Jerónimo de Sousa defende “medidas urgentes para acudir às vítimas” do incêndio de 15 de outubro

Jerónimo de Sousa defende “medidas urgentes para acudir às vítimas” do incêndio de 15 de outubro

O Secretário Geral do PCP defendeu, ontem, em Oliveira do Hospital “medidas urgentes” destinadas a…

… “acudir as vítimas do incêndio de 15 de outubro. Jerónimo de Sousa considera que devem ser acionadas “medidas orçamentais excecionais”.

jeronimo3De visita à Carpintaria Brito & Brito, localizada na Zona Industrial de Oliveira do Hospital, e que foi totalmente devastada pelo incêndio, o secretário Geral do PCP atestou o “grau de destruição” que também comprovou na visita a uma unidade agro-pecuária em Arganil, também totalmente devastada pelo fogo. Uma “situação dramática, mas excecional” que para Jerónimo de Sousa exige “medidas orçamentais excecionais” para apoiar “quem perdeu bens, casas, empresas e produções agrícolas”. “Tratemos da vida agora”, defende o secretário geral do PCP, alertando para as consequências que decorrem da perda de empresas e do emprego, nomeadamente a desertificação e  “abandono do interior”.

Para o responsável pelo PCP, partido que integra a maioria governativa, “a mesma disponibilidade que houve para salvar a banca das manigâncias dos banqueiros” deve ser “aplicada para que não haja mais abandono nesta região” .

Jerónimo de Sousa lembra que há dinheiro para se resolver os problemas resultantes do incêndio. “O dinheiro está cá. A nossa economia teve um superavit de cinco mil milhões de Euros. Existe dinheiro, haja vontade política” defendeu, notando que “o que sobrou em solidariedade faltou em medidas orçamentais”.

De visita à terra queimada, o Secretário Geral do PCP encontrou um cenário que pouco ou nada mudou desde o dia 15 de outubro. Ao fim de três semanas, considera que “devemos passar da fase dos afetos e das emoções para as respostas”. “É nisso que estamos empenhados, procurando aumentar a nossa intervenção política”, assegurou.

jeronimo2A acompanhar a passagem de Jerónimo de Sousa pela carpintaria de Fernando Brito, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital pediu ajuda ao Secretário Geral do PCP para que o governo de que faz parte “aloque verbas do Orçamento de Estado” para um maior apoio aos agricultores, e que estima num montante de 50 milhões de Euros. “Temos que nos unir todos. E o governo tem que dar respostas e dar esperança a esta gente”, considerou José Carlos Alexandrino.

Previous FCOH ganha frente ao Condeixa. Lagares e ADN acabam em empate.
Next Incêndios: Arganil procede a levantamento de prejuízos nas habitações

Artigos Relacionados

Última Hora

Aveiro e Nazaré: Apreendidas 1,5 toneladas de crustáceos e pescado

A Unidade de Controlo Costeiro, através do Destacamento de Controlo Costeiro da Figueira da Foz, apreendeu, no passado dia 20 de novembro, nas localidades de Aveiro e Nazaré, 1 050

Informação

Jantar das Mulheres foi “um sucesso” e reverteu para a Liga Portuguesa Contra o Cancro

No último sábado, 12 de março, cumpriu-se em Oliveira do Hospital o já tradicional Jantar das Mulheres. Cerca de 265 mulheres participaram na 31ª edição, que reverteu a favor da

Informação

Provedora da Justiça recebeu 121 pedidos de indemnização de feridos graves

A provedora de Justiça recebeu até ontem 121 pedidos de indemnização de feridos graves dos incêndios do ano passado.

Informação

Viatura fica sem travões e atropela várias pessoas em funeral

Pelo menos 12 pessoas foram atropeladas esta terça-feira, no concelho de Miranda do Corvo, quando participavam num funeral. A condutora, irmã do falecido, também ficou ferida.

Última Hora

Fogo em Manteigas dado como dominado

O incêndio que deflagrou no domingo na freguesia de Sameiro, no concelho de Manteigas, distrito da Guarda, foi dado como dominado hoje de manhã, disse à agência Lusa fonte dos

Última Hora

Associação de apoio às vítimas acusa governo de qualificar empresários como “portugueses de terceira”

A Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) está contra as primeiras ajudas regulamentadas pelo Governo destinadas às empresas afetadas pelo incêndios de 15 e 16