BVOH comemoraram 97º aniversário numa “missão por vezes tão difícil mas tão nobre” (com vídeo)

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital (AHBVOH) comemorou ontem, 24 de março, o 97º aniversário,…

… numa “missão por vezes tão difícil mas tão nobre”.

Emídio Camacho, Comandante do corpo de bombeiros, afirmou que é com “enorme orgulho e satisfação” que a comunidade celebra o 97º aniversário da Associação que, “ao longo destes anos, tem vindo a enriquecer numa missão que por vezes é tão difícil mas simultaneamente tão nobre”.

“Somos uma equipa forte, coesa, com espírito e dedicação”, referiu Emídio Camacho, enaltecendo “os homens que deixaram grandiosos feitos e que sustentam a história” da Associação, “com valores de altruísmo, sacrifício e responsabilidade”.

Na ocasião, o Comandante dirigiu palavras de admiração e apreço ao presidente do Município de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, por ser um “homem de grande e reconhecido valor humanitário, responsável pela Proteção Civil concelhia”. “Atrevo-me a chamar de bombeiro sem farda, pela forma como notavelmente tem desempenhado as suas funções conjuntamente com os bombeiros”, disse.

Em jeito de retrospectiva, Emídio Camacho revelou ainda alguns números relativos ao trabalho da Corporação no ano passado. “No ano de 2018 foi possível responde com o empenho de todos os recursos humanos a 51 saídas no combate a incêndios, 1 702 serviços de emergência, 4 898 saídas de serviço de transporte de doentes e em outros serviços foram 624 saídas, percorrendo o total de 1 395 511 quilómetros, correspondente a um gasto de 320 198 litros de combustível”.

 

Os 74 anos da corporação, ontem, comemorados ficaram completos no passado dia 21 de março. Arménio Tavares, presidente da Associação Humanitária lembrou as dificuldades e excessos de missão, considerando que todos “os que nos precederam, deram tudo o que estava ao seu alcance e alguns perderam a vida” são sinalizados como “heróis de vida por vida”. Ainda que verifique que o atual momento seja de reconhecimento por parte da sociedade, Arménio Tavares lamenta não seja assim por parte das entidades da tutela”. “Será propositado ou distração?” interrogou o dirigente, notando que a direção está empenhada em proporcionar ao comando “todos os meios para seduzir os jovens” para o voluntariado e de que são exemplo a escolinha de bombeiros e a fanfarra.

Em dia de aniversário, a AHBVOH apresentou a viatura ardida no incêndio de maio de 2016, em Alvôco de Várzeas, quase totalmente recuperada. Destacou a ambulância que, ontem, foi apadrinhada a título póstumo com o nome do benemérito António Carvalho Marques, natural de Vila Pouca da Beira que “por testamento deixou elevada quantia em dinheiro e produtos financeiros”. Estendeu os agradecimento a Águeda Marques, viúva do comendador Serafim Marques que presenteou os bombeiros com uma verba aplicada num desfibrilhador e num equipamento de proteção individual. Arménio Tavares deu ainda conta da gratidão à empresa Sonae Arauco pela recuperação do moto-bomba, bem como a todas as pessoas, entidades e outras empresas que colaboram com a missão dos bombeiros de Oliveira do Hospital.

Presente na comemoração dos 97 anos da AHBVOH, Fernando Carvalho, presidente da Federação de Bombeiros do distrito de Coimbra considerou que os bombeiros oliveirenses são “uma referência e um exemplo quer a nível distrital, quer nacional”. O responsável lamentou que o trabalho dos bombeiros seja “cada vez mais desvalorizado pelos nossos governantes que se esquecem de nós”, e reclamou pelos incentivos a que os bombeiros voluntários têm direito.

Por sua vez, José Carlos Alexandrino, enalteceu o trabalho da corporação que está quase a “chegar aos 100 anos de uma história”. “Um século de entrega à grandiosa causa do voluntariado muito especial” que tem um “enorme significado onde, em conjunto, homens e mulheres, colocam em risco a sua própria vida com momentos de grande aflição, em defesa do concelho, da região e do país”, referiu.

O autarca, que também é o responsável máximo da Proteção Civil do concelho, deu conta do esforço financeiro que a Câmara Municipal tem feito, adiantando que tal como prometido, a autarquia vai suportar os custos da reparação do veículo ardido da corporação oliveirense, atuando do mesmo modo com a corporação de Lagares da Beira, substituindo-se ao Estado que não o fez. “A Câmara Municipal tem feito um esforço financeiro para que as nossas duas corporações sejam cada vez mais eficazes nas suas missões. A Câmara Municipal honrará o compromisso de repor e pagar o carro que ardeu. Um presidente que seja signo e que dê a sua palavra não pode voltar atrás. Tem de cumprir aquilo que diz, sobretudo numa causa tão nobre como esta que é a melhoria dos veículos para defender as populações”, concluiu.

Na comemoração do 97º aniversário, a Associação Humanitária procedeu às habituais distinções e condecorações:

Prémio Manuel dos Santos Gouveia Serra atribuído pelo Município de Oliveira do Hospital (MOH): Marco Rafael Mendes Mota;

Medalha de Serviços Distintos Grau 1: Orlando Virgílio Sousa Dias (mais de 30 anos nos órgãos sociais da Associação);

Medalhas de Dedicação: Nuno Costa, Ângelo Martins, Rui Lameiras e Carlos Oliveira.