Foram entregues 13 casas recuperadas em Oliveira do Hospital (com vídeo)
9 Abril, 2019 2682 Views

Foram entregues 13 casas recuperadas em Oliveira do Hospital (com vídeo)

image_pdfimage_print

O Município de Oliveira do Hospital e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) formalizaram, hoje, a entrega de 13 casas recuperadas, …

… que foram destruídas no grande incêndio de 15 de outubro. Ao abrigo do Programa de Apoio à Reconstrução de Habitação Permanente, no concelho,  estão concluídas 96 habitações de um total de 127, encontrando-se 31 em fase de execução.

O momento esta manhã era de felicidade, tal como confirmou o presidente do Município de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, notando estar tão feliz como as pessoas que viram as suas casas recuperadas. “Ainda há muito por fazer, mas muito está feito”, afirmou o autarca que enalteceu o trabalho e apoio da presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa e da sua equipa, bem como da equipa da Câmara Municipal. Para o autarca ”hoje é um dia de alegria”, na certeza também de que “a maioria das pessoas está melhor alojada do que estava antes”. Criticou os que dizem que também gostariam que lhes tivesse ardido a casa para terem uma casa melhor. “É algo que me choca. Quando uma pessoa diz isto é porque não sabe o que é o sofrimento e perder a memória da nossa vida”, exclamou.

Neste momento há ainda 31 casas em execução e José Carlos Alexandrino só será “um homem mais feliz” no último dia em que entregar as casas todas. Reprovou os que se têm aproveitado da situação de algumas pessoas para “números mediáticos” e desafiou-os a “candidatarem-se aos cargos quando há disputa de eleições”.

“Chega de fazerem aproveitamento à custa da dor das pessoas”

Na entrega formal de 13 habitações recuperadas, Ana Abrunhosa, presidente da CCDRC informou que, até à próxima semana, serão entregues  mais sete habitações. “Neste último período falamos de 30 habitações entregues”, afirmou a responsável, assegurando que  ao proprietário de cada casa é entregue um “dossiê” com as características das habitações. “As casas têm fiscalização e garantia”, afirmou Ana Abrunhosa, assegurando que após a entrega das chaves, continua a ser dada resposta a situações que não tenham ficado totalmente resolvidas. “Não entregamos e lavamos as mãos. Não” referiu. Ao conjunto das 13 famílias desejou que “sejam muito felizes e tenham saúde para as (casas) viver e usufruir”.


Ana Abrunhosa, referiu que o Programa de Apoio à Reconstrução de Habitação Permanente está acompanhar a reconstrução de 805 habitações afetadas pelo grande incêndio na região. “As que estão mais atrasadas são aquelas em que os familiares assumiram o processo”, explicou. No concelho de Oliveira do Hospital há cinco casos. Cerca de um ano e meio depois da catástrofe, a responsável lembrou que “nunca isto aconteceu no país, nem nunca aconteceu a possibilidade de vos serem retribuídas as habitações”. Garantiu que este é um processo “transparente”.

De olhos postos nas 13 famílias que foram vítimas do incêndio, Ana Abrunhosa disse que “chega de fazerem aproveitamento à custa da dor das pessoas”. “Isso é desumano”, referiu a responsável reagindo claramente às reportagens em que foi usada a fragilidade das pessoas para apontar o dedo ao trabalho da CCDRC e autarquias no apoio às populações. “Desejo do fundo do coração, que tenham saúde e muita felicidade e que resistam à inveja pequenina e fiquemos felizes porque o nosso vizinho está feliz e porque resolveu esta situação”.

No conjunto das famílias a quem hoje foi formalizada a entrega das habitações sobressaiu uma bebé, nascida após o trágico incêndio, filha de um casal estrangeiro que à data do incêndio já tinha uma menina. Mas também há a registar o falecimento de um homem que não resistiu à dor de ver destruída toda uma vida de trabalho, cabendo hoje à esposa, Altina dos Santos, de 80 anos e à filha Anabela assinar o contrato referente à entrega da habitação recuperada na Quinta das Tapadas. À Rádio Boa Nova, a filha Anabela mostrou-se grata pelo apoio que lhes foi prestado. “Temos que nos confortar com aquilo que nos deram que foi bastante”, afirmou.

Maria José Garcia, com casa recuperada na Chamusca da Beira, não conseguia conter a alegria de hoje poder passar a terceira noite na casa nova que “está muito boa”. Depois de uma vida em Lisboa, onde perdeu o filho com 36 anos, tinha decidido regressar a Oliveira do Hospital, trazendo tudo, todas as recordações. O incêndio levou-lhes tudo. Agora, “só peço a Deus que nos dê mais uns aninhos para podermos realmente usufruir com a minha família, porque foi muito mau”, partilhou com a Rádio Boa Nova.

Previous Município de Seia quer reduzir 50 toneladas de resíduos indiferenciados num ano
Next Queda causou morte a um homem de 70 anos em Tábua

Artigos Relacionados

Informação

Maratona da Europa e Rally de Portugal apresentados amanhã no stand Centro de Portugal na BTL

É já amanhã que começa mais uma edição da BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa, que decorrerá na FIL até ao próximo domingo. O stand Centro de Portugal, localizado

Informação

Alta Frequência e Função Públika animam oliveirenses na despedida de 2018

Os grupos Alta Frequência e Função Públika prometem animar os oliveirenses na noite de despedida de 2018, num programa organizado pelo Município de Oliveira do Hospital.

Região

Outono traz temperaturas altas e risco de incêndio

Mais de 60 concelhos do interior Norte e Centro e do Algarve estão, esta segunda-feira, em risco máximo de incêndio, segundo o IPMA, …

Última Hora

Limpeza de terrenos tem de estar concluída até 15 de março

Todos os proprietários de terrenos localizados em espaços rurais têm até 15 de março para limpar o mato e podar árvores junto a casas isoladas, aldeias e estradas,… 

Última Hora

ADIBER com novos apoios para as explorações agrícolas

Dando sequência ao processo de implementação da Estratégia de Desenvolvimento Local para a região da Beira Serra – Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua -, …

Última Hora

Queda de varanda mata homem em Lamego

Um homem, com 38 anos, morreu na tarde de ontem, em Lamego, ao ser atingido por uma varanda que se encontrava a aumentar.

Última Hora

Município oliveirense remove árvores queimadas que não foram cortadas pelos proprietários

O Município de Oliveira do Hospital vai proceder à remoção de árvores  que não foram cortadas pelos proprietários.

Nacional

Concelhos de Bragança, Guarda e Castelo Branco em risco máximo de incêndio e mais de 40 concelhos em risco muito elevado

Os concelhos de Penamacor, no distrito de Castelo Branco, Sabugal, na Guarda, e Bragança apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera

Destaque

Paulo Rogério com novo rótulo nos queijos “Renascer das Cinzas”

Confiante nos tempos que se avizinham após o trágico incêndio de 15 de outubro, Paulo Rogério, um dos maiores criadores de queijo da Serra da Estrela do concelho, criou o

Última Hora

Cinco distritos sob aviso laranja devido à chuva, trovoada e granizo

Os distritos de Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda e Castelo Branco estão hoje sob aviso laranja devido à previsão de aguaceiros, granizo e trovoadas, segundo o Instituto Português do Mar

Programas

“A Escola e o Meio” na Rádio Boa Nova

Este sábado, dia 4 de março, entre as 19h00 e as 20h00, é emitido o 21.º programa “A Escola e o Meio”, uma produção do Clube de Rádio do AEOH.

Informação

José Carlos Alexandrino não se “conforma” com a desigualdade nos apoios para agricultores lesados dos incêndios

Passados quase sete meses do grande incêndio de 15 de outubro que assolou o concelho de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, presidente do Município, continua a reivindicar por melhores