Seis meses após o grande incêndio: “Acho que é um luto que eu tenho de fazer, que ainda não fiz, e não sei se algum dia o vou fazer”
14 Abril, 2018 1329 Views

Seis meses após o grande incêndio: “Acho que é um luto que eu tenho de fazer, que ainda não fiz, e não sei se algum dia o vou fazer”

Faz amanhã seis meses, exatamente num domingo, que Hélder Correia, de 59 anos, viu o fogo consumir o que construiu a vida toda.

A residir na vila de Avô, naquele final de tarde de 15 de outubro só arredou pé do que era seu quando já não havia nada a fazer. Passados seis meses, Hélder não consegue precisar as suas maiores perdas. “Ainda nem pensei bem nisso. Acho que é um luto que eu tenho de fazer, que ainda não fiz, e não sei se algum dia o vou fazer”, desabafou.

Atento e estupefacto com a dimensão e velocidade com que o fogo avançava, Hélder nunca pensou que pudesse chegar ao seu terreno pois “até ao fim, há sempre a esperança que não chegue”, ainda para mais “estava tudo muito limpo” ao seu redor.

Hélder e a sua mulher perderam a casa de habitação, vários anexos, um estabelecimento de alojamento local que era a fonte de rendimento de ambos e uma vasta área onde produziam agricultura biológica. Vinho, azeite, legumes, fruta e jeropiga. Tudo o que tinham e nada sobrou. Tudo o que lhes permitia viver, sem ter receio do dia de amanhã e que, hoje, nem restou para recordar.

Atualmente a viverem numa “casita pequenita com 20 e tal metros quadrados que não ardeu incrivelmente”, apesar de o processo de recuperação ser “muito lento e por vezes desesperante”, Hélder tem força para continuar. Já submeteu a candidatura para recuperar as suas perdas agrícolas, porém continua no terreno a tentar reconstruir o que perdeu com ajudas “basicamente de amigos”. Quanto à informação que lhe chega, Hélder afirma que “é um bocado incompreensível e de uma insensibilidade muito grande por parte de quem decide”.

De momento, o casal não exerce nenhuma atividade profissional. Questionado se pretende abrir de novo o seu estabelecimento hoteleiro caso os apoios do Estado cheguem, Hélder não consegue dar uma resposta imediata. “Ainda temos até a outubro para pensar. Sendo aquela a nossa principal fonte de rendimento, de certeza que nem daqui por dois anos vai estar pronta. E durante dois anos como é que vamos viver?”, questiona, afirmando que terão “de arranjar alternativas”. “Com o fogo aprendemos muitas coisas. Uma delas é que eu nunca mais vou trabalhar tanto porque acho que não vale a pena”, disse o gestor hoteleiro com a desilusão patente no seu olhar.

Onde mora, bem lá no cimo da encosta, avista-se o monte negro que o incêndio de 15 de outubro deixou. Parece que foi ontem, mas já se passaram seis meses. Hoje, Hélder já não recorda pormenorizadamente aquele fim de tarde. “Eu não me lembro muito daquela noite. Às vezes lembro da forma como o fogo vinha”, contou Hélder Correia, referindo que “é nostálgico” pois já não se lembra “como é que ficou a paisagem logo a seguir ao fogo”, uma vez que “agora está bastante verde”, que é o que lhe “serve de consolo”.

Previous “Valerá a nossa vontade e nossa perseverança para lutar e fazer com que a J.Guerra continue”
Next Grande incêndio foi há seis meses. “O nosso principal objetivo é que isto nunca mais volte a acontecer”

Artigos Relacionados

Vídeos

Presidente da República inaugurou Museu do Azeite na Bobadela (Com vídeo)

No primeiro dia da Festa do Queijo Serra da Estrela de Oliveira do Hospital que decorre até amanhã, dia 17 de março, o presidente da República inaugurou esta manhã…

Informação

Unidade de Missão apresenta Programa de Revitalização do Pinhal Interior

A Unidade de Missão para a Valorização do Interior apresentou, ontem, o Programa de Revitalização do Pinhal Interior, …

Informação

País: Número de casos de sarampo subiu para 66

Foram diagnosticados mais quatro casos de sarampo, elevando para 66 o número de doentes infetados pelo atual surto, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Informação

Casa de vítima de incêndio em Tondela assaltada durante funeral

A casa de uma das nove vítimas mortais do incêndio na Associação Cultural de Vila Noda Rainha, em Tondela, foi assaltada, no momento em que decorria o funeral do proprietário.

Destaque

65 acidentes e 371 infrações na última semana no distrito de Coimbra

Na semana de 27 de março a 2 de abril, o Comando Territorial de Coimbra da GNR registou 65 acidentes e 371 infrações nas estradas do distrito de Coimbra, …

Última Hora

S. Gião é a nova praia fluvial classificada no concelho de Oliveira do Hospital

Oliveira do Hospital conta, este ano, com mais uma praia fluvial classificada: S. Gião. Com a classificação publicada em Diário da República, sobe para quatro o número de praias fluviais 

Sociedade

Município de Oliveira do Hospital participa nas Jornadas Europeias do Património

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital preparou algumas atividades para assinalar as Jornadas Europeias do Património, que se celebram nos dias 23, 24 e 25 de setembro.

Última Hora

Arrastamento de cinzas condiciona abastecimento de água. Município apela a consumo moderado de água

O arrastamento de cinzas provocado pelas chuvas fortes obrigou ao corte de abastecimento de água em Oliveira do Hospital a partir da estação de tratamento de Nossa Srª do Desterro,

Região

Incêndio em habitação desalojou casal e o filho em Arouca

Um casal com um filho ficou desalojado devido a um incêndio na habitação, ao início da noite de ontem, tendo pernoitado em casa de familiares.

Última Hora

Calendário desportivo de fim-de-semana: FCOH à beira de ser campeão

É já no próximo domingo que ficamos a conhecer a nova equipa campeã do Campeonato da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Coimbra que, consecutivamente, subirá de divisão.

Última Hora

Detido assistente hospitalar por abuso sexual de várias pessoas internadas

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção de um homem sobre o qual recaem fortes suspeitas da autoria de vários crimes de abuso sexual de pessoas internadas, …

Informação

Cláudio Figueiredo promete trabalho e empenho na nova época do Sampaense Basket (com vídeo)

Cláudio Figueiredo, técnico do Sampaense Basket, fala da nova época na Proliga, dos jogos da Taça António Pratas e da formação.