“Deixámos a porta porque queremos que seja uma lembrança do passado e que nos abra uma porta para o futuro” (com vídeo)

“Deixámos a porta porque queremos que seja uma lembrança do passado e que nos abra uma porta para o futuro” (com vídeo)

Naquilo que resta da empresa J Guerra, na Zona Industrial de Oliveira do Hospital, salta à vista a escadaria em granito e a porta de entrada que escapou ao grande incêndio de 15 de outubro.

Pela mesma porta esperam entrar os irmãos Paulo e Cláudio Guerra e o fundador da empresa, o pai, Joaquim Guerra, após a reconstrução da empresa. Já lhe chamam, por isso, a “porta do passado e do futuro”.

Após a catástrofe de 15 de outubro do ano passado, que provocou a destruição total da J. Guerra, Cláudio e Paulo Guerra, continuam firmes e garantem que nunca pensaram em desistir daquela que era, até ao trágico dia, empresa líder do mercado.

Passado um ano, ainda são bem visíveis as marcas da tragédia. Para Paulo “tem sido uma guerra”. “Desde a primeira hora que não quisemos deitar a toalha ao chão”, afirmou.

À Rádio Boa Nova, os irmãos adiantaram que a prioridade foi, desde logo, retomar a laboração da empresa, “para não perder clientes e funcionários” e foi por isso que se instalaram num espaço também na Zona Industrial de Oliveira do Hospital. “No início de janeiro começámos a produzir os primeiros metros de fitas, franjas e cordões. Mas para quem produzia quilómetros, é uma desilusão”, disse Cláudio.

Esforço e a determinação não poderão faltar aos empresários que preveem uma longa caminhada. “Vamos continuar. Não é só agora passado um ano ou dois. Vai ser a nossa guerra futura. Como o nosso nome indica, é o que nos espera para o resto da nossa vida.”

Agora que já foi desmantelada toda a estrutura da empresa que assinala este ano 50 anos, resta aguardar pela avaliação do projeto por parte da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), que foi submetido “há cerca de um mês”. “Assim que haja luz verde vamos, de imediato, iniciar a construção”, referiu Paulo, tendo consciência de que “todo este processo leva o seu tempo”, salientando que “tem corrido de uma forma célere no que toca à CCDRC”.

Quanto à futura estrutura, que tem “o valor de investimento que ronda os seis milhões de euros”, Cláudio Guerra conta que será “semelhante” à destruída pelo incêndio, uma vez que será impossível, para já, ser igual. “Igual vai demorar algumas décadas. Por um lado, há máquinas que não conseguimos encontrar no mercado. Por outro, eram máquinas feitas por nós e, nesta altura, os nossos recursos estão apostados para começar a produzir os nossos produtos”, reforçou.

Com um prejuízo de 15 milhões de euros, Cláudio afirma que vão estar “sempre em perda”. “Nunca será possível recuperar o que perdemos. Jamais na nossa existência. Se calhar a existência futura”.

Diante dos escombros avista-se a porta de entrada da empresa destruída. Para os empresários, a decisão de deixar aquela parte tem uma grande carga simbólica. “Deixámos ficar a porta de entrada porque foi a que sofreu menos e, no fundo, queremos que seja uma lembrança daquilo que foi o passado da empresa e que nos abra uma porta para o futuro”, adiantou Paulo.

No que respeita ao fatídico dia 15 de outubro, Cláudio confessa que é um dia que ficará para sempre na memória. “É um dia que não vou esquecer passado um ano, mas vou recordar todos os dias porque o que se perdeu aqui não foi só a empresa J. Guerra. Foram muitas horas, muitos dias, muitos anos da nossa vida e muitas coisas que ficaram ali dentro”.

Desistir nunca foi um plano para os irmãos. Ao dia seguinte da tragédia, “estavam já à procura de soluções”. O objetivo passa agora por “atingir 80% de produção num espaço reduzido para voltar ao mercado com toda a diversidade que a empresa tinha e que os clientes reconhecem”, garantiu Paulo à Rádio Boa Nova.

No meio de tamanha tragédia, é tempo de olhar para o futuro. Os responsáveis pela unidade de sirgaria e passamanaria, que produz “artigos desde o nascer até ao morrer”, retomam, aos poucos, à normalidade e prova disso são as encomendas que não tardam em chegar. Com produtos presentes em muitos países, “curiosamente a primeira encomenda após o incêndio foi para exportação”.

Beatriz Cruz (jornalista estagiária)

image_pdfimage_print
Previous Calendário desportivo de fim-de-semana
Next Segurança Social apoiou 292 famílias afetadas pelos fogos de 2017

Artigos Relacionados

Informação

Menina de 13 anos morreu em Viseu ao cair de claraboia de garagem

Uma menina de 13 anos, morreu, ontem, depois de ter caído de uma claraboia, com uma altura de cinco metros e um metro de diâmetro, no Bairro de Santa Eugénia,

Cultura

Exposição coletiva “Coroas de Natal” em Oliveira do Hospital

O Município de Oliveira do Hospital, através do Pelouro da Cultura, está a promover a realização de uma exposição temática coletiva dedicada ao tema ‘Coroas de Natal’.

Informação

Lagares da Beira volta a ter médico de família ao fim de dois anos à espera

A extensão de Saúde de Lagares da Beira, no concelho de Oliveira do Hospital, conta a partir de hoje, 2 de maio, com a presença e cuidados de médico de

Última Hora

Fogos de outubro: Relatório de comissão será entregue a 20 de março

A comissão técnica independente para analisar os incêndios de outubro de 2017 vai entregar o seu relatório ao parlamento em 20 de março, foi hoje anunciado.

Última Hora

Penacova: casas ardidas isentas de IMI durante três anos

As habitações de Penacova consumidas pelas chamas nos incêndios de outubro vão estar isentas do IMI durante três anos.

Informação

Lucinda Maria entrou na “máquina do tempo” e apresentou “Terra do Meu Coração”

É sob a forma de uma “bela declaração de amor” que Lucinda Maria apresenta o seu novo trabalho literário “Terra do Meu Coração”. A autora entrou na “máquina do tempo”

Região

Aveiro e Nazaré: Apreendidas 1,5 toneladas de crustáceos e pescado

A Unidade de Controlo Costeiro, através do Destacamento de Controlo Costeiro da Figueira da Foz, apreendeu, no passado dia 20 de novembro, nas localidades de Aveiro e Nazaré, 1 050

Região

Neve na cidade da Guarda exige atenção redobrada dos condutores

A queda de neve na cidade da Guarda, onde algumas ruas de maior inclinação estão fechadas ao trânsito, levou hoje a proteção civil municipal a apelar aos condutores para que

Informação

Bombeiros feridos em acidente em Arganil já tiveram alta hospitalar

Os dois bombeiros voluntários de Cantanhede que sofreram um acidente de viação na segunda-feira em Arganil já tiveram alta hospitalar, …

Última Hora

Hora muda na madrugada do próximo domingo

Os relógios vão atrasar uma hora na madrugada de domingo, 30 de outubro, dando início ao horário de inverno em Portugal, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL).

Última Hora

Resultados desportivos de fim-de-semana

O Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH) e a Associação Desportiva Nogueirense (ADN) jogaram, ontem, a 11ª jornada da Série C do Campeonato Nacional.

Informação

Seia acolhe 4ª edição Festival Internacional da Canção da Serra da Estrela

O Município de Seia acolhe, de 22 a 25 de agosto, a quarta edição do Festival Internacional da Canção da Serra da Estrela (FICSE), com 13 países representados.

Última Hora

Arganil promove esclarecimento sobre a Estratégia para a Floresta e o Território

No âmbito da Estratégia para a Floresta e para o Território, que se encontra a ser desenvolvida pelo Município de Arganil, terão lugar três sessões de esclarecimento, …

Informação

Trancoso: Pesado incendeia-se no IP2 e condiciona trânsito

Um pesado de transporte de areia incendiou-se esta tarde no IP2, no concelho de Trancoso, sem provocar feridos.

Região

Montemor-o-Velho: GNR apreende arma de fogo

O Comando Territorial de Coimbra, através do Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial de Montemor-o-Velho, apreendeu ontem, dia 21 de novembro, uma arma de fogo, na localidade de Catarruchos,

Nacional

Proteção civil alerta para possibilidade de inundações devido à chuva, trovoada e ventos fertos

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje para a possibilidade de fenómenos extremos de vento e inundações devido à chuva e trovoada prevista para as próximas 24 horas.

Informação

Município de Góis apresenta autores Goienses

A Câmara Municipal de Góis associa-se às comemorações do Ano Europeu do Património Cultural, que se celebra em 2018 por iniciativa da Comissão Europeia.

Região

17 detenções, 934 infrações e 62 acidentes no distrito de Coimbra

O Comando Territorial de Coimbra procedeu, de 16 a 22 de janeiro, a várias operações, no distrito de Coimbra, como a prevenção e o combate à criminalidade violenta e a

Região

Município de Seia lança 3º Orçamento Participativo Escolar

O Município de Seia deu hoje, 1 de outubro, inicio ao período de apresentação de candidaturas ao 3º Orçamento Participativo Escolar, que desafia os alunos do concelho …

Opinião

O Monte do Colcurinho e a falta de um outdoor na cidade em “Ca$h Resto Z€ro”

Os vídeos que se tornaram virais produzidos por uma das maiores produtoras de drones do mundo e por uma dos maiores produtores de skates serviram de mote ao espaço de

Informação

Homem apanhado a conduzir com 2,55 g/l de álcool no sangue em Coimbra

A PSP deteve na noite da última segunda-feira, por volta das 22h30, um homem de 52 nos que estava a conduzir em estado de embriaguez.

Informação

Caminhada contra o cancro mobiliza 30 mil pessoas em 78 concelhos

Trinta mil pessoas são esperadas no domingo nas caminhadas ‘O que nos Liga’, que vão decorrer em 78 municípios abrangidos pelo núcleo regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o

Última Hora

Comandante Nacional da Proteção Civil demitiu-se

Menos de meio ano após ter tomado posse, o Comandante Nacional da Proteção Civil, António Paixão, bate com a porta, em colisão com a estratégia do Governo. Duarte da Costa