Azuribérica readaptou-se e produz 16 mil máscaras e seis mil batas por dia (com vídeo)
2 Junho, 2020 2117 visualizações

Azuribérica readaptou-se e produz 16 mil máscaras e seis mil batas por dia (com vídeo)

image_pdfimage_print

Obrigada a encerrar a 18 de março devido à pandemia da Covid-19, a empresa de confeções Azuribérica, na Zona Industrial de Oliveira do Hospital, é hoje um exemplo de como é possível encontrar uma oportunidade no meio da adversidade.

Diariamente, a empresa produz 16 mil máscaras e seis mil batas que já chegam a todo o país e ao mundo.

No dia 18 de março, Joaquim Partas, administrador da Azuribérica, não teve outra alternativa que não fosse a de “mandar embora” os seus 220 colaboradores recorrendo à via de lay-off.  Mas, para o administrador, este não seria o único caminho a seguir.

“Surgiu nesse momento a janela de oportunidade de tentar ajudar a situação do país. Havia falta de algum material cirúrgico, batas, máscaras que os técnicos de saúde tanto necessitavam nesse momento. Foi com esse intuito e com essa preocupação que a Azuribérica com os seus técnicos veio para o terreno logo no dia 1 de abril”, contou Joaquim Pratas à Rádio Boa Nova.

O administrador chamou junto de si “os técnicos de manutenção, modelistas, técnicos de confecção”. “Fomos junto da classe médica e recolhemos peças de vestuário que tanto necessitavam e tomámos a iniciativa de as copiar, criar modelagem para elas, de procurar matérias primas e contactar o presidente da Câmara Municipal que aceitou o nosso projeto também com a preocupação de manter os postos de trabalho”.

Com “automatismos e uma capacidade de produção instalada de produção de casacos e calças”, Joaquim Pratas iniciou um processo de readaptação da sua empresa. “Tivemos que aproveitar esses equipamento  e redefinir os nossos layouts, no sentido de hoje em dia termos a Azuribérica a trabalhar apenas e exclusivamente neste tipo de produtos, visto que as cadeias de abastecimento global que nos compram (calças e casacos)  não estão  a vender”, referiu.

“Quem visita a fábrica não procura fatos. Procura batas, tocas, pezinhos, cogulas, máscaras…”

À Rádio Boa Nova, o empresário disse possuir uma carteira de encomendas. A questão é que se encontram “suspensas”,  “não têm data de entrega”. Por esse facto, a  empresa “não vai estar a produzir para stock”. “Eu vou sim continuar com esta estratégia, a produzir estes produtos que tanta procura têm nos mercados”.

No atual momento, a Azuribérica produz “16 mil máscaras e seis mil batas diariamente”, para além de outros produtos na área da proteção individual na área da saúde. Até ao início da pandemia a empresa tinha uma média diária de produção de 700 casacos e 350 calças.

“Os nossos clientes são agora as Ipss, os municípios, as CIMS regionais, empresas internacionais que já se dedicavam a estes produtos e todas as empresas ligadas à área da saúde. Também empresas que optam por estes produtos, em vez de uma caneta ou t-shirt, para efeito de merchandising. Estamos a estampar com logotipo das empresas. A par da alimentação e da farmácia, estes são os bens de primeira necessidade”, referiu. Espanha, França, Suíça, Inglaterra, Alemanha e Moçambique são os países onde já chegam os produtos feitos na Azuribérica.

Atualmente, verifica Joaquim Pratas, “quem visita a fábrica não procura fatos, procura batas, tocas, pezinhos, cogulas, máscaras…”. Por esse motivo, a Azuribérica já preparou um manequim com esses produtos.

Neste momento, a empresa labora com  146 trabalhadores , divididos em dois turnos por forma a diminuir a possibilidade de contágios.  Apenas se encontram ausentes da empresa, as colaboradoras que se encontram em casa com os filhos à sua guarda.

Quanto ao futuro, Joaquim Pratas não perspectiva que a normalidade se atinja nos próximos seis meses ou no próximo ano. Por esse motivo, vê a possibilidade de a Azuribérica manter a produção dos dois produtos, tendo já prevista a remodelação da fábrica.

“Em termos de confeção, o verão está completamente perdido. As marcas não venderam. Vamos esperar que o inverno comece a mexer. O ritmo não vai ser normal, vai ser muito baixo. Para manter todos os postos de trabalho, terei que ter um misto de encomendas. Não estou a imaginar a Ásia repor todos os stocks destes produtos”, comentou com a Rádio Boa Nova.

Num olhar aos meses passados, o empresário conta que a “pandemia foi um rombo muito grande para a empresa” . “Em três meses (maio, abril e março) a facturação foi inferior a um mês habitual da empresa. Isto é uma coisa dramática. Efetivamente será complicado recuperar. Será um ano para virar a página e pensar que o ano 2021 será para começar a recuperar o que se perdeu em 2020”.

Joaquim Pratas garante que “confiança e vontade existe”. “A minha empresa existe graças aos colaboradores que eu tenho e com eles a remar no mesmo sentido dificilmente esta empresa irá abalar. Nem sequer penso nisso, só penso em caminhar para a frente”, concluiu.

Anterior Colaboradoras da Câmara de Penacova elaboram fatos de proteção para Corporação de Bombeiros Voluntários
Seguinte Portugal regista mais 12 mortes e 195 novos casos de infeção por Covid-19

Notícias Relacionadas

Nacional

Banco Alimentar contra a Fome recolheu 2.146 toneladas de alimentos

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 2.146 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais.

Destaque

ANCOSE quer repor “60 a 70 por cento” dos animais perdidos no ano passado na região

A Associação Nacional de Ovinos da Serra da Estrela (ANCOSE) já procedeu à entrega de 400 borregas aos pastores que perderam animais no grande incêndio, e espera chegar às “800

Última Hora

Carnaval: GNR na estrada com detenções por álcool, drogas e armas

O fim-de-semana de Carnaval levou a um conjunto de operações excecionais da Guarda Nacional Republicana, para lá da atividade diária, que resultaram em diversas detenções, apreensões e multas de trânsito. Durante

Informação

Homem que estava desaparecido foi encontrado morto em Viseu

Um homem com cerca de 60 anos foi encontrado, ao final da manhã desta segunda-feira, a boiar no rio Pavia, em Viseu.

Região

Cadáver de homem de 60 anos encontrado em praia da Figueira da Foz

O cadáver de um homem com cerca de 60 anos foi detetado na manhã de hoje numa zona de rochedos na praia do Cabo Mondego, na Figueira da Foz, disse

Informação

Grande Lisboa continua em estado de calamidade. Só são permitidos ajuntamentos de 10 pessoas. Estabelecimentos encerram às 20h00

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou, hoje, que vai manter a área metropolitana de Lisboa em estado de calamidade, com novos horários para estabelecimentos comerciais, …

Destaque

Anúncio de greve leva a corrida aos postos de combustível em Oliveira do Hospital

À semelhança do que acontece no país, também em Oliveira do Hospital a população está preocupada em abastecer as viaturas com combustível e até a fazer reservas em outros depósitos

Última Hora

“Património Material e Imaterial” é o tema das VI Jornadas Culturais de Oliveira do Hospital

O Município de Oliveira do Hospital organiza esta sexta-feira, 26 de outubro, às 21h00,  na Biblioteca Ludoteca de Lagares da Beira, a sexta edição das Jornadas Culturais de Oliveira do

Desporto

Casa do Benfica de Arganil realiza trail Trilhos de Arganil

A Secção Desportiva da Casa do Benfica de Arganil, com a ajuda de vários parceiros, vai realizar no próximo dia 3 de março de 2019, a prova de trail Trilhos

Última Hora

Humorista Pedro Alves convida alunos a inscreverem-se na Eptoliva em filme promocional

Humor, entusiasmo, profissionalismo e a certeza que a EPTOLIVA – Escola Profissional de Oliveira do Hospital, Tábua e Arganil, é a melhor escolha para Formar Futuros, assim se define o

Informação

Tuna Recreativa Penalvense recebe congénere espanhola no 10º Sarau Musical da Primavera

A Sociedade Recreativa Penalvense recebe, no próximo dia 21 de abril, pelas 21h30, o “X Sarau Musical da Primavera” na sua sede, em Penalva de Alva, …

Informação

Seia: GNR deteve homem e apreendeu mais de mil doses de cocaína

A GNR deteve um homem de 28 anos pela alegada prática do crime de tráfico de droga e apreendeu mais de mil doses de cocaína no concelho de Seia.