Tribunal de Contas reprova falta de controlo nas contas de Pedrógão

Tribunal de Contas reprova falta de controlo nas contas de Pedrógão

image_pdfimage_print

Auditoria demolidora deteta graves falhas nas decisões de fundo gerido pelo Estado, destinado à reconstrução das casas em Pedrógão Grande.

Muita “informalidade e falta de clareza”, sob a batuta dos municípios, guiaram a aplicação dos 7,3 milhões de euros de donativos do Revita.

O Tribunal de Contas (TdC) aponta graves falhas de “transparência” tanto à forma como o mecanismo foi instituído, como à gestão. A omissão de atas, que justificaram decisões, requerimentos sem datas e falta dos nomes dos técnicos que analisaram processos são muitas das pontas soltas, que os juízes dizem terem sido limadas de forma atabalhoada.

A auditoria, que seguiu o rasto a 7,3 milhões de euros em donativos e à qual o JN acedeu, identificou uma “informalidade e falta de clareza” nas decisões da reconstrução de casas em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra. O Governo podia ter controlado o fundo, mas as regras foram ditadas pelos municípios, lamenta o TdC.

Diz a auditoria que, através do Instituto da Segurança Social, liderado por Rui Fiolhais, o Governo não conseguiu fiscalizar o processo de reconstrução das casas – algo que já originou uma acusação do Ministério Publico contra 28 pessoas, entre eles autarcas.

Tendo em conta o peso dos três municípios nos órgãos do Revita, frisa o TdC, a comissão técnica e conselho de gestão “validaram e aprovaram os apoios e os pagamentos, mesmo em casos duvidosos, essencialmente por terem confiado ou terem sido convencidos pelos representantes das autarquias que as obras diziam respeito” a casas permanentes.

Regras básicas de triagem, que poderiam ajudar a perceber se havia casas cobertas por seguros para não haver duplicação de apoios, ou de priorização nas reconstruções, para que os casos de primeira habitação fossem beneficiados em relação aos outros, não foram seguidas.

Confrontadas, todas as entidades – do Governo à Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional (CCDR – Centro) – invocaram a novidade que constituiu o Revita e o estado de “calamidade” a que se teve de acorrer rapidamente. Algumas das respostas foram “ipsis verbis” umas das outras. A CCDR foi mais longe e culpou as freguesias e câmaras pelas informações sobre as casas.

Esta última entidade é alvo de uma forte crítica do TdC: perante as suspeitas que surgiram, a CCDR suspendeu a reconstrução das casas – as de primeira habitação, as de segunda e as devolutas. Para os auditores, se os erros foram cometidos logo no início, não faz então sentido penalizar pessoas e fornecedores, obrigando-os a esperar por decisões judiciais.

com: jn.pt

Previous Centro de Gestão da Refe Informática do Governo vai instalar-se em Seia
Next mOHve-te no Verão encerrou com prática de várias modalidades numa “praça desportiva” (com vídeo)

Artigos Relacionados

Informação

Eptoliva promove Região de Coimbra

A EPTOLIVA – Escola Profissional de Oliveira do Hospital, Tábua e Arganil, assinalou o primeiro dia das Jornadas Profissionais, direcionando as visitas técnicas dos cursos profissionais à promoção e divulgação

Sociedade

Onze meios aéreos combatem fogo na Figueira da Foz

Mais de duas centenas de operacionais, apoiados por 11 meios aéreos, combatem um incêndio que deflagrou pelas 15h15, num povoamento florestal em Quiaios, no concelho da Figueira da Foz, distrito

Última Hora

Quim Machado é o novo treinador da Académica

Quim Machado é o novo treinador da Académica, substituindo Ricardo Soares, que abandonou o seu cargo após derrota frente ao Oliveirense, no passado sábado, que pode ter comprometido as aspirações

Região

PJ deteve grupo suspeito de assaltos a caixas multibanco

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um grupo de cinco homens suspeitos de em 2016 assaltarem caixas multibanco, fazendo-as explodir, em vários concelhos da região Oeste.

Última Hora

CIM Região de Coimbra cria Gabinete técnico florestal intermunicipal

O Presidente da CIM Região de Coimbra, João Ataíde das Neves, assinou hoje em Santarém, na presença do Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural,…

Última Hora

Falta de camas no hospital de Viseu pode levar a cancelar cirurgias

O Centro Hospitalar Tondela Viseu alertou, hoje, que as cirurgias de rotina poderão ser canceladas durante o plano de contingência que ficará em vigor…

Última Hora

GNR deteve 46 pessoas por tráfico de estupefacientes no Boom Festival

A GNR deteve 46 pessoas por tráfico de estupefacientes durante o Boom Festival, que terminou no domingo, e levantou 85 autos de contraordenação por consumo de drogas.

Informação

Coimbra: Homem de 50 anos encontrado morto dentro de um poço

Um homem de 50 anos foi encontrado já sem vida, na noite de sábado, na localidade de Vilarinho, Lousã, em Coimbra. 

Última Hora

António Costa lançou requalificação do IP3

O primeiro-ministro presidiu, esta manhã, ao lançamento da empreitada de requalificação do IP3  entre os nós de Penacova e Lagoa Azul, no distrito de Coimbra.

Última Hora

Grande Hotel assume gestão das Termas do Luso

A Sociedade Água do Luso (SAL), proprietária das Termas do Luso, chegou a acordo com a Fundação Bissaya Barreto,  que detém o Grande Hotel do Luso, para a gestão da estância termal.

Região

Região: 19 pessoas hospitalizadas após intoxicação em lar de idosos

Dezanove pessoas foram hoje hospitalizadas devido a uma intoxicação alimentar num lar de idosos em Condeixa-a-Nova, disse o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra.

Desporto

Rally Vila Medieval de Ourém vai para a estrada nos dias 16 e 17 de março

Foi numa sala repleta de jornalistas, pilotos, organizadores e entusiastas do desporto automóvel, que decorreu, na manhã de sábado, a apresentação oficial da edição de 2019, ….