Incêndios de outubro: Mais de metade das causas foram intencionais ou negligentes

Incêndios de outubro: Mais de metade das causas foram intencionais ou negligentes

image_pdfimage_print

Segundo o relatório da Comissão Técnica Independente entregue ontem no parlamento, “em termos de grandes grupos de causas (…) 40% tiveram origem em reacendimentos, 40% em causas intencionais e 20% em negligentes”.

Os elementos da comissão técnica admitem que as causas intencionais “são as que apresentam maior dificuldade na compreensão e na antecipação, por não ser conhecido o seu móbil, exceto posteriormente, se capturado e obtida confissão dos autores”.

Quanto às causas negligentes, “são já bastante mais previsíveis e podem permitir a atuação por antecipação”, refere o relatório.

“A renovação da pastagem é uma causa frequente no nosso país”, indica o documento, acrescentando que ela pode ser “antecipada através do uso do fogo em momentos adequados e previstos na regulamentação”.

Nas causas negligentes os técnicos incluem a ignição com origem nas linhas elétricas, afirmando que, neste caso particular, em que terá sido provocada por queda de uma árvore sobre uma linha de média tensão, “pode resultar do não cumprimento do regulamento de segurança das linhas elétricas pela entidade gestora, a EDP”.

“Trata-se, neste caso, de situações devidamente regulamentadas e cujo cumprimento pode só por si evitar situações deste tipo e todas as suas consequências”, acrescenta o relatório.

Os reacendimentos são outra das causas “bastante importantes” nestas ocorrências, referem os técnicos, sublinhando que são situações em que “o desempenho no combate tem que ser nitidamente melhorado, nomeadamente através da implementação de ações de rescaldo e de vigilância adequadas”.

“A utilização adequada de máquinas de rasto para a consolidação de rescaldos, por operadores devidamente formados e acompanhados, com verificação dos perímetros com maior risco de deflagração e expansão, nomeadamente através da utilização de câmaras de infravermelhos, e a vigilância armada nesses locais, deverão ser medidas a implementar em todas as situações com potencial de deflagração de grandes incêndios”, acrescenta.

O relatório da Comissão Técnica Independente relativo aos fogos de outubro envolveu oito distritos das regiões Centro e Norte.

O documento conclui que falhou a capacidade de “previsão e programação” para “minimizar a extensão” do fogo na região Centro, perante as previsões meteorológicas de temperaturas elevadas e vento.

O relatório acrescenta que a Autoridade Nacional de Proteção Civil pediu um reforço de meios para combater estes incêndios devido às condições meteorológicas mas não obteve “plena autorização a nível superior” e a atuação do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) foi “limitada” por falhas na rede de comunicações.

Os peritos consideram que tem de haver das autoridades “flexibilidade para ter meios de previsão e combate em qualquer época do ano” e defendem a criação de uma unidade de missão para reorganizar os bombeiros.

Fonte: Lusa

Previous Rádio Boa Nova comemorou 32 anos de “resiliência e adaptação” (Com vídeo)
Next Relatório aponta falhas e "dramático abandono" das populações

Artigos Relacionados

Opinião

Ca$h Resto Z€ro: “João Paulo Albuquerque não pode, não deve faltar ao debate”

No habitual espaço de opinião “Ca$h Resto Z€ro”, Vítor Neves centra-se esta sexta-feira nas eleições autárquicas e, em particular, na anunciada ausência…

Última Hora

Sinistralidade: 71 acidentes e 458 infrações no distrito de Coimbra

A semana de 14 a 20 de agosto fica marcada, no distrito de Coimbra, pela ocorrência de 71 acidentes que resultaram em 28 feridos leves e um morto.

Informação

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas proíbe a caça em áreas ardidas

Na sequência dos últimos incêndios, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) decretou a proibição de caça em áreas ardidas.

Sociedade

Estirpe da gripe é “particularmente perigosa”. DGS apela à vacinação

A diretora geral da Saúde disse hoje que a estirpe da gripe deste ano é particularmente perigosa e apelou à vacinação.

Sociedade

Oliveira do Hospital: Oito projetos a concurso para Memorial de homenagem às vítimas do incêndio

São oito os projetos candidatos ao concurso para a criação do Memorial de homenagem às vítimas do grande incêndio de outubro, em Oliveira do Hospital.

Última Hora

CIM Região de Coimbra reivindica revitalização turística dos territórios afetados pelos incêndios

A CIM Região de Coimbra, em articulação com a tutela do Turismo, vai tomar medidas para a revitalização…

Última Hora

Campanha da FPF já reconstrói as sete primeiras casas, uma delas em Oliveira do Hospital

O dinheiro recolhido pela Federação Portuguesa de Futebol na campanha “Tudo por Portugal” está já a ser aplicado na reconstrução de sete casas de primeira habitação nas zonas mais afetadas

Informação

CCPOH em 3º lugar no campeonato distrital de sub-21 da ATM Coimbra

Oito anos passados sobre a última participação nos campeonatos distritais dos escalões jovens da Associação de Ténis de Mesa de Coimbra (ATMC), o Clube de Caça e Pesca de Oliveira

Região

“Memórias do fogo” de Tiago Cerveira e Rodrigo Oliveira – 1º episódio

O projeto é da autoria de Tiago Cerveira e Rodrigo Oliveira, oriundos de Oliveira do Hospital e Arganil, respetivamente, que decidiram avançar com a ‘websérie’ documental, feita sem quaisquer apoios,

Última Hora

Jovem suspeito de tráfico ficou com termo de identidade e residência

A GNR de Castelo Branco, através do Núcleo de Investigação Criminal do Fundão, deteve no dia 7 de fevereiro, um homem de 18 anos, por tráfico de estupefacientes, em Paúl

Última Hora

Alexandrino diz que ausência de candidato do PSD no debate “envergonha a democracia”

O candidato do PS à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital acredita que, depois do debate, os oliveirenses “ficaram esclarecidos…

Região

Incêndio em casa de idosas cegas mata uma de três irmãs

Uma idosa de 63 anos morreu, na noite desta quarta-feira, vítima de um incêndio que deflagrou na habitação em que residia, em Covas do Rio, São Pedro do Sul. A