“Pedimos apoio igual. Há muitas pessoas que estão a ficar para trás” (com áudio)

“Pedimos apoio igual. Há muitas pessoas que estão a ficar para trás” (com áudio)

Passados quatros meses desde o grande incêndio de 15 de outubro, a Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) insiste no tratamento “igual” para com os lesados da tragédia e que “não merecem ser tratados como portugueses de segunda”.

Num olhar aos quatro meses após o incêndio, Luís Lagos, presidente da AVMISP referiu em entrevista à Rádio Boa Nova que “o problema está sobretudo no conhecimento no terreno”. “Se da parte do Presidente da República sentimos conhecimento da debilidade da situação, da parte do Primeiro Ministro o problema está aí. Há falta de conhecimento”, afirmou o dirigente que no dia 9 de fevereiro reuniu com António Costa e mais recentemente, no dia 17, foi recebido em audiência no Palácio de Belém, por Marcelo Rebelo de Sousa.

Em quatro meses, Luís Lagos que lidera a AVMISP que foi criada em Oliveira do Hospital e reúne cerca de 300 associados de quase todos os concelhos afetados pelo grande incêndio, identifica desigualdades em relação aos apoios disponibilizados às vítimas em comparação com as vítimas de Pedrogão Grande. “Neste momento, a desigualdade que mais se faz sentir é no apoio às empresas”, verifica, alertando para o facto de estar em causa a sobrevivência de várias empresas afetadas pelo fogo e que são “a Auto Europa” do interior, e por consequência a manutenção de muitos postos de trabalho.

Num primeiro momento, pós incêndio, Luís Lagos destaca o “sentimento de abandono, pese embora a política de proximidade dos autarcas locais, por parte do governo central no apoio à agricultura e empresas”. Também destaca a “mágoa” em relação às vítimas mortais, a cujas famílias valeu a provedoria da justiça e a AVMISP. “Ajudámos a preencher muitos requerimentos”, conta Luís Lagos, notando que a associação representa 30 das 46 vítimas mortais de outubro. “A destempo” identifica também o apoio aos feridos, cujo processo “já deveria ter sido iniciado há mais tempo”. “As pessoas não deveriam estar à espera quatro meses”. Quanto recuperação das habitações, Luís Lagos entende que é preciso que se dê “gás” aos processos para que os lesados possam regressar às sua habitações em meio anos após o fogo, à semelhança do que está a acontecer em Pedrogão Grande.

Ao final de quatro meses e depois de a AVMISP ter sido ouvida pelo Primeiro Ministro e Presidente da República, Luís Lagos pode dizer que “já se encetou o diálogo para conseguirmos debelar algumas dificuldades e conseguirmos um conjunto de apoios que não estão adequados e precisam de ser melhorados”.

“As pessoas têm que renascer, mas não deixar ninguém para trás. Neste momento há muitas pessoas que estão a ficar para trás”, avisa o dirigente.

Previous Festival da Lampreia de Penacova celebra 20 anos com 12 restaurantes
Next Apoio social para 67 famílias no último ano em Oliveira do Hospital

Artigos Relacionados

Última Hora

Casal morreu após queda de viatura na ria de Aveiro

Um casal despistou-se, ontem à tarde  num veículo automóvel na ria de Aveiro e  foi retirado sem vida pela equipa de mergulhadores. O acidente ocorreu junto…

Educação

ESTGOH coloca 143 alunos na 1ª fase de acesso ao ensino superior (com vídeo)

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) captou 143 novos alunos na 1ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior.

Informação

Município de Seia promove ação de reflorestação em área ardida

O Município de Seia, através do serviço Municipal de Proteção Civil, e a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE), enquadrada na iniciativa “Verde Puro”, promovem uma ação

Última Hora

Município de Oliveira do Hospital revela sucesso da iniciativa #AdoptarParaCuidar

O Município de Oliveira do Hospital regressou, na semana passada, às escolas do 1.º CEB para verificar o sucesso da iniciativa #AdoptarParaCuidar,…

Região

Treze detenções e 80 acidentes na última semana no distrito de Coimbra

O Comando Territorial de Coimbra da GNR registou, na semana de 24 a 30 de janeiro, 13 detenções, 489 infrações na área do trânsito e 80 acidentes.

Destaque

Autarca de Oliveira do Hospital refere que construção do IC6 será um “marco histórico”

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital referiu, esta manhã, que a construção do IC6, tal como hoje foi anunciado pela Infraestrturas de Portugal, …

Cultura

“Artes e Ofícios de Oliveira do Hospital” em exposição

“Artes e Ofícios de Oliveira do Hospital” é o mote da exposição coletiva programada para o mês de julho pelo Município de Oliveira do Hospital. A mostra pode ser visitada,

Última Hora

Cerca de 200 jovens participam no acampamento do Bloco ‘Liberdade 2017’ em S. Gião

Cerca de 200 jovens participam até domingo no acampamento “Liberdade 2017”, organizado pela Coordenadora Nacional de Jovens do Bloco de Esquerda, em Oliveira do Hospital, com debates, ‘workshops’, filmes e

Região

Loriga promove Marchas Populares

As tradicionais Marchas Populares voltam, este ano, a animar a vila de Loriga. O desfile acontece dia 16 de junho, pelas 21h30.

Última Hora

Dia do Emigrante e do Ouvinte acontece no último dia da EXPOH

A EXPOH- Feira Regional de Oliveira do Hospital dedica o último dia, 7 de agosto, à comunidade emigrante e ouvintes da Rádio Boa Nova.

Destaque

“A EXPOH foi um sucesso, sendo sobretudo um ponto de encontro”

Milhares de visitantes passaram pela EXPOH – Feira Regional de Oliveira do Hospital que, ontem, terminou no Parque do Mandanelho. Ainda a avaliar a afluência de visitantes que “melhorou”,…

Programas

“A Escola e o Meio”na Rádio Boa Nova

Este sábado, dia 26 de maio, entre as 19h00 e as 20h00, é emitido o 30.º programa “A Escola e o Meio”, uma produção do Clube de Rádio do AEOH.