Associação de vítimas em condições de recorrer ao Tribunal contra o Estado

Associação de vítimas em condições de recorrer ao Tribunal contra o Estado

image_pdfimage_print

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal está mandatada para avançar com uma ação coletiva contra o Estado se o Governo…

… insistir em “medidas de apoio discriminatórias”.

Assim foi deliberado em Assembleia Geral da Associação realizada na sexta-feira à noite e que contou com a presença de várias dezenas de vítimas do incêndio de 15 de outubro e que chegam em número cada vez maior ao conhecimento da Associação.

Luís Lagos, presidente da Associação, defende que o recurso aos tribunais deverá ser o caminho a seguir no caso “de a negociação com o Estado falhar” e “se o poder político continuar a ignorar e a tratar as vítimas do incêndio como “portugueses de segunda ou de terceira”. “Chega de incúria e de falta de respostas”, sustentou em Assembleia Geral o dirigente que, em nome das vítimas, não aceita a desigualdade que se está a verificar no que respeita aos apoios que foram disponibilizados à agricultura e às empresas do incêndio de Pedrogão Grande

O presidente da Associação de Vítimas espera que não seja necessário agir judicialmente, porém toma como exemplo o caso de uma associação semelhante em que só por via dos tribunais foi possível conseguir “o respeito do Estado”.


“Estamos numa situação de emergência, de catástrofe. Passou mês e o apoio continua por chegar, o apoio que não seja um conjunto de intenções escritas no papel, porque o papel aguenta tudo, não chega ao terreno”, verifica o dirigente.

Em causa estão os apoios anunciados pelo governo para a recuperação de empresas que são menores dos que foram disponibilizados para Pedrogão Grande. Do mesmo modo, a Associação também não aceita que a agricultura seja discriminada ao ver disponibilizadas apoios menores do que os que estão reservados para o setor empresarial. O apoio à recuperação das segundas habitações, tão essenciais para o setor turístico no concelho é outra das lutas da Associação que também não considera aceitável um apoio médio de 2500 Euros para a recuperação do recheio das habitações ardidas. “O Estado falhou aqui na função mais básica de proteção civil. A responsabilidade é do Estado. Tem obrigação de nos dar uma resposta”, sustenta Luís Lagos

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal, constituída em Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, propõe-se combater a interioridade e defender o mundo rural. A associação conta com cerca de 300 associados, entre cidadãos e empresários dos vários concelhos afetados pelos incêndios de 15 de outubro, que, no distrito de Coimbra, causaram 24 mortos.

Previous Ténis de Mesa solidário com as vítimas do grande incêndio de outubro
Next Homem detido por incêndio florestal no concelho da Guarda

Artigos Relacionados

Região

Beiras e Serra da Estrela instalam videovigilância para detetar incêndios

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) anunciou hoje que deu início à instalação de um sistema de videovigilância para deteção de incêndios rurais.

Última Hora

Igreja Matriz de Oliveira do Hospital recebe concerto de música barroca

A igreja matriz de Oliveira do Hospital recebe no próximo domingo, dia 9 de abril, às 18h00, um concerto de música barroca, que terá a participação de executantes da Orquestra

Última Hora

Detidos na Guarda oito suspeitos de integrarem rede de tráfico de droga

Ao longo da última semana, a Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal da Guarda em colaboração com outros elementos,…

Sociedade

Confraria do Bucho de Arganil celebra o 10º capítulo

Sob a égide “Dez Anos de Confraria – Dez Capítulos de Tradição com Sabor a História”, a Confraria Gastronómica do Bucho de Arganil realiza, dia 8 de outubro, o X

Nacional

Operação Baco: GNR registou 1 194 excessos de álcool

A Guarda Nacional Republicana (GNR), entre os dias 15 e 28 de maio, intensificou a fiscalização da condução sob influência de álcool, com o objetivo de prevenir a sinistralidade rodoviária

Sociedade

GNR deteve 74 pessoas em flagrante delito no fim de semana

A Guarda Nacional Republicana deteve 74 pessoas em flagrante delito no fim de semana e apreendeu 941 doses de cocaína, informou hoje a GNR.

Informação

Dispositivo de Combate a Incêndios reforçado com 45 meios aéreos a partir de hoje

A partir desta sexta-feira, dia 15 de junho, o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais para 2018 conta com mais 9 meios aéreos, oito no Continente e um na

Última Hora

CCDRC vence Prémio Europeu de Promoção Empresarial com Empresas Gazela  

A iniciativa de promoção das empresas Gazela da região Centro, promovida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), foi distinguida…

Sociedade

Hoje é mais um dia de muito calor e com risco máximo de incêndio

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para esta terça-feira, no continente, céu pouco nublado ou limpo, vento fraco e temperaturas altas.

Informação

Pedro Machado reeleito como presidente do Turismo Centro de Portugal

A Assembleia Geral Eleitoral da Entidade Regional do Turismo do Centro de Portugal (TCP) reelegeu, no passado dia 6 de julho, a Comissão Executiva liderada por Pedro Machado para mais um mandato.

Última Hora

“Espaço Blc3 – Ciência no Interior” com José Monteiro na Rádio Boa Nova

A Rádio Boa Nova retoma, hoje, o“Espaço BlC3- Ciência no Interior”. A partir das 19h00, a conversa acontece com José Monteiro.

Informação

Tábua: Homem detido por posse ilegal de armas de fogo

O Comando Territorial de Coimbra, através do Posto Territorial de Tábua, deteve um homem de 45 anos, por posse de arma ilegal, na localidade de Tábua, no passado dia 13