“Deixámos a porta porque queremos que seja uma lembrança do passado e que nos abra uma porta para o futuro” (com vídeo)

“Deixámos a porta porque queremos que seja uma lembrança do passado e que nos abra uma porta para o futuro” (com vídeo)

Naquilo que resta da empresa J Guerra, na Zona Industrial de Oliveira do Hospital, salta à vista a escadaria em granito e a porta de entrada que escapou ao grande incêndio de 15 de outubro.

Pela mesma porta esperam entrar os irmãos Paulo e Cláudio Guerra e o fundador da empresa, o pai, Joaquim Guerra, após a reconstrução da empresa. Já lhe chamam, por isso, a “porta do passado e do futuro”.

Após a catástrofe de 15 de outubro do ano passado, que provocou a destruição total da J. Guerra, Cláudio e Paulo Guerra, continuam firmes e garantem que nunca pensaram em desistir daquela que era, até ao trágico dia, empresa líder do mercado.

Passado um ano, ainda são bem visíveis as marcas da tragédia. Para Paulo “tem sido uma guerra”. “Desde a primeira hora que não quisemos deitar a toalha ao chão”, afirmou.

À Rádio Boa Nova, os irmãos adiantaram que a prioridade foi, desde logo, retomar a laboração da empresa, “para não perder clientes e funcionários” e foi por isso que se instalaram num espaço também na Zona Industrial de Oliveira do Hospital. “No início de janeiro começámos a produzir os primeiros metros de fitas, franjas e cordões. Mas para quem produzia quilómetros, é uma desilusão”, disse Cláudio.

Esforço e a determinação não poderão faltar aos empresários que preveem uma longa caminhada. “Vamos continuar. Não é só agora passado um ano ou dois. Vai ser a nossa guerra futura. Como o nosso nome indica, é o que nos espera para o resto da nossa vida.”

Agora que já foi desmantelada toda a estrutura da empresa que assinala este ano 50 anos, resta aguardar pela avaliação do projeto por parte da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), que foi submetido “há cerca de um mês”. “Assim que haja luz verde vamos, de imediato, iniciar a construção”, referiu Paulo, tendo consciência de que “todo este processo leva o seu tempo”, salientando que “tem corrido de uma forma célere no que toca à CCDRC”.

Quanto à futura estrutura, que tem “o valor de investimento que ronda os seis milhões de euros”, Cláudio Guerra conta que será “semelhante” à destruída pelo incêndio, uma vez que será impossível, para já, ser igual. “Igual vai demorar algumas décadas. Por um lado, há máquinas que não conseguimos encontrar no mercado. Por outro, eram máquinas feitas por nós e, nesta altura, os nossos recursos estão apostados para começar a produzir os nossos produtos”, reforçou.

Com um prejuízo de 15 milhões de euros, Cláudio afirma que vão estar “sempre em perda”. “Nunca será possível recuperar o que perdemos. Jamais na nossa existência. Se calhar a existência futura”.

Diante dos escombros avista-se a porta de entrada da empresa destruída. Para os empresários, a decisão de deixar aquela parte tem uma grande carga simbólica. “Deixámos ficar a porta de entrada porque foi a que sofreu menos e, no fundo, queremos que seja uma lembrança daquilo que foi o passado da empresa e que nos abra uma porta para o futuro”, adiantou Paulo.

No que respeita ao fatídico dia 15 de outubro, Cláudio confessa que é um dia que ficará para sempre na memória. “É um dia que não vou esquecer passado um ano, mas vou recordar todos os dias porque o que se perdeu aqui não foi só a empresa J. Guerra. Foram muitas horas, muitos dias, muitos anos da nossa vida e muitas coisas que ficaram ali dentro”.

Desistir nunca foi um plano para os irmãos. Ao dia seguinte da tragédia, “estavam já à procura de soluções”. O objetivo passa agora por “atingir 80% de produção num espaço reduzido para voltar ao mercado com toda a diversidade que a empresa tinha e que os clientes reconhecem”, garantiu Paulo à Rádio Boa Nova.

No meio de tamanha tragédia, é tempo de olhar para o futuro. Os responsáveis pela unidade de sirgaria e passamanaria, que produz “artigos desde o nascer até ao morrer”, retomam, aos poucos, à normalidade e prova disso são as encomendas que não tardam em chegar. Com produtos presentes em muitos países, “curiosamente a primeira encomenda após o incêndio foi para exportação”.

Beatriz Cruz (jornalista estagiária)

image_pdfimage_print
Previous Calendário desportivo de fim-de-semana
Next Segurança Social apoiou 292 famílias afetadas pelos fogos de 2017

Artigos Relacionados

Região

Coimbra: Fogo destruiu casa e desalojou uma pessoa

Uma habitação foi destruída, esta madrugada, por um incêndio e uma pessoa ficou desalojada, na povoação de Rios Frios, freguesia de Antuzede e Vil de Matos, no concelho de Coimbra.

Informação

Gonçalo Borges vence São Silvestre da Figueira da Foz

O atleta oliveirense Gonçalo Borges continua a somar títulos atrás de títulos nas provas que ultimamente tem participado. Agora foi na Figueira da Foz na habitual e muito participada, corrida

Informação

Surto de sarna no Hospital de Viseu

Um surto de sarna no Hospital de São Teotónio, em Viseu, levou a que 24 doentes e 15 profissionais fossem colocados em isolamento.

Região

Município de Penacova aprova Relatório de Gestão e Prestação de Contas

 A Assembleia Municipal de Penacova aprovou o Relatório de Gestão e Prestação de Contas do Município de Penacova do ano económico de 2017, que espelha os grandes eixos de investimento

Programas

“A Escola e o Meio” na Rádio Boa Nova

Este sábado, dia 21 de maio, entre as 19h00 e as 20h00, é emitido o 33.º programa “A Escola e o Meio”, uma produção do Clube de Rádio do AEOH.

Programas

Hora da Criança estreou hoje na Rádio Boa Nova

A Rádio Boa Nova estreou, esta tarde, um novo programa dedicado às crianças. Trata-se do espaço “Hora da Criança” conduzido por Zé Conde, numa parceria com a Obra D. Josefina

Região

Detido autor do incêndio florestal da Guarda

Foi detido o autor do incêndio florestal do passado dia 6 deste mês, em Bogalhal/Valbom, no concelho de Pinhel.

Última Hora

Sérgio Pina venceu o 16º Torneio Aberto de Ténis de Mesa

O pavilhão multiusos do mercado municipal de Oliveira do Hospital recebeu, este sábado, o XIV Torneio Aberto de Ténis de Mesa de Oliveira do Hospital.  Sérgio Pina,…

Sociedade

Call Center arranca com primeiros formandos e promete “não baixar os braços” em Oliveira do Hospital

A Randstad e o Município de Oliveira do Hospital assinaram, hoje, o protocolo de instalação da unidade Call Center da Altice que, dentro de duas semanas, deverá iniciar “produção” com

Informação

DESPORTO – Resultadodos de fim de semana

Nesta jornada 5 do Campeonato de Portugal Prio, o FCOH deslocou-se aos Açores para defrontar o Sp. Ideal e foi goleado por 4-0. Já o Nogueirense em casa bateu a

Informação

Oliveira do Hospital prestou homenagem às vítimas

O Município de Oliveira do Hospital prestou homenagem às vítimas mortais dos incêndios do dia 15 de Outubro… 

Informação

ASAE apreende cinco mil litros de leite por falta de rastreabilidade

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de cinco mil litros de leite de cabra congelado, num valor total que ronda os 3 200 euros, numa unidade

Região

Região: Queijo Serra da Estrela vai ter centro de investigação em Seia

O presidente da Câmara Municipal de Seia, Carlos Filipe Camelo, anunciou que a autarquia vai recorrer a fundos europeus para criar, no concelho,…

Informação

Aguaceiros e trovoada nos próximos dias

A instabilidade atmosférica, com condições favoráveis à ocorrência de aguaceiros e trovoada, em especial nas regiões do interior, regressa ao continente a partir de quinta-feira.

Nacional

“Ontem foi o dia com maior número de incêndios” em Portugal este ano

A adjunta de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, fez esta manhã o rescaldo das operações que estão em curso…

Última Hora

FCOH ganha frente ao Condeixa. Lagares e ADN acabam em empate.

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) trouxe, este domingo, para casa uma vitória por uma bola frente ao Condeixa Futebol Clube.

Informação

“Qualidade de Ouro” para praia fluvial de Alvôco de Várzeas

A praia fluvial de Alvôco de Várzeas integra o grupo de 390 praias portuguesas com a classificação “Qualidade de Ouro” atribuída pela associação ambientalista Quercus.

Sociedade

Em Oliveira do Hospital voltou a ser difícil ter consulta com o médico de família

O serviço de Atendimento Permanente do Centro de Saúde de Oliveira do Hospital está, desde fevereiro, a ser assegurado pelos médicos de família, que desta forma se veem impossibilitados das

Informação

Pena suspensa para ex-bombeiro de Condeixa-a-Nova acusado de atear fogos

O Tribunal de Coimbra condenou ontem um ex-bombeiro de Condeixa-a-Nova acusado de atear vários fogos entre março e maio de 2015 a quatro anos de prisão com pena suspensa na

Última Hora

GNR vai estar na estrada com a “Operação Carnaval”

É já a partir de amanhã, dia 24 de fevereiro, que a GNR irá iniciar a ‘Operação Carnaval’, intensificando assim nas estradas os patrulhamento …

Região

Oito detenções e 54 acidentes na última semana no distrito de Coimbra

O Comando Territorial da GNR de Coimbra realizou, na semana de 27 de dezembro a 2 de janeiro, um conjunto de operações visaram a prevenção e combate…

Última Hora

Câmara Municipal e Randstad assinam protocolo para arranque do novo “Call Center” da Altice em Oliveira do Hospital

A Câmara Municipal e a empresa Randstad vão assinar no Dia do Município, 7 de outubro, o protocolo para a instalação do novo centro de apoio telefónico da Altice …

Informação

Viseu: Detido homem por tentativa de homicídio

A GNR deteve, na passada segunda-feira, um homem de 26 anos por tentativa de homicídio, no concelho de Viseu.

Destaque

Luís Antero e Tiago Cerveira voltam ao CineEco com “O rio-parte3”

A curta documental “O rio – parte 3”, da dupla de Oliveira do Hospital Luís Antero e Tiago Cerveira, marca presença no XXII CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental,