“Pedimos apoio igual. Há muitas pessoas que estão a ficar para trás” (com áudio)

“Pedimos apoio igual. Há muitas pessoas que estão a ficar para trás” (com áudio)

image_pdfimage_print

Passados quatros meses desde o grande incêndio de 15 de outubro, a Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) insiste no tratamento “igual” para com os lesados da tragédia e que “não merecem ser tratados como portugueses de segunda”.

Num olhar aos quatro meses após o incêndio, Luís Lagos, presidente da AVMISP referiu em entrevista à Rádio Boa Nova que “o problema está sobretudo no conhecimento no terreno”. “Se da parte do Presidente da República sentimos conhecimento da debilidade da situação, da parte do Primeiro Ministro o problema está aí. Há falta de conhecimento”, afirmou o dirigente que no dia 9 de fevereiro reuniu com António Costa e mais recentemente, no dia 17, foi recebido em audiência no Palácio de Belém, por Marcelo Rebelo de Sousa.

Em quatro meses, Luís Lagos que lidera a AVMISP que foi criada em Oliveira do Hospital e reúne cerca de 300 associados de quase todos os concelhos afetados pelo grande incêndio, identifica desigualdades em relação aos apoios disponibilizados às vítimas em comparação com as vítimas de Pedrogão Grande. “Neste momento, a desigualdade que mais se faz sentir é no apoio às empresas”, verifica, alertando para o facto de estar em causa a sobrevivência de várias empresas afetadas pelo fogo e que são “a Auto Europa” do interior, e por consequência a manutenção de muitos postos de trabalho.

Num primeiro momento, pós incêndio, Luís Lagos destaca o “sentimento de abandono, pese embora a política de proximidade dos autarcas locais, por parte do governo central no apoio à agricultura e empresas”. Também destaca a “mágoa” em relação às vítimas mortais, a cujas famílias valeu a provedoria da justiça e a AVMISP. “Ajudámos a preencher muitos requerimentos”, conta Luís Lagos, notando que a associação representa 30 das 46 vítimas mortais de outubro. “A destempo” identifica também o apoio aos feridos, cujo processo “já deveria ter sido iniciado há mais tempo”. “As pessoas não deveriam estar à espera quatro meses”. Quanto recuperação das habitações, Luís Lagos entende que é preciso que se dê “gás” aos processos para que os lesados possam regressar às sua habitações em meio anos após o fogo, à semelhança do que está a acontecer em Pedrogão Grande.

Ao final de quatro meses e depois de a AVMISP ter sido ouvida pelo Primeiro Ministro e Presidente da República, Luís Lagos pode dizer que “já se encetou o diálogo para conseguirmos debelar algumas dificuldades e conseguirmos um conjunto de apoios que não estão adequados e precisam de ser melhorados”.

“As pessoas têm que renascer, mas não deixar ninguém para trás. Neste momento há muitas pessoas que estão a ficar para trás”, avisa o dirigente.

Previous Festival da Lampreia de Penacova celebra 20 anos com 12 restaurantes
Next Apoio social para 67 famílias no último ano em Oliveira do Hospital

Artigos Relacionados

Última Hora

Câmara de Seia amplia incentivo de natalidade e adoção à vacinação infantil

A Câmara Municipal decidiu ampliar o apoio estipulado no Regulamento de Incentivo à Natalidade e Adoção do Município de Seia, criado em 2015, adequando os apoios às necessidades presentes, por

Cultura

Ermelinda da Silva, com 94 anos, reedita livro em Vila Franca da Beira

Este sábado, pelas 15h00, na sede da União Desportiva e Tuna Vilafranquense, em Vila Franca da Beira, terá lugar o lançamento da…

Região

Praga de ratos coloca concelho e região em alerta após incêndios do ano passado

Nas últimas semanas tem-se assistido a uma praga de ratos no concelho de Oliveira do Hospital, mas também em concelhos vizinhos, resultado dos incêndios que devastaram a região no ano

Última Hora

Maratona da Europa, Rally de Portugal e o melhor da Beira Baixa apresentados na BTL

O stand do Centro de Portugal foi uma animação constante no primeiro dia da BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa. O espaço da região foi o palco de várias apresentações que marcaram

Última Hora

Autarca de Seia confia na recuperação após a tragédia que causou 14 milhões de prejuízos

Meio ano após os trágicos incêndios que nos dias 15, 16 e 17 de outubro consumiram mais de 18.500 hectares no concelho de Seia e causaram prejuízos materiais na ordem

Sociedade

Alunos da Eptoliva conquistaram 2º prémio em Mostra Nacional da Ciência

A solução desinfetante com recurso a resíduos de batata e à celidónia valeu aos alunos da Eptoliva Bruno Paulino, Carlos Quintino e Catarina Costa, …

Região

Dispositivo de Combate a Incêndios reforçado com 45 meios aéreos a partir de hoje

A partir desta sexta-feira, dia 15 de junho, o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais para 2018 conta com mais 9 meios aéreos, oito no Continente e um na

Educação

CDOS de Coimbra faz balanço de ocorrências no distrito

O Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra revelou, há instantes, o quadro de ocorrências decorrentes das atuais condições meteorológicas adversas. Os dados dizem respeito ao período compreendido entre

Última Hora

Estirpe da gripe é “particularmente perigosa”. DGS apela à vacinação

A diretora geral da Saúde disse hoje que a estirpe da gripe deste ano é particularmente perigosa e apelou à vacinação.

Região

10 detenções, 543 infrações e 54 acidentes no distrito de Coimbra

O Comando Territorial de Coimbra procedeu, de 29 de maio a 4 de junho, a várias operações, no distrito de Coimbra, como a prevenção e o combate à criminalidade violenta

Informação

Assunção Cristas desloca-se ao concelho em solidariedade com os oliveirenses

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, desloca-se amanhã a Oliveira do Hospital para “presenciar o que aconteceu ao concelho, …

Desporto

Jorge Carvalho e Marco Vilas Boas vencem 3º Rali Poiares Caxamar

Jorge Carvalho e Marco Vilas Boas foram os grandes vencedores do Troféu Rally Regional Centro de 2018, inserido no 3º Rali de Poiares Caxamar.