Associação da Serra da Estrela pede recuperação de áreas ardidas

Associação da Serra da Estrela pede recuperação de áreas ardidas

A URZE – Associação Florestal da Encosta da Serra da Estrela defendeu hoje a recuperação das áreas destruídas pelos incêndios naquela região…

… e também uma aposta na pastorícia como meio de prevenção dos fogos rurais.

José Mota, presidente da associação URZE, com sede em Gouveia, entende que “a aposta tem que passar fundamentalmente por estas duas componentes na Serra da Estrela: é a pastorícia, e, de facto, a floresta, mas uma floresta feita com pés e cabeças”.

Os incêndios deste ano, que nos dias 15 e 16 de outubro atingiram de forma particular os concelhos de Seia e de Gouveia, destruíram uma área de mais de 27 mil hectares do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE), o que corresponde a 25% da área total, segundo o responsável.

No futuro, José Mota defende a recuperação de todas as áreas degradadas da Serra da Estrela, “que neste momento serão mais de 50 mil hectares”, com plantas autóctones.

“Não é difícil fazê-lo. Mais de 25% são baldios. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tem aqui uma grande responsabilidade. E nós, enquanto entidade gestora de resíduos, podemos fazer a outra parte, ir ter com o proprietário. Deem-nos condições para, de facto, o fazermos”, afirmou o presidente da associação que encara a floresta como um elo de ligação entre a ecologia e a economia.

Analisando a área destruída pelos incêndios deste ano e os cerca de 3.500 hectares destruídos em 2015 e os cerca de 2.200 em 2016, o responsável aponta que o PNSE “é hoje uma manta de cinzas” e onde é preciso intervir “urgentemente”.

No entanto, o presidente da URZE lamenta que sendo uma área “tão importante em termos ambientais”, o Governo não tenha incluído o PNSE na experiência piloto que vai ser alargada a outras áreas protegidas do país, como a Serra da Malcata e o Parque de Montesinho.

José Mota lembra que em 2013 a URZE foi premiada pelas Nações Unidas pelo Programa de Recuperação de Áreas Degradadas da Serra da Estrela, um projeto que visava a recuperação de 30 mil hectares com plantas autóctones, nomeadamente carvalhos, castanheiros e bétulas, e a componente da pastorícia, que não foi concretizado por falta de financiamento.

Em sua opinião, um dos problemas atuais do PNSE foi criado “pelo facto de os pastores terem deixado de subir à serra, o que significa um amontoado, uma concentração de material combustível que devia ser destruído por interferência do pastoreio, nomeadamente das cabras e das ovelhas”.

As atividades de pastoreio são importantes para manter a limpeza nas redes primárias de gestão de combustíveis, que impedem a progressão dos incêndios, indicou.

A URZE tem a decorrer um projeto de pastorícia na rede primária de Alfátima, uma cumeada entre as encostas de Gouveia e de Manteigas, onde são mantidas 400 cabras que fazem o “trabalho de bombeiros”.

Se nos incêndios deste ano e de 2015 a rede primária “não tivesse sido mantida com o recurso à pastorícia, as consequências teriam sido, de facto, muito maiores”, concluiu.

Previous Região Centro: 45 mortes, 800 casas e 500 empresas atingidas nos incêndios de 15 e 16 de outubro
Next Feira do Porco e do Enchido deu “um sinal de esperança” ao concelho e à região

Artigos Relacionados

Nacional

Temperaturas acima dos 30 graus em quase todo o país

O verão acabou, mas só no calendário. Esta quarta-feira, as temperaturas em Portugal continental vão estar acima dos 30 graus em quase todos os distritos, com destaque para os 33

Região

Polícia Judiciária detém incendiários florestais em Figueira de Castelo Rodrigo

A Polícia Judiciária (PJ), através do Departamento de Investigação Criminal da Guarda, com a colaboração da GNR e de elementos dos Bombeiros Voluntários de Figueira de Castelo Rodrigo, identificou e

Última Hora

Oliveira do Hospital acolhe exposição e debate sobre Violência Doméstica

Até ao final do mês de junho encontra-se patente, em Oliveira do Hospital, a exposição “Aqui morreu uma Mulher” que reúne um conjunto de fotografias recolhidas…

Última Hora

Explosão de botija de gás provocou um morto em Moimenta da Beira

Uma pessoa morreu, hoje, no concelho de Moimenta da Beira, no distrito de Viseu, na sequência da explosão de uma botija de gás.

Região

Serra da Estrela: GNR fecha EN338 devido a desmoronamento de terras

Um desmoronamento de terras, ao final da tarde de domingo, levou a Guarda Nacional Republicana (GNR) a cortar os dois sentidos da EN338, na Serra da Estrela.

Informação

CISE promove percurso pedestre na “Aldeia Natal”

O CISE – Centro de Interpretação da Serra da Estrela associa-se uma vez mais ao evento “Cabeça, Aldeia Natal” promovendo, no dia 27 de dezembro, um percurso interpretativo pela Rota

Região

Alexandre Amado reeleito presidente da Associação Académica de Coimbra

Alexandre Amado foi reeleito presidente da Associação Académica de Coimbra, com 59,3% dos votos, numas eleições que registaram uma abstenção de cerca de 60%.

Sociedade

Homem morreu em Penela após queda numa lareira

Um homem de 90 anos morreu esta terça-feira, em Penela, na sequência de uma queda sobre a lareira da sua casa.

Sociedade

Alice Espingarda não baixa os braços após o 15 de outubro “impossível de esquecer”

Os incêndios de 15 de outubro deixaram rastos e muitos relatos para contar. Passadas três semanas da tragédia, Alice Espingarda relembra a fatídica noite em que, …

Última Hora

Estradas encerradas na Serra da Estrela devido à queda de neve

Algumas das estradas de acesso ao maciço central da Serra da Estrela estão hoje de manhã encerradas ao trânsito devido à queda de neve, disse fonte do Comando Distrital de

Última Hora

Agrupamento de Escolas celebra hoje o “Dia do Diploma”

O Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital celebra, hoje, o Dia do Diploma, cerimónia em que se reconhece o trabalho de todos os alunos que terminaram o ensino secundário no ano letivo que

Última Hora

Proteção civil alerta para possibilidade de inundações devido à chuva, trovoada e ventos fertos

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje para a possibilidade de fenómenos extremos de vento e inundações devido à chuva e trovoada prevista para as próximas 24 horas.