APAV apoiou mais de 43.000 vítimas de violência doméstica em cinco anos
25 Novembro, 2019 411 visualizações

APAV apoiou mais de 43.000 vítimas de violência doméstica em cinco anos

image_pdfimage_print

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) registou em cinco anos mais de 100.000 crimes em contexto de violência doméstica e apoiou mais de 43.000 pessoas, a maioria (86%) mulheres.

Segundo nota enviada à Rádio Boa Nova, num conjunto de estatísticas que abrangem o período 2013-2018 divulgadas hoje, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, a APAV lembra que registou um total de 43.456 processos de apoio a pessoas vítimas de violência doméstica, o que se traduz num total de 104.729 crimes.

Com idades compreendidas entre os 26 e os 55 anos (cerca de 42%), as vítimas de violência doméstica eram sobretudo mulheres casadas (33,7%) e pertenciam a um tipo de família nuclear com filhos/as (41,2%).

Tendo em conta o tipo de problemáticas existentes, prevalece o tipo de vitimação continuada em cerca de 80% das situações, com uma duração média entre os dois e os seis anos (16,9%). Os dados da APAV indicam que a residência foi o local mais escolhido para a “ocorrência dos crimes” em cerca de 64% das situações.

Já as queixas/denúncias registadas ficam-se nos 41,2% face ao total de autores/as de crime assinalados.

As vítimas continuam a ser maioritariamente do sexo feminino – cerca de 86 % – a mesma percentagem de autores do crime/agressores do sexo masculino.

“O fenómeno da violência doméstica contra as mulheres abrange vítimas de todas as condições e estratos sociais e económicos. A violência – física, psicológica, sexual, financeira — não pode ser tolerada”, sublinha a APAV.

Os dados divulgados na passada sexta-feira pelo Governo indicam que 33 pessoas foram mortas este ano em contexto de violência doméstica, entre 25 mulheres adultas, uma criança e sete homens.

Segundo revelou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, entre janeiro e setembro deste ano, comparando com o período homólogo do ano passado, houve “um aumento de mais de 10% das ocorrências participadas à PSP e à GNR”, além de um “aumento da capacidade de resposta da rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica, que tem hoje uma subida nos atendimentos na ordem dos 23%”.

No mesmo dia, a União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), num balanço dos últimos 15 anos, indicou que foram assassinadas neste período mais de 500 mulheres em contexto de relações de intimidade e que, só este ano, morreram 28, algumas baleadas, outras estranguladas ou espancadas.

Nesse período, e tendo como fonte as notícias publicadas na imprensa nacional, o OMA contou 28 mulheres assassinadas em contexto de relações de intimidade ou familiares, além de outras duas mortas em diferentes contextos, e 27 tentativas de homicídio.

Numa mensagem por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, que hoje se assinala, o primeiro-ministro defendeu hoje que todos os cidadãos devem “meter a colher” para eliminar a violência contra as mulheres.

Anterior Projeto “Os Super Saudáveis” apresentado hoje no Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital
Seguinte Resultados desportivos do fim-de-semana

Notícias Relacionadas

Última Hora

“A Escola e o Meio”na Rádio Boa Nova

Este sábado, dia 27 de abril, entre as 19h00 e as 20h00, é emitido o 23.º programa “A Escola e o Meio”, uma produção do Clube de Rádio do AEOH.

Politica

Candidato da CDU ao Parlamento Europeu visita áreas afetadas pelos incêndios

O Deputado do Partido Comunista Português (PCP) e primeiro candidato da CDU às eleições para o Parlamento Europeu, João Ferreira, está hoje …

Informação

Operação Natal e Ano Novo: Menos mortos e menos feridos mas mais acidentes do que em 2018

A GNR registou seis mortos e 19 feridos graves num total de 1.520 acidentes durante a operação Natal e Ano Novo, que começou na sexta-feira e se prolonga até 5

Última Hora

Ações de sensibilização: Nova legislação florestal “é uma salvaguarda para todos”

O Gabinete de Proteção Civil e Defesa da Floresta do Município de Oliveira do Hospital, em articulação com o Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA) da Guarda Nacional

Última Hora

“A Escola e o Meio” na Rádio Boa Nova

Este sábado, dia 11 de fevereiro, entre as 19h00 e as 20h00, é emitido o 18.º programa “A Escola e o Meio”, uma produção do Clube de Rádio do AEOH.

Informação

Defesa da coesão do território juntou Turismo do Centro e Secretaria de Estado da Valorização do Interior

O Turismo Centro de Portugal e a nova Secretaria de Estado da Valorização do Interior reuniram-se em Castelo Branco, na passada segunda-feira, num encontro “muito produtivo e em que ficou

Última Hora

Arganil defende debate sobre ordenamento florestal

A Câmara de Arganil considera que várias das conclusões do relatório da comissão técnica independente sobre os incêndios de outubro de 2017 vão ao encontro da posição do município, que

Região

Góis acolhe Festas do Concelho e 25.ª Concentração Internacional de Motos

O Município de Góis apresenta, este ano, um programa diversificado para as Festas do Concelho, que inauguram no próximo dia 11 de agosto e terminam no dia 15 do mesmo

Destaque

Estudantes do IPC manifestam-se contra o aumento de 150 Euros no valor das propinas

As associações de Estudantes do Politécnico de Coimbra, entre as quais a da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital, manifestaram-se ontem…

Região

CISE promove caminhada na neve

Caminhar sobre a neve e apreciar a beleza única da natureza e paisagem na montanha mais alta de Portugal Continental é a proposta do CISE – Centro de Interpretação da

Desporto

Conheça o calendário desportivo do fim-de-semana

Neste fim-de-semana, o Campeonato Nacional está interrompido devido à realização de jogos a contar para a Taça de Portugal e, por isso, o Futebol Clube de Oliveira do Hospital regressa

Última Hora

Deslizamentos e quedas de árvores em Oliveira do Hospital. Proteção Civil atenta à subida do Rio Alva

O mau tempo que se tem feito sentir provocou “um conjunto de situações de deslizamento de terras, queda de árvores e o aumento do caudal do Rio Alva”, referiu o