Incêndios 2017: 96,5 % das casas destruídas estão reconstruídas

Incêndios 2017: 96,5 % das casas destruídas estão reconstruídas

image_pdfimage_print

Mais de 95% das casas destruídas na região Centro pelos incêndios de outubro 2017 estão concluídas e entregues às famílias, de acordo com a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC).

Recorde-se que 50 pessoas morreram e cerca de 70 ficaram feridas na sequência dos incêndios de 15 e 16 outubro de 2017 na região Centro, que consumiram 290 mil hectares de floresta e destruíram total ou parcialmente à volta de 1.500 casas e cerca de 500 empresas em 38 municípios.

“Dois anos depois, no programa de reconstrução das habitações [permanentes] temos incluídas 822 casas e dessas estão concluídas 792, cerca de 96,5%”, disse a presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa.

Segundo a responsável, 30 casas estão ainda em reconstrução, uma da responsabilidade da CCDRC e 29 da responsabilidade das famílias, que foram incluídas no programa de apoio apenas em 2019.

Algumas destas três dezenas de habitações deverão ficar concluídas em 2020.

“Isto significa que conseguimos para várias famílias resolver os problemas iniciais, porque muitas destas casas tínhamos dito inicialmente que não reuniam condições, só mais tarde é que reuniram”, vincou Ana Abrunhosa.

“Um ano depois ter 96,5% das casas construídas e entregues deixa-me muito satisfeita. Foi um trabalho de loucos, que virou obsessão e nos tomava os pensamentos de todos os minutos do dia. Um trabalho duríssimo porque estávamos a falar da vida das pessoas e não teria sido possível sem a extraordinária equipa da CCDRC, das equipas e dos presidentes de Câmara”, sublinhou.

O programa de apoio envolveu 58 milhões de euros para a reconstrução das 822 habitações, que tiveram um limite de 650 euros por metro quadrado, incluindo as demolições, os projetos de arquitetura, construção, fiscalização e apetrechamento.

Na parte empresarial, que somou 268 milhões de prejuízos, foi criado o programa Repor para reposição da capacidade produtiva, que, até ao momento, apoiou 372 empresas, que vão realizar um investimento de 131 milhões de euros [com 100 milhões financiados pelo Estado] e reter/criar 4.221 postos de trabalho, adiantou Ana Abrunhosa.

“Há uma ou outra empresa que não está a funcionar em pleno, mas a maioria já estão a funcionar. A maioria das empresas, mesmo aquelas que ficaram totalmente destruídas, não deixaram de laborar, fosse com o apoio de concorrentes ou com a compra de máquinas usadas”, sublinhou.

Para Ana Abrunhosa, “nada paga o que sofreram os empresários, que aproveitaram esta oportunidade para modernizar as suas empresas e, muitos deles, além de manterem os postos de trabalho que tinham, criaram novos postos de trabalho”.

“Estamos a falar de mulheres e homens extraordinários, que na desgraça, no pior momento da sua vida, não desistiram, investiram e até ambicionaram fazer mais e melhor do que faziam antes dos incêndios”, rematou.

Fonte: Lusa

Previous Chuva coloca seis distritos sob aviso amarelo. É esperada trovoada e granizo
Next FAAD promove ação de sensibilização “Repensar…o que comemos”

Artigos Relacionados

Última Hora

Lesados pelos incêndios exigem recuperação das habitações

Vários lesados pelos incêndios de outubro do ano passado exigiram hoje, em Coimbra, a resolução dos seus problemas de habitação e outros decorrentes da tragédia.

Sociedade

Associação de Pais dinamizou recolha solidária a favor do Banco de Recursos Sociais  

  No âmbito da sua participação no concurso “3R_Natal_Ambiental” promovido pela Câmara Municipal, a APAS – Associação de Pais e Encarregados de Educação …

Última Hora

Incêndios: Alexandrino critica “governantes que vieram cá e que não perceberam o que se passou”

José Carlos Alexandrino criticou, esta quinta-feira, a demora dos processos na ajuda dos lesados do incêndio 15 de outubro que devastou o concelho de Oliveira do Hospital.

Destaque

CDU responsabiliza PS por resultados insatisfatórios e de fabricar “votos a martelo”

A CDU reduziu a votação conseguida quer para a Câmara Municipal com Luís Almeida (263 votos) quer para a Assembleia Municipal (426 votos)…

Destaque

Familiares de 15 das 30 vítimas mortais representadas por associação ainda não pediram indemnização

O presidente da Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal, Luís Lagos, disse que até agora, apenas os familiares de 15 das 30 vítimas mortais representadas pela

Informação

“Histórias que DÃO para Ver” chega ao Município de Nelas

A Câmara Municipal de Nelas recebe, em casa, a peça de Teatro “Histórias que DÃO par ver”, no Palco do Mercado Municipal, já no próximo dia 9 de novembro, a

Última Hora

Feira Moçárabe de Lourosa: “Celebramos aqui, aquilo que é uma lição para Portugal e para todo o mundo quando hoje assistimos ao choque de civilizações”

No passado fim-de-semana, a Lourosa foi palco da 7ª edição da Feira Moçárabe que pretendeu recriar as vivências do passado, apostando na “diversidade cultural” e, este ano, com mais “requinte

Programas

Rádio Boa Nova participou no programa “Portugal em Direto” da Antena 1 (Com vídeo)

Hoje, no dia em que se assinala o Dia Mundial da Rádio, a Rádio Boa Nova participou, em direto, no programa  “Portugal em Direto” da Antena 1.

Informação

Cerca de trinta concelhos de cinco distritos em risco máximo de incêndio

Quase trinta concelhos de cinco distritos de Portugal continental apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Última Hora

Fogo de Monchique com 95% do perímetro dominado

O fogo rural que deflagra em Monchique desde sexta-feira já consumiu entre 15 000 e 20 000 hectares, mas já foi considerado dominado em 95% do seu perímetro.

Última Hora

Região: Idosa morre em despiste de trator

Uma mulher de 89 anos morreu ao início da manhã de hoje na sequência do despiste de um trator agrícola em S. João da Pesqueira, disse à agência Lusa fonte do

Informação

Novo Centro Escolar em Oliveira do Hospital: “Estamos a dar um passo decisivo para uma visão estratégica de desenvolvimento”

A construção de um Centro Escolar na cidade de Oliveira do Hospital continua nos planos do atual executivo camarário.