Incêndios: Portugal “não pode voltar a cair na armadilha do combate”

Incêndios: Portugal “não pode voltar a cair na armadilha do combate”

image_pdfimage_print

O presidente da estrutura de missão para a instalação do Sistema de Gestão Integrado de Fogos Rurais considerou hoje que Portugal “não pode voltar a cair na armadilha do combate”, defendendo que o problema “só se resolve pela prevenção”.

Sabemos todos que a solução do combate não é solução. Temos de canalizar mais recursos para a prevenção, dotar a prevenção dos recursos necessários para aquilo que tem de ser feito, que é educar a população, garantir que há menos incêndios e que a vegetação é tratada”, disse Tiago Oliveira em entrevista à agência Lusa.

Tiago Oliveira foi nomeado há 14 meses pelo Governo com a missão de reestruturar todo o sistema de prevenção e combate aos incêndios, dando seguimento às recomendações das duas comissões técnicas independentes que analisaram os dois grandes de incêndios de 2017.

“Na armadilha do combate não podemos voltar a cair nela. Não vale a pena estar a meter mais dinheiro em cima do combate porque é uma solução marginalmente muito pouca crescente”, afirmou Tiago Oliveira, que tem estado a preparar a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF), a entrar em funcionamento a 02 janeiro de 2019.

Para o técnico, “a grande solução é reduzir a vegetação” e “tratar o perigo”, porque, justificou, “estes grandes eventos que em cima da mesa são eventos que nos ultrapassam, são complexos, que resultam das alterações climáticas, são muito incertos, têm a ver com fenómeno de extensão da época de incêndios, que envolvem outro tipo de preocupações e são eventos social e ambientalmente muito severos”.

Nesse sentido, sublinhou que existe um trabalho “gigante” a fazer no Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), uma vez que o território está “numa trajetória de abandono e de transição florestal”.

“É importante que todas as pessoas percebam que o risco de incêndio é crónico. Com as alterações climáticas as questões vão ser cada vez mais graves e vai ser cada vez maior a procura por um sistema mais capacitado e com uma integração maior de todos os atores”, disse.

“Há uma espinha dorsal que é reforçada anualmente com competências e capacidades para fazer face aos incêndios, mas a grande transformação que vai acontecer é uma grande participação do ICNF durante todo o inverno e no verão a dar apoio à estrutura de combate”, explicou.

Tiago Oliveira frisou que a Proteção Civil, uma instituição que está mais solidificada”, vai “caminhar mais no sentido de prevenir e proteger os cidadãos”.

Por sua vez, referiu, o ICNF vai envolver-se “mais no reforço das competências de prevenção, mas também dar apoio maior na supressão dos incêndios”.

Sobre o trabalho que foi feito nos últimos 14 meses, Tiago Oliveira referiu que “foi dado um primeiro passo” na prevenção e combate.

“Conseguiram-se resultados durante este verão e agora o palco segue para a Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais que vai ter que facilitar, coordenar institucionalmente todo este edifício complexo com múltiplos atores, com um guião de trabalho”, disse.

A AGIF, que vai ser responsável pelo planeamento, avaliação e coordenação das entidades envolvidas na prevenção e combate aos incêndios, vai funcionar em janeiro com 64 pessoas, 14 das quais com funções mais administrativas e 50 vocacionadas para dar apoio ao ICNF.

“A agência, que vai coordenador estrategicamente o sistema de gestão integrada dos fogos rurais, vai ter o seu braço armado na prevenção, através do ICNF, que também vai dar apoio ao combate e também vai ter a Proteção Civil do outro lado”, explicou, avançando que “85% da força de trabalho da AGIF vai estar deslocada no interior do país”.

A AGIF, que vai depender do primeiro-ministro, vai passar a ter 88 técnicos em 2020 e, em 2021, contará com 97.

Tiago Oliveira acrescentou que, em 2021, 78 destes técnicos vão ser transferidos para o ICNF e “vão dar uma robustez e uma juventude” a este instituto.

“O sistema não é de comando e controlo puro e duro. Não há uma única entidade que faça tudo. Há um conjunto de entidades públicas e privadas que aportam 200 milhões de euros para que o sistema funcione. Têm de entregar melhores resultados e o que tem faltado é a coordenação interministerial ao nível nacional, supramunicipal e municipal. Este edifício e este papel facilitador é o grande papel da Agência”, disse Tiago Oliveira, que ainda não sabe se vai ficar à frente da AGIF.

O futuro presidente ainda vai ser nomeado este mês através de concurso da CRESAP (Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública).

Fonte: Lusa

Previous Aveiro: PJ deteve homem suspeito de matar a mãe
Next Mulher detida quando tentava introduzir heroína no Estabelecimento Prisional de Coimbra

Artigos Relacionados

Região

Coimbra: Detida mulher suspeita de atear incêndios florestais

 A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Centro, com a colaboração do NPA da GNR de Coimbra, em cumprimento de mandado de detenção emitido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal

Última Hora

Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital palco de inúmeros debates

A Rádio Boa Nova está a acompanhar a Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital que está a decorrer esta esta tarde na Câmara Municipal. Um dos temas que inicialmente foi

Última Hora

GNR intensifica patrulhamento no Carnaval

A Guarda Nacional Republicana (GNR) inicia hoje, dia 9 de fevereiro e termina na próxima terça-feira, dia 13, uma intensificação do patrulhamento e a fiscalização rodoviária.

Última Hora

Rádio Boa Nova lança calendário promocional 2019

A Rádio Boa Nova, que no próximo dia 19 de março comemora 33 anos, lança esta semana o calendário promocional 2019. Esta é uma de várias iniciativas que a Rádio

Região

Rapariga de 18 anos morreu em despiste na Figueira da Foz

Uma rapariga de 18 anos de idade morreu na madrugada de domingo, na sequência do despiste da viatura ligeira em que seguia, na Serra da Boa Viagem, concelho da Figueira

Informação

Candidata do PSD derrotada em 2013 diz-se de “alma lavada”

Cristina Oliveira, a candidata pelo PSD à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, que em 2013 reduziu a apenas um vereador a presença do partido no executivo diz sentir-se de

Informação

Casal de radialistas homenageado em noite de Gala da Rádio Boa Nova

Zé Conde e Natália Novais, o conhecido casal de radialistas que, desde há quatro anos, asseguram as tardes da Rádio Boa Nova, em Oliveira do Hospital, foram distinguidos na Gala

Última Hora

Misericórdia de Galizes promove VI Gala Dr. António Vaz Patto

Este domingo, 25 de novembro, a Santa Casa da Misericórdia de Galizes realiza a VI Gala Dr. António Vaz Patto, numa tarde onde será, uma vez mais, apresentado o trabalho

Destaque

Alunos da ESTGOH comemoram Dia Internacional de África com intercâmbio cultural

A comunidade de estudantes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) que frequenta a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) comemora, nos dias 25

Educação

Fundação Luís Figo distribuiu presentes às crianças de Oliveira do Hospital

A Fundação Luís Figo concentrou a campanha de Natal que tem vindo a realizar todos os anos numa ação de distribuição de presentes a todas as crianças em idade pré-escolar…

Nacional

Dez concelhos do continente estão hoje com risco máximo de incêndio

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou hoje em risco máximo de incêndio os concelhos de Monchique (Faro), Mação e Sardoal (Santarém), Vila de Rei, …

Última Hora

Bispo de Coimbra ordenou três sacerdotes e um diácono

O bispo de Coimbra, Virgílio Antunes, presidiu, no domingo , à ordenação de três sacerdotes e um diácono, momento que disse ser um “novo alento” para a diocese, …