Peritos alertam para incêndios semelhantes ou piores aos de 2017

Peritos alertam para incêndios semelhantes ou piores aos de 2017

O risco de incêndios semelhantes ou piores aos que ocorreram no ano passado tem tendência para aumentar, tal como alertaram peritos norte-americanos que hoje defenderam que “não há tempo a perder” em Portugal.

Segundo o relatório apresentado hoje no Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa, “sem uma intervenção séria e imediata, Portugal pode esperar uma situação pior do que em 2017”.

Segundo os especialistas, só uma intervenção internacional em massa é que conseguirá conter as chamas.

“Na próxima década, sem uma intervenção sustentável e de longo prazo, é previsível um risco crescente de um ano extremo de incêndios, consumindo 500.000 hectares ou mais”, diz o relatório.

Mark Beighley sintetizou que “os portugueses são o problema e por isso podem ser a solução”, considerando que o número de fogos iniciados por milhão de habitantes é absurdo, sendo que “a percentagem de fogos com origem humana ronda os 98 por cento”.

O descuido e a negligência juntam-se a “um oceano de combustível inflamável” e às alterações climáticas que tendem a agravar o calor e a seca, disse Mark Beghley, que estudou o panorama dos incêndios em Portugal pela primeira vez em 2004, verificando que “nada substancial mudou”. “A única coisa que vi foi aumentar o número de aviões, helicópteros e meios de combate ao fogo. Isso pode ajudar num ano normal, mas não resolveu o problema”, disse.

As soluções propostas incluem bombeiros profissionalizados, mais jovens, mais bem pagos e com carreiras atrativas para uma profissão que é “fisicamente exigente” e que é mais necessário no interior do país.

Os especialistas referem que, no ataque aos fogos, as florestas e terrenos cuidados e limpos devem ter prioridade sobre os abandonados.

A paisagem florestal deve ser “um mosaico” de diferentes espécies e de árvores de diferentes idades, o que ajuda a abrandar a progressão de fogos.

No que diz respeito a reacendimentos, o especialista que os bombeiros não conseguem apagar definitivamente todos os fogos, defendendo que as Forças Armadas podem ser fulcrais na vigilância e rescaldo.

Previous Detido suspeito de peculato e falsificação de documentos no Sabugal
Next Calendário desportivo de fim-de-semana

Artigos Relacionados

Região

Cadastro predial que arrancou em 2014 devia terminar em junho

O cadastro predial que arrancou em 2014 com fundos comunitários deve terminar até junho em Seia e Oliveira do Hospital, concelhos afetados pelos incêndios de outubro de 2017 …

Última Hora

Projeto pioneiro leva jovens exploradores à descoberta da Serra do Açor

A primeira edição do programa “Exploradores – [email protected]çor” decorreu, entre os dias 10 e 13 de setembro, na freguesia da Benfeita e evelou-se “uma verdadeira viagem pelos recantos da Paisagem

Informação

Município de Oliveira do Hospital ultima o novo Plano Municipal para a Igualdade

Depois de ter comemorado o seu Dia Municipal para a Igualdade, a 21 de junho com uma semana dedicada ao tema, o Município de Oliveira do Hospital (MOH) …

Politica

Ex líder do PSD nega apoio a candidato do partido à Câmara de Oliveira do Hospital

José Carlos Mendes, ex presidente da Comissão Política de Secção do PSD de Oliveira do Hospital, nega apoiar a candidatura de João Paulo Albuquerque à Câmara Municipal oliveirense.

Última Hora

95 bombeiros combatem fogo no parque da Interecycling em Tondela

Noventa e cinco bombeiros apoiados por 37 veículos combatiam às 13h 00 de hoje um incêndio que deflagrou às 11h50 no parque da Interecycling, empresa de reciclagem de resíduos de

Informação

Oliveira do Hospital realiza sessão evocativa em memória das vítimas do incêndio de 15 de outubro de 2017

Esta segunda-feira, quando se assinala um ano dos trágicos incêndios de 15 de outubro, o Município de Oliveira do Hospital presta homenagem a todas as vítimas através da realização de