Proteção Civil lança alerta à população devido ao mau tempo

Proteção Civil lança alerta à população devido ao mau tempo

image_pdfimage_print

A Proteção Civil emitiu, hoje , um aviso à população devido ao agravamento das condições meteorológicas previsto para os próximos dias.

Neve, vento e agitação marítima vão marcar as 48 horas que se seguem, adianta a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANPEC), através de comunicado, no qual destaca os períodos de chuva ou aguaceiros “que poderão ser de granizo e acompanhados de trovoada no Norte e Centro”.

As previsões de vento forte do quadrante oeste dão conta de “rajadas até 85 km/no Norte e Centro e forte nas terras altas, com rajadas até 95 km/h, podendo chegar até 110 km/h nos pontos mais altos da Serra da Estrela, nas terras altas do Sul, com rajadas até 75 km/h”.

A Proteção Civil alerta ainda para queda de neve acima dos 1000/1200 metros de altitude, que se poderá acumular entre os 5 e os 10 centímetros nas regiões Norte e Centro, descendo a cota temporariamente para 800 metros no extremo Norte, onde poderá acumular 10 cm (por exemplo em Montalegre e no Gerês).

Motivo de cuidado é também a agitação marítima, em especial na costa ocidental, com ondas de noroeste com 5 a 7 metros de altura significativa, podendo atingir 15 a 16 de altura máxima ao final do dia de amanhã, a norte do cabo Raso. A sul, prevê-se ondas de noroeste até 6 metros de altura significativa podendo atingir 12 metros de altura máxima até ao início da manhã de sexta-feira.

Os efeitos expectáveis do agravamento das condições passam por: piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo; possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem; possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis; inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem; danos em estruturas montadas ou suspensas; Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis; possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte; possíveis acidentes na orla costeira; fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência.

Por outro lado, o impacto destes efeitos pode ser minimizado pela adoção de determinados comportamentos, segundo a Proteção Civil.

“Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas; e adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível acumulação de neve e formação de lençóis de água nas vias”, são algumas das recomendações daquela autoridade

Previous Município de Nelas realiza obras de requalificação urbana nas Caldas da Felgueira
Next Câmara de Oliveira do Hospital lança obras de 5,5 milhões de Euros (com áudios)

Artigos Relacionados

Região

Pedro Dias assume homicídio de GNR, mas porque levou “murros e pontapés”

Pedro Dias garantiu, esta manhã, que estava com medo e desnorteado na altura em que ocorreram os crimes em Aguiar da Beira.

Nacional

Quase mil pessoas apanhadas a conduzir com álcool. 300 ficaram detidas

Mais de 300 pessoas foram detidas entre sexta-feira e as 8h00 desta quarta-feira, por condução com excesso de álcool no sangue, no âmbito da Operação “Ano Novo”, segundo dados provisórios

Última Hora

Dois feridos graves em colisão na EN16 em Celorico da Beira

Uma colisão rodoviária entre duas viaturas ligeiras de passageiros provocou, na manhã desta quarta-feira, ferimentos a três pessoas na Estrada Nacional 16 em Celorico da Beira.

Informação

Lesados dos fogos querem 100 milhões de euros no OE para ajudar regiões afetadas

O Movimento de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões defendeu, ontem, a inclusão de 100 milhões de euros no Orçamento do Estado para ajudar a recuperar agricultura, …

Destaque

Neve cria manto branco no Monte do Colcurinho

O Monte do Colcurinho, na freguesia de Aldeia das Dez, concelho de Oliveira do Hospital amanheceu, esta sexta-feira, com um manto branco.

Informação

IEFP garante que muitas empresas afetadas pelo incêndio estão a laborar “se não totalmente, pelo menos parcialmente”

O delegado Regional do Centro do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) referiu, à Rádio Boa Nova, que as empresas de Oliveira do Hospital, que foram afetadas pelo incêndio,

Última Hora

PJ deteve quatro suspeitos de tráfico em Coimbra e Lousã

A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Centro, identificou e deteve três homens e uma mulher pela presumível prática do crime de tráfico de estupefacientes, sendo ainda imputado a um

Última Hora

 Câmara de Seia distingue Fundação Vodafone no Dia do Município

A Câmara de Seia vai proceder, no dia 3 de julho, à entrega da Campânula Municipal de Mérito e Dedicação à Fundação Vodafone Portugal, …

Informação

Volta a Portugal: Etapa Vida vai passar por concelhos afetados pelos incêndios

A 80.ª Volta a Portugal promove, amanhã, uma homenagem solidária às populações atingidas pelos incêndios do ano passado. Coincidente com a terceira tirada da competição a decorrer …

Informação

Adulto e dois menores suspeitos de furto em Miranda do Corvo

O Comando Territorial de Coimbra, através do Núcleo de Investigação Criminal de Lousã, identificou, no dia 29 de abril, um homem de 18 anos e dois menores de 15 e 16 anos, …

Informação

Termina hoje a época mais crítica de incêndios. A partir de amanhã está prevista a redução de meios

A época de fogos considerada mais crítica termina hoje, dia 30 de Setembro. A partir de manhã está prevista uma redução de meios, que será maior a partir do dia

Informação

Incêndios: Autarca de Arganil rejeita “medidas em cima da tragédia”

O presidente da Câmara de Arganil, Ricardo Alves, rejeita que novas medidas nas áreas da proteção civil e do ordenamento florestal sejam tomadas pelo Governo “em cima da tragédia”.