Ana Abrunhosa entende que “se critério da população continuar”, o Interior está “condenado”
27 Novembro, 2019 694 visualizações

Ana Abrunhosa entende que “se critério da população continuar”, o Interior está “condenado”

image_pdfimage_print

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, disse hoje que o país precisa de alterar os critérios de criação…

… de serviços públicos para inverter a perda de população nos territórios do interior.

Na Guarda, na sessão comemorativa do Dia da Cidade, Ana Abrunhosa afirmou que “enquanto no país não mudarmos os critérios que presidem à criação dos serviços, e que presidem ao que quer que seja, os territórios do Interior vão sair sempre a perder”.

Segundo a ministra, a “primeira coisa” a fazer no país é “alterar os tradicionais critérios que levam à criação de tribunais, que levam à ampliação de centros de saúde, escolas, porque não há desenvolvimento do Interior enquanto forem estes os critérios a presidir às decisões políticas”.

“É a primeira grande mudança que temos que fazer, sob pena de termos um país abandonado, mas depois o preço que pagamos por esse abandono é bem mais elevado. Lembremo-nos dos incêndios, apenas”, concluiu a governante no seu discurso.

No final da sessão, em declarações aos jornalistas, Ana Abrunhosa referiu que para a criação de serviços o critério considerado é, “em geral”, o critério da população.

“Se continuar a ser esse critério da população a presidir à escolha do local dos serviços, estes territórios [do Interior] estão sempre condenados e, portanto, vão estar sempre a perder população, nunca vamos conseguir contrariar este círculo vicioso”, justificou.

Daí que, na sua opinião, “os critérios têm que mudar”, até porque os territórios do Interior “dão muito ao país”. “Dão a boa água, dão o bom ar, dão os bons alimentos e, portanto, o país tem uma dívida com estes territórios”, rematou.

Na sua intervenção, Ana Abrunhosa referiu ainda que o Governo tem um Ministério para a Coesão Territorial “para garantir que o Interior está próximo, que o Interior tem uma voz, que o Interior será ouvido”.

Disse ainda que o Interior “é muito diverso” e afirmou que não acredita que “seja só com medidas transversais”, como a redução das portagens nas autoestradas e dos impostos para as famílias e para as empresas, que seja alterada a realidade atual dos territórios mais desfavorecidos.

“Elas [as medidas] são importantes, não estou com isto a dizer que não as defendo, mas acredito que é olhando para cada território ‘per si’, tendo em conta as suas especificidades. Também não acredito que é com 100 projetos ou 100 anúncios que conseguimos alterar a realidade. É um passo de cada vez”, declarou.

E, a rematar, a titular da pasta da Coesão Territorial afirmou: “Mas uma coisa eu acredito: é que a transformação, a revitalização destes territórios, tem que ter como âncora estas cidades [como a Guarda]. E, depois, também não podemos esquecer os territórios rurais, para os quais temos que ter projetos concretos”.

Anterior «Racismo e a Não discriminação» esteve em debate na Cerâmica Arganilense
Seguinte Cabeça Aldeia Natal é ainda mais genuína e ecológica

Notícias Relacionadas

Última Hora

Festas do Concelho animam Seia durante 5 dias

HMB, Rita Guerra, ATOA, Cuca Roseta e Diogo Piçarra são os principais atrativos do vasto programa musical da 5ª edição das Festas do Concelho, que dão vida ao centro histórico

Última Hora

GNR deteve dois homens por furto em Oliveira do Mondego

O Comando Territorial de Coimbra, através do Posto Territorial de Penacova, deteve ontem, dia 7, dois homens de 37 anos, pela prática do crime de furto,…

Destaque

GNR fez 13 detenções em flagrante delito na última semana no distrito de Coimbra

O Comando Territorial de Coimbra levou a efeito um conjunto de operações, no distrito de Coimbra, na semana de 26 de setembro a 2 de outubro,…

Última Hora

Acidente com autocarro de 52 estudantes na Covilhã provoca um ferido grave

Uma colisão entre um autocarro de transporte de estudantes e um veículo de passageiros provocou hoje um ferido grave, …

Destaque

Luís Antero e Tiago Cerveira voltam ao CineEco com “O rio-parte3”

A curta documental “O rio – parte 3”, da dupla de Oliveira do Hospital Luís Antero e Tiago Cerveira, marca presença no XXII CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental,

Nacional

País: Morreu o ex-ministro socialista José Lello

Morreu esta sexta-feira o ex-ministro, ex-secretário de Estado e ex-deputado do PS José Lello, com 72 anos.

Informação

66 acidentes e 928 infrações na última semana no distrito de Coimbra

Na semana de 4 a 10 de junho, o Comando Territorial de Coimbra  da GNR registou a ocorrência de 66 acidentes e detetou 928 infrações nas estradas do distrito de

Última Hora

Incêndio em fábrica de Anadia provocou estragos de um milhão de euros

O incêndio que, no sábado à tarde, destruiu um dos módulos de produção da fábrica de capacetes Nexxpro, em Anadia, provocou prejuízos “a rondar o milhão de euros” e não

Última Hora

Funcionários da ASAE criticam operação em áreas afetadas pelos incêndios

O sindicato dos funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica criticou hoje a operação anunciada pelo inspetor-geral para as áreas afetadas pelos incêndios, sublinhando que não está em causa

Região

Proteção Civil alerta para queda de neve, vento e agitação marítima

Atendendo à informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a Proteção Civil alerta para o agravamento do estado do tempo nas próximas 72 horas,…

Informação

Benfiquistas preparam festa do tetra na “rotunda do cavaleiro”

A “rotunda do cavaleiro”, em Oliveira do Hospital, está desde o início da semana reservada pelos benfiquistas para a eventual festa do “tetra” que, este ano, pode acontecer amanhã, dia

Última Hora

Aldeias evacuadas e seis meios aéreos a combater chamas em Góis

Ao início da manhã, a presidente da Câmara de Góis, Lurdes Castanheira, alertava: “Nós temos uma situação grave e se calhar pode passar a ser gravíssima porque o incêndio passou