. “Deixámos ficar a porta de entrada porque foi a que sofreu menos e, no fundo, queremos que seja uma lembrança daquilo que foi o passado da empresa e que nos abra uma porta para o futuro”, adiantou Paulo.

No que respeita ao fatídico dia 15 de outubro, Cláudio confessa que é um dia que ficará para sempre na memória. “É um dia que não vou esquecer passado um ano, mas vou recordar todos os dias porque o que se perdeu aqui não foi só a empresa J. Guerra. Foram muitas horas, muitos dias, muitos anos da nossa vida e muitas coisas que ficaram ali dentro”.

Desistir nunca foi um plano para os irmãos. Ao dia seguinte da tragédia, “estavam já à procura de soluções”. O objetivo passa agora por “atingir 80% de produção num espaço reduzido para voltar ao mercado com toda a diversidade que a empresa tinha e que os clientes reconhecem”, garantiu Paulo à Rádio Boa Nova.

No meio de tamanha tragédia, é tempo de olhar para o futuro. Os responsáveis pela unidade de sirgaria e passamanaria, que produz “artigos desde o nascer até ao morrer”, retomam, aos poucos, à normalidade e prova disso são as encomendas que não tardam em chegar. Com produtos presentes em muitos países, “curiosamente a primeira encomenda após o incêndio foi para exportação”.

Beatriz Cruz (jornalista estagiária)

Anterior Calendário desportivo de fim-de-semana
Seguinte Segurança Social apoiou 292 famílias afetadas pelos fogos de 2017

Notícias Relacionadas

Informação

Coletes Amarelos: PSP alerta para condicionamentos de trânsito em vários distritos do país

Está prevista para esta sexta-feira um protesto dos Coletes Amarelos portugueses. A lista das manifestações na área de atuação da PSP soma 25 protestos em 17 locais das principais cidades

Última Hora

Nogueirense suspeita de viciação de resultado no Oliveira do Hospital-Pampilhosa

A Associação Desportiva Nogueirense apresentou uma denúncia à Polícia Judiciária por suspeita de viciação de resultado no jogo Oliveira do Hospital-Pampilhosa, da Série E…

Informação

“Mini repórteres” da Rádio Boa Nova partiram à “descoberta dos serviços” (com áudio)

No âmbito do programa “Férias Ativas”, as crianças voltam a ser “Mini Repórteres” na Rádio Boa Nova numa parceria com o Município de Oliveira do Hospital.

Última Hora

Vinte e três concelhos de sete distritos em risco máximo de incêndio

Vinte e três concelhos dos distritos de Faro, Braga, Porto, Viseu, Aveiro, Coimbra e Guarda estão hoje em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da

Informação

País: Médias melhoram a Português e Matemática

Já foram conhecidos os resultados dos exames nacionais de 12º ano. Economia regista a maior subida e Física continua a ser a disciplina com pior nota.

Informação

Uma centena de pessoas dá vida a personagens infantis no Dia da Criança em Seia

Um dia diferente, repleto de alegria e muita magia, marcado pela viagem ao mundo encantado que será recriado no Parque Municipal da cidade de Seia,…

Região

Homem encontrado quase degolado afinal feriu-se a ele próprio

O homem que, na terça-feira, foi encontrado na berma da estrada em Cantanhede com ferimentos no pescoço provocados por uma arma branca não foi, afinal, vítima de agressões.

Informação

Rede de Bibliotecas de Penacova promove iniciativa “Vamos comprar um poeta”

A Rede de Bibliotecas de Penacova presenteou os alunos do 9.º ano do Agrupamento de Escolas de Penacova com o espetáculo “Vamos comprar um poeta”, de Adriana Campos.

Nacional

Proteção Civil emite aviso à população devido a precipitação e agitação marítima

Num aviso à população, a Proteção Civil refere que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê, para as próximas 48 horas, um agravamento das condições meteorológicas, com

Informação

Educação Ambiental: A qualidade da Água

A qualidade da água é tema em destaque no conjunto de programas de Educação Ambiental promovido pelo Município de Oliveira do Hospital e a Rádio Boa Nova.

Última Hora

PJ deteve homem suspeito de atear incêndio em Mangualde

A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Centro, deteve um homem de 41 anos, solteiro, copeiro, pela presumível prática …

Região

Tábua: Homem detido por posse ilegal de armas de fogo

O Comando Territorial de Coimbra, através do Posto Territorial de Tábua, deteve um homem de 45 anos, por posse de arma ilegal, na localidade de Tábua, no passado dia 13