Meruge recupera tradição da “Cégada do Entrudo”

Meruge recupera tradição da “Cégada do Entrudo”

Apostada na recuperação cultural das tradições lúdicas do Entrudo, vivenciadas na Freguesia de Meruge, a Associação de Desenvolvimento Social e Cultural do Vale do Cobral (ADSCVC), …

… em pareceria com a Junta de Freguesia e as colectividades locais, vai promover, pelo segundo ano consecutivo, no dia 10 de fevereiro, durante a tarde/noite, a “Cégada do Entrudo”.

Vir para a rua “correr o entrudo”, organizar as características “cégadas”, era uma prática comum a todas as aldeias da beira serra antes dos abrasileiramentos das nossas tradições carnavalescas.

Esta pitoresca manifestação burlesca gira à volta de “ditos” e cantigas em que impera a crítica social e de costumes, a que a cacofonia dos improvisados instrumentos de percussão e o impostor choro das carpideiras viúvas, empresta o ambiente de desmando colectivo e de ruptura. Improvisar rudes máscaras de papelão, transfigurar-se com roupas velhas usadas pelo sexo oposto ou colocar meias de vidro sobre a cabeça, são “disfarces” ao alcance de todos os estratos sociais, que tornam a “cégada” uma manifestação democrática.

O início do período quaresmal, convidava a extroverter os desejos “pagãos”, a dar largas à folia bizarra e à estúrdia social, proibidas que estas práticas iriam ser durante o longo período de “penitência e jejum” impostos pelos cânones religiosos.

É toda essa genuinidade que trazemos à rua no próximo Sábado. Integrar o desfile pelas ruas da freguesia com os trajes a condizer, trazer o funil para berrar umas quadras de sátira social, enriquecer o baile de máscaras, “arrematar” um bolo, uma garrafa, convidar ou ser convidado na “moda da flor”, são tudo atractivos que contribuem para manter viva esta secular tradição e ajudar a causa social da ADSCVC.

A iniciativa culminará com a Queima do Entrudo, no Terreiro do Santo, depois do féretro percorrer as ruas da freguesia, entre apupos, piropos e aplausos. Depois de lida a sentença, sempre drástica e inclemente, o “Entrudo” perecerá na pira purificadora em que será incinerado. A Companhia de Teatro Viv’arte, é  parceira nesta iniciativa.

Previous Altice inicia em Seia a apresentação do projeto de infraestruturação de fibra ótica na Serra da Estrela
Next Associação de Vítimas confiante no “diálogo” com o governo para alteração de medidas discriminatórias

Artigos Relacionados

Região

Leiria: PJ deteve homem por tentativa de homicídio qualificado

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, identificou e deteve um homem, presumível autor de um crime de homicídio qualificado,…

Destaque

João Brito quer um “PSD maior” em Oliveira do Hospital

João Brito, tomou posse, no sábado, na liderança da Comissão Política de Secção do PSD de Oliveira do Hospital de olhos postos num “PSD maior”, …

Informação

Seia acolhe Ciclo de Conferências “Educação e Cinema”

A Casa Municipal da Cultura de Seia, com o apoio do Festival de Cinema Cine Eco, recebe no dia 20 de maio, das 15h às 18h, uma ação de formação

Última Hora

Fernando Correia “abre a alma” em autobiografia “O que eu sei de mim”

O conhecido jornalista Fernando Correia apresentou, em Oliveira do Hospital, o seu mais recente livro, no caso uma autobiografia em que “abre a alma” às pessoas.

Última Hora

Operação “DRUGS” da GNR: 24 detenções e 174 indivíduos identificados por tráfico de droga

A Guarda Nacional Republicana (GNR), entre os dias 28 e 30 de dezembro, na sua área de responsabilidade, desenvolveu uma operação policial de controlo e deteção de atividades criminosas relativas

Última Hora

Município de Oliveira do Hospital disponibiliza 250 mil árvores autóctones para incentivar o arranque de eucaliptos

O Município de Oliveira do Hospital vai disponibilizar 250 mil árvores, de espécies autóctones, para incentivar os proprietários florestais a arrancarem os eucaliptos que nasceram espontaneamente em consequência do incêndio